1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Eurodeputada quer que Portugal evite receber investimentos da Guiné Equatorial

Uma polémica longe de chegar ao fim. É assim que muito sectores da comunidade lusófona encaram a inteção do governo da Guiné-Equatorial em ingressar na CPLP. Negócios bilaterais acentuam o debate no campo ético.

default

Eurodeputada portuguesa Ana Gomes

O facto de a Guiné Equatorial ser um país marcado por violações dos direitos humanos acaba sendo o maior obstáculo para seu ingresso na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). No entanto, o debate acabou se acentuado nas últimas semanas por negócios bilaterais envolvendo Portugal e aquele país africano.

A petrolífera equato-guineense Geopetrol teria aberto negociações para investir no Banco Internacional do Funchal (BANIF). A iniciativa foi repudiada pela eurodeputada portuguesa Ana Gomes. A parlamentar admite pedir a intervenção da Comissão Europeia, caso o Banco de Portugal e a Bolsa de Lisboa não debatam o tema.

O banco português celebrou um memorando de entendimento não vinculativo com a República da Guiné Equatorial, que prevê a participação de uma empresa do país africano no capital da instituição financeira.

A informação, veiculada há dias pelo próprio BANIF em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM ) de Portugal, dá conta de uma possível participação acionista de uma empresa da Guiné Equatorial no âmbito da segunda fase de recapitalização do BANIF.

O ponto crítico

Jornais portugueses dão como certo o interesse da Geopetrol em injetar capital no BANIF. A eurodeputada Ana Gomes lembra que o banco está a ser resgatado com dinheiro de contribuintes portugueses. Para ela, é inaceitável que uma empresa da Guiné Equatorial, certamente ligada à família do Presidente Obiang, invista em uma instituição financeira no país.

"É inaceitável que as autoridades portuguesas, o Banco de Portugal, a CNVM e o próprio governo português permitam que uma associação criminosa – seja ela um cartel colombiano ou o cartel Obiang – possa contaminar o sistema bancário português mediante a sua entrada para lavagem de dinheiro", disse a socialista Ana Gomes.

O Governo português espera o pronunciamento do Banco de Portugal para decidir a ingresso de empresas do país do presidente Teodoro Obiang Nguema no capital do BANIF.

Teodoro Obiang Nguema Präsident von Äquatorial Guinea

Teodoro Obiang Nguema, Presidente da Guiné Equatorial,

O banco contaria com uma injeção proveniente de Malabo de 133,5 milhões de euros, prevendo-se que a Guiné Equatorial venha a ficar com uma participação a rondar os 11% do capital do banco do Funchal. Isso dará à empresa estatal africana o direito de assento no Conselho de Administração do BANIF.

Ana Gomes considera que é o momento dos entes reguladores, o Banco de Portugal e a CMVM, cumprirem o seu papel.

"[As duas instituições reguladoras] têm a obrigação de garantir a sanidade do sistema financeiro português e não permitir que fundos de origem criminosa o contaminem. Se o Banco de Portugual e a CMVM não atuarem, a Comissão Europeia, que é integrante da troica, tem a obrigação também de atuar. Por isso, eu tratarei de levar esta informação à Comissão Europeia e ao BCE", afirmou Gomes.

"Interesse de cooperação"

Em recente declaração à imprensa, o secretário executivo da CPLP, Murade Murargy, considerou que o investimento da Guiné Equatorial no BANIF seria demonstração de real interesse de cooperação do país com os Estados-membros da comunidade.

O país governado por Obiang ainda goza do estatuto de observador na CPLP. Entretanto, o pedido de adesão como "membro de pleno direito" está pendente desde 2010 e deverá ser reanalisado durante a cimeira da organziação, no mês de Julho, em Dili, capital do Timor Leste.

Murade Murargy

Secretário Executivo da CPLP, Murade Muragy

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, reafirmou a posição de Lisboa em relação a esta matéria, exigindo, entre outras medidas, a adopção de moratória sobre a pena de morte.

"Isso é um ponto-chave, mas não é o único. Se isso não existir, teremos que discutir com os países membros da CPLP a atitude a tomar, mas a nossa posição é claramente negativa."

Várias organizações não-governamentais portuguesas endereçaram uma carta aberta ao primeiro-ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão, a pedir para não se associar a uma tomada de posição que favoreça a adesão da ex-colónia espanhola à CPLP como membro de pleno direito.

Ouvir o áudio 03:49

Eurodeputada quer que Portugal evite receber investimentos da Guiné Equatorial

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados