Falta de esperança no futuro explica conflito na RCA, diz Presidente | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Entrevista

Falta de esperança no futuro explica conflito na RCA, diz Presidente

Em entrevista exclusiva à DW África, o chefe de Estado centro-africano, Faustin-Archange Touadéra, afirma que os jovens precisam de visão e esperança, para deixar de sonhar com a fuga para a Europa.

default

Mãe e filho perante as cinzas da sua casa, no centro de deslocados de Kaga Bandoro, na República Centro-Africana

A República Centro-Africana é o país mais pobre do mundo, de acordo com o ranking anual da Global Finance Magazine. Em plena guerra civil, milícias e grupos de bandidos incendeiam aldeias, matam, roubam e violam civis, em clima de impunidade.

O país tem cerca de 600 mil deslocados internos e outros tantos fugiram para se refugiarem nos países vizinhos. Segundo as Nações Unidas, metade da população precisa de ajuda humanitária para sobreviver.

Faustin-Archange Touadéra é chefe de Estado da República Centro-Africana desde 2016. Em entrevista exclusiva à DW, Touadéra falou sobre algumas das razões do conflito e sobre o progresso do Tribunal Especial para julgar os graves crimes contra a humanidade.

DW África: Veio ao continente europeu para participar numa conferência em Bruxelas que visa renovar a parceria da Europa com África. Na conferência, lembrou os líderes presentes dos projetos que já existem entre as duas regiões, especialmente entre a Europa a República Centro-Africana.

Zentralafrikanische Republik - Faustin-Archange Touadera

Faustin-Archange Touadéra, Presidente da República Centro-Africana

Faustin-Archange Touadéra (FAT): A União Europeia é o parceiro mais importante da República Centro-Africana. Hoje em dia, essa parceria tem sido desenvolvida juntamente com africanos, ou seja, integra a nossa visão. Essa mudança é importante para que possamos articular melhor opções concretas para esta parceria.

DW África: Uma palavra que surge frequentemente quando se fala da República Centro-Africana é Bangassou, uma localidade na fronteira congolesa, palco da violência de milícias. A situação de segurança é extremamente precária. O que diz às pessoas de Bangassou que querem emigrar para a Europa?

FAT: O nosso país tem muitas minas de diamantes e ouro, o que atrai bandidos e grupos armados que querem enriquecer. Estamos a trabalhar juntamente com as Nações Unidas para proteger as pessoas e lutar contra o banditismo. Mas os conflitos são o motivo da falta de esperança nas pessoas. Se conseguirmos estancar o conflito e encontrar a paz e a reconciliação nacional, e se conseguirmos trabalhar com os nossos parceiros de forma a permitir que os jovens tenham visão e perspetiva para o futuro, conseguiremos ter o controlo do problema.

Zentralafrikanische Republik Kämpfe

Milícias anti-Balaka em Gambo, sudeste do país

DW África: A República Centro-Africana criou um Tribunal Especial em 2015 que pretende lidar com as graves violações dos direitos humanos e crimes de guerra [de 2013 a 2015, período em que despoletou uma série de conflitos armados e a guerra civil]. Mas parece que as infraestruturas, e sobretudo o dinheiro, estão em falta para pôr o tribunal em funcionamento.

FAT: O Tribunal Especial é uma instituição do Estado. Estamos a pedir ajuda aos nossos parceiros para nos ajudarem a fortalecer as estruturas legais, particularmente para este tribunal, que, de facto, precisa de dinheiro, e depois poderá começar a funcionar.

DW África: Quando exatamente poderá começar a funcionar?

FAT: Já criamos todas as infraestruturas necessárias. Agora, precisamos de acabar a construção para que os juízes e procuradores possam começar a trabalhar.

Leia mais