1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Fórum Macau encerra com promessa de apoio à industrialização dos PALOP

China anuncia mais recursos e perdoa dívidas aos PALOP. Na reunião desta quarta-feira (12.10.), que encerrou o encontro, os países pediram maior envolvimento do setor privado na cooperação económica sino-lusófona.

default

China vai continuar investindo na infraestrutura dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Na foto, na Beira, em Moçambique, canteiro de obras de construtora chinesa

O Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre os Países de Língua Portuguesa, conhecido como Fórum Macau, ecerrou esta quarta-feria (12.10.), na China, com apelos a maior envolvimento do setor privado, em especial as médias empresas, e à criação de novos serviços financeiros, perdão de dívidas e anúncio de apoio à industrialização de alguns países, nomeadamente os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste.

A reunião de hoje no Fórum de Macau reuniu na cidade empresários e quadros da área financeira, depois de na terça-feira (11.10.) ter decorrido o encontro dos governos dos países que o integram (China, Portugal, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Angola, Moçambique, Brasil e Timor-Leste), que assinaram o plano de ação para o triénio 2017-2019. 

Angola Luanda Baustelle CITIC Construction (DW/C.V. Teixeira)

Obra de construtora chinesa em Luanda, Angola (novembro de 2014)

Este documento lança "novas diretrizes" para a cooperação comercial, destacou nesta quarta a vice-ministra do Comércio da China, Gao Yan, na abertura do encontro empresarial, sublinhando o novo foco no apoio ao desenvolvimento da capacidade produtiva dos PALOP e de Timor-Leste.

Investimentos

Segundo a vice-ministra chinesa, estes países estão numa "fase inicial da industrialização" e têm "muitas oportunidades de negócio na área das infraestruturas, da energia, da agricultura e das pescas”.

Na conferência ministerial de terça-feira (11.10.), o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, anunciou linhas de crédito chinês para Timor-Leste e PALOP no valor de 2.000 milhões de yuan (cerca de 267 milhões de euros), destinadas a promover, como no passado, projetos de infraestruturas, mas também a sua industrialização nos próximos três anos.

No caso dos PALOP, os créditos serão destinados preferencialmente a Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo-Verde. De acordo com o Governo chinês, para além de infraestruturas e industrialização dos países, estes recursos visam ainda a prevenção e combate à malária, e a investigação em medicina tradicional.

A China vai ainda perdoar aos mesmos países, até 2019, dívidas já vencidas de empréstimos sem juros num valor equivalente 70 milhões de euros.

Involvimento do setor privado

Ouvir o áudio 03:03

Entrevista com o correspondente da DW África em Macau

Ainda na terça-feira, foi assinado um memorando de entendimento do Fórum Macau relativo à cooperação em capacidade produtiva que prevê a criação de um grupo de trabalho, que funcionará no âmbito do Secretariado Permanente do Fórum e que terá como função "coordenar o planeamento da cooperação, estabelecer ligações entre políticas de desenvolvimento e criar uma base de dados de projetos de cooperação em capacidade produtiva".

Durante o encontro desta quarta-feira (12.10.), repetiu-se também o outro apelo que foi transversal aos discursos dos últimos dias em torno do Fórum Macau: o do maior envolvimento dos privados na cooperação sino-lusófona. Com este objetivo, foi formalizada neste encontro a constituição da Confederação dos Empresários da China e dos Países de Língua Portuguesa.

O interesse de Cabo Verde

Nesta quarta, houve também um debate dedicado aos serviços financeiros que poderão facilitar os investimentos entre todos estes países, com destaque para o papel que Macau poderá ter, por ser uma região de língua oficial portuguesa onde é possível fazer transações em yuan.

A propósito deste tema, o administrador do banco de Cabo Verde Osvaldo Évora Lima disse que o yuan "pode constituir uma boa oportunidade de diversificação das reservas externas" do país e que este cenário está a ser "objeto de análise aprofundada".

Segundo afirmou, os bancos comerciais cabo-verdianos também "já começaram a questionar o banco central sobre a possibilidade da moeda chinesa passar a fazer parte do cabaz de cotação do Banco de Cabo Verde".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados