Entrada da Guiné Equatorial na CPLP ainda dá que falar | NOTÍCIAS | DW | 23.07.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Entrada da Guiné Equatorial na CPLP ainda dá que falar

Terminou esta quarta-feira (23.07) a X Cimeira da CPLP em Timor-Leste. O encontro foi marcado pela adesão da Guiné Equatorial como membro de pleno direito na comunidade, o que suscitou duras críticas de vários setores.

O anúncio da adesão da Guiné Equatorial à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) tem sido recebido com vozes críticas em vários quadrantes da sociedade. Durante a X Cimeira da CPLP em Díli, Timor-Leste, que terminou esta quarta-feira (23.07), o país foi aceite como membro de pleno direito sem que tenha havido uma votação, mas apenas um consenso, de acordo com a agência Lusa.

A decisão é considerada polémica principalmente devido à situação de Direitos Humanos no país, sendo uma das principais questões a existência da pena de morte.

Na declaração final da cimeira, os Estados-membros referem o apoio a dar à Guiné Equatorial na promoção da língua portuguesa e na adoção da moratória da pena de morte. Contudo, a Amnistia Internacional, já em fevereiro, quando foi anunciada a moratória, levanta dúvidas acerca da motivação dos governantes, de acordo com a diretora executiva da Amnistia Internacional Portugal.


Teresa Pina diz que "sobre a moratória em vigor, que é temporária, a Amnistia Internacional pronunciou-se assim que ela foi conhecida, em fevereiro passado, e, na altura, questionou a motivação subjacente a essa moratória."

E a diretora questiona a intenção real que inspiraria essa moratória: "Seria para garantir a adesão à CPLP - porque era, justamente, um dos assuntos que estava, na altura, em discussão - ou haveria e há, de facto, um compromisso sério, fundado, de abolir a pena de morte?"

Äquatorialguinea Anwalt Ponciano Mbomio Nvó und Amnesty International Portugal Direktorin Teresa Pina

Ponciano Mbomio Nvó e Teresa Pina

Dúvidas

Ponciano Nvó, um advogado da Guiné Equatorial, que está em Portugal a convite da Amnistia Internacional para falar de Direitos Humanos no seu país, participou em julgamentos de crimes de corrupção e de opositores políticos.

O advogado também levanta sérias dúvidas sobre a moratória, principalmente por apenas ter sido adotada uma resolução e não uma nova lei: "A Guiné Equatorial apresentou-se perante a comunidade, para ter acesso à mesma, mediante uma resolução que convoca uma moratória da pena de morte, e isto não pode convencer nenhuma pessoa que tenha o mínimo de cultura jurídica."

Teresa Pina considera que não cabe à sua organização pronunciar-se sobre a adesão, mas enumera algumas das preocupaçoes que existem a nível de Direitos Humanos na Guiné Equatorial, para além da pena de morte: "Eu diria que há um historial sério de execuções extra-judiciais, há também casos identificados de desaparecimentos forçados, a questão da tortura, que, não obstante estar previsto no ordenamento jurídico da Guiné Equatorial, é identificada como uma prática sistemática em estabelecimentos prisionais."

Em declarações à agência Lusa, a investigadora portuguesa Ana Lúcia Sá critica a CPLP por não ter sido suficientemente clara relativamente às razões para a aceitação do país: "poderiam ser mais claros quanto aos motivos que levaram à adesão à CPLP, em vez de falarem da língua, da pena de morte e dos Direitos Humanos, dizerem o que interessa para esta adesão e dizer em que é que a CPLP está a transformar-se, num clube de negócios."

Äquatorial-Guinea Malbao Radfahrer Fußball WM

Uma rua de Malabo, capital da Guiné Equatorial

A adesão ainda choca

Também a eurodeputada portuguesa Ana Gomes se mostrou chocada com a entrada do país na CPLP.

Em declarações à agência Lusa, a socialista critica a aceitação da antiga colónia espanhola pelas falhas democráticas: "Tudo se encaminhava nesse sentido, mas choca-me na mesma. Acho que é uma desvalorização, um atentado à própria imagem ou potencial da CPLP, porque, no fundo, está a branquear um regime ditatorial e um regime que é criminoso, que tem processos nos Estados Unidos e em França por criminalidade económica e financeira".

A eurodeputada socialista chamou a atenção para a necessidade de agora aumentar o escrutínio sobre o país, dando o exemplo do controlo que pode ser feito a nível financeiro sobre investimentos.

Também Teresa Pina considera que é necessário exercer pressão sobre o regime para que os Direitos Humanos sejam respeitados, e que a CPLP pode ser um fórum para o fazer.

Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, Präsident von Äquatorial-Guinea

Teodoro Obiang Nguema, Presidente da Guiné Equatorial

Mudanças na Guiné Equatorial?

Ponciano Nvó tem algumas dúvidas acerca da capacidade da CPLP provocar mudanças no país, mas pensa que é possível. E ele questiona: "Se durante 46 anos não se conseguiu atingir este objetivo, duvido muito que a comunidade o consiga."

Nvó prefere esperar para ver: "Mas tenho também a esperança de que, depois de tantos obstáculos que foram colocados ao país - primeiro tendo sido observador, e agora, finalmente, tendo sido admitido como membro de pleno direito - que a comunidade faça o seu trabalho para que o comportamento que vem a ser exigido à Guiné Equatorial há muito tempo, relativamente às violações de Direitos Humanos, possa ter sucesso".

A Guiné Equatorial é uma antiga colónia espanhola, onde o castelhano é a língua oficial. Independente desde 1968, é governado desde 1979 por Teodoro Obiang Nguema Mbasogo. O país é o terceiro maior produtor de petróleo na África subsaariana, depois da Nigéria e de Angola. O Português é agora o terceiro idioma oficial do país, depois do espanhol e do francês.


Durante a cimeira de Díli, foram também admitidos novos observadores associados: a Geórgia, a Turquia, a Namíbia e o Japão.

Ouvir o áudio 03:56

Entrada da Guiné Equatorial na CPLP ainda dá que falar


Leia mais

Áudios e vídeos relacionados