1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Em Moçambique mais de metade das pessoas com HIV está sem tratamento

Cerca de um milhão e meio de pessoas vivem com o vírus da Imunodeficiência Humana, SIDA, em Moçambique, mas estima-se, de acordo com um relatório dos Médicos sem Fronteiras, que apenas 640 mil procuram tratamento.

O Governo Moçambicano considerou que o combate à epidemia se encontra “numa fase crítica”, devido à atual crise económica e dificuldade de obtenção de recursos. Ainda assim, espera-se que o número de novas infeções possa ser reduzido em 30% até 2019, conforme está previsto no IV Plano Estratégico Nacional de resposta ao HIV/SIDA entre 2015 e 2019.

Kirsi Viisainen, uma das responsáveis pelo Fundo Global de Luta Contra a SIDA, Tuberculose e Malária em Moçambique, afirma que a SIDA é um grande problema no país e alerta para a complexidade do problema.

“Nunca houve tantas pessoas a fazer o tratamento como agora. Mas nem todas as pessoas que estão infetadas podem receber o tratamento. É necessário chegar a um determinado estado clínico para se ter acesso aos tratamantos mas é isso que estamos a mudar e queremos que todos possam ser tratados de imediato. O problema é que o dinheiro aqui representa um papel muito importante porque atualmente não há recursos suficientes no país para tratar toda a gente”, declarou.

Aufklärung Frauen Kondom Mozambique

Campanha de sensibilização para o uso de preservativo em Moçambique

Novo Plano Estratégico

O
novo Plano Estratégico está avaliado em 661 milhões de euros e prevê a redução do índice de mortalidade em 40%, o aumento do número de benificiários de antirretrovirais em 80% e a diminuição do abandono do tratamento ao fim de três anos.

Evitar a transmissão de mãe para filho, aumentar a percentagem de homens circuncisados para 80% e expandir o uso do preservativo para 50% para quem teve mais de um parceiro nos últimos 12 meses são medidas que também constam no plano. No entanto, o maior desafio parece ser o alerta e consciencialização das populações.

Viisainen diz que ainda há um estigma: “precisamos mudar as mentalidades e explicar às populações que doença é esta, quais as causas, como se transmite e o que pode ser feito quando já há uma infeção”.

Cerca de um terço da população infetada abandona o tratamento no primeiro ano e a responsável salienta que é preciso combater estas taxas de abandono que ocorrem devido à falta de informação, mas também por falta de recursos do Sistema Nacional de Saúde. É, assim, cada vez mais necessário que os pacientes comecem a medicação e que a continuem para se manterem saudáveis e esclareçam todas as dúvidas.

“Estamos a falar de um país, onde por vezes, para chegar a uma unidade de saúde é preciso andar mais de 10 quilómetros em estradas muito debilitadas. Fazer estes percursos regularmente para conseguir tratamento requer um grande compromisso dos pacientes. Manter as pessoas nos tratamentos é um grande desafio para o Governo”, lamenta Kirsi Viisainen.

Segundo estatísticas oficiais cerca de 45 mil pessoas morrem todos os anos devido à SIDA em Moçambique.

Ouvir o áudio 03:16

Em Moçambique mais de metade das pessoas com HIV está sem tratamento

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados