Expropriação de terras afeta milhares de camponeses no Huambo | Angola | DW | 03.03.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Expropriação de terras afeta milhares de camponeses no Huambo

Milhares de famílias camponesas estão a ser expulsas das suas terras na província angolana do Huambo para dar lugar a novos bairros. Segundo a SOS Habitat, as consequências são de vária ordem e têm um efeito dominó.

Os lesados já procuraram o apoio da organização não governamental SOS Habitat, que por sua vez mantém contactos com as autoridades. O diálogo entre as partes, entretanto, mostra-se muito difícil, segundo relatou em entrevista à DW África o responsável da ONG angolana, Rafael Morais.

DW África: Pode relatar-nos mais sobre este caso que afeta três comunidades?

Rafael Morais (RM): O espaço onde está a ser construída a centralidade é um espaço onde há camponeses que estão ali há muito tempo, talvez há 100 anos. O Governo Provincial do Huambo está a retirar ou retirou já esses camponeses sem, contudo, olhar para alternativas para os camponeses continuarem a produzir. Está a agir com arrogância e também há falta de diálogo para encontrar uma solução para o problema. Foi por isso que os camponeses solicitaram apoio à SOS Habitat.

Fomos até lá para nos reunirmos primeiro com a comunidade e depois com o Governo Provincial para ver se encontramos uma solução para este caso. Infelizmente, [nesse dia] o governador não estava presente. Estivemos alguns minutos com o vice-presidente e ficamos de tratar do caso com o governador, assim que formos chamados. Entregamos uma carta a pedir uma audiência.

DW África: Existe algum modelo ou processo de consulta feito pelas autoridades fazem às comunidades antes de ocuparem determinadas terras?

RM: Sim, as consultas são feitas através dos sobas, as autoridades tradicionais que se encontram nas zonas dos terrenos que o Governo precisa para construir as suas infraestruturas públicas. Infelizmente, estes sobas são usados de uma maneira que não respeita os direitos dos demais, dos povos que controlam.

Ouvir o áudio 03:45
Ao vivo agora
03:45 mins.

Expropriação de terras afeta milhares de camponeses no Huambo

E isso faz com que aqueles que se sentem derrotados também ignorem os sobas, porque acham que estes foram corrompidos e não estão a defender os direitos da comunidade.

DW África: Já que os sobas são alvo de desconfiança, não seria necessário envolver, por exemplo, os representantes da comunidade neste diálogo?

RM: Acho que logo que se faz o contacto com o soba e se reúne com ele, mesmo assim ainda há descontentamento por parte da comunidade. Além do soba, o Governo deveria reunir-se com outros representantes da comunidade, ouvir o que precisam, onde existe o erro e avançar.

DW África: Já há algum movimento para que seja criado este modelo de negociação?

RM: Sim, esse modelo de negociação vai ser criado agora pela SOS Habitat com os representantes das três comunidades que albergam mais de duas mil famílias e o Governo Provincial. Outra questão mais grave são os cemitérios. Tive informação que os locais onde está atualmente a centralidade do Huambo, além de serem zonas de cultivo, também são zonas onde foram colocados túmulos de antigos sobas e grandes homens que passaram pelo Huambo. Não houve exumação dos corpos que ali foram enterrados.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados