1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Exército do Burkina Faso na capital para reverter golpe

Militares do Burkina Faso entraram na noite passada na capital do país, Ouagadougou, para negociar com a Guarda Presidencial que desencadeou o golpe de Estado. Pretendem desarmar o regimento "sem derramamento de sangue".

Os comandantes do exército tinham emitido um comunicado a intimar os autores do golpe a deporem as armas "sem derramamento de sangue" e a apelar às unidades provinciais para marcharem até à capital. Em tanques e outros veículos militares, os soldados responderam à chamada.

Nas ruas de Ouagadougou as pessoas aguardavam a chegada do exército."Isto é libertação nacional. Estamos cansados disto, não queremos Dienderé, não queremos a Guarda Presidencial", disse um popular. "Os homens da Guarda Presidencial recusam-se a entender que as pessoas estão fartas deles. Não aceitamos um golpe de Estado".

Burkina Faso Ouagadougou General Gilbert Diendere

O general Gilbert Dienderé liderou o golpe que depôs o regime de transição

Sob comando do general Gilbert Diendéré, o golpe militar depôs o regime de transição que vigorava desde que o ex-Presidente Blaise Compaoré foi deposto há cerca de um ano devido a manifestações populares. Diendéré é ex-chefe dos serviços secretos e braço direito do antigo Presidente Compaoré. O golpe ocorreu a poucas semanas de uma eleição marcada para 11 de outubro.

Populares revoltados

Revoltadas com o golpe, milhares de pessoas deslocaram-se, na noite de segunda-feira (21.09), até às imediações da residência de Mogho Naaba, o líder tradicional do povo Mossi. Acredita-se que esteja aí refugiado o autor do golpe militar, o general Gilbert Diendéré.

"Viemos cá porque ouvimos que o general Dienderée os seus homens vieram procurar refúgio em casa de Mogho Naaba. Ele não precisa deles aqui", disse um residente em Ouagadougou. "Perdemos combatentes corajosos e estamos prontos a morrer para libertar o Burkina Faso", garante.

Os mediadores da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) apresentaram, no domingo (20.09), uma proposta para a saída da crise. Porém, o documento suscitou indignação no seio da sociedade, que se opõe à proposta de amnistia dos golpistas e à possibilidade de participação de candidatos próximos de Compaoré nas eleições - que deverão ser novamente agendadas até ao dia 22 de novembro.

Ouvir o áudio 02:56

Exército do Burkina Faso entra na capital para reverter golpe

A proposta será analisada esta terça-feira (22.09) numa cimeira extraordinária da CEDEAO em Abuja, na Nigéria.

Entretanto para acalmar os ânimos, o líder do golpe comprometeu-se a implementar o acordo da CEDEAO e a entregar o poder às autoridades civis de transição. O general Dienderé aceitou libertar o primeiro-ministro de transição Isaac Zida. O Presidente de transição, Michel Kafando, já se encontra em França.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados