1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Em Berlim, analistas avaliam futuro de Angola com João Lourenço

Para politólogos europeus, Presidente angolano deve adotar medidas políticas e económicas que beneficiem o cidadão comum. Conferência sobre Angola na capital alemã terminou esta sexta-feira (08.12).

Deutschland Berlin - Publikum Tagung der Angola-Runde (DW/C. V. Teixeira)

Apresentação do professor alemão de Ciência Política, Peter Menys, na conferência sobre Angola

O novo Presidente angolano, João Lourenço, dirige o país à sombra de José Eduardo dos Santos? Essa é a pergunta central da palestra apresentada esta quinta-feira (07.12) por Peter Meyns, professor de Ciência Política da Universidade Duisburg-Essen, da Alemanha, perante o público da conferência com foco em Angola, em Berlim.

Meyns salientou que o Presidente angolano não terá total liberdade para agir, enquanto não assumir também a presidência de seu partido, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

Angola Sitz der Erdölfirma Sonangol (DW/N. Sul d'Angola)

Sede da Sonangol, em Luanda

"Ele só terá as mãos livres, se conseguir também, em breve, assumir a liderança do partido. Mas não há perspetivas disso em vista. José Eduardo dos Santos permanece presidente do MPLA e tem, assim, grande influência. Tem-se a impressão de que Lourenço e Dos Santos agem um ao lado do outro, mas pode-se absolutamente duvidar sobre se isso permanecerá assim," avalia o politólogo alemão.

Para o estudioso, as exonerações e nomeações feitas pelo Presidente angolano não trazem algo de extraordinário, mas trata-se daquilo que todo novo chefe de Governo faz. No entanto, a exoneração de Isabel dos Santos da Sonangol mostra uma clara postura do Presidente.

"Ele sinaliza que quer exercer com segurança seu poder como Presidente. Porque antes de deixar o poder, o antigo Presidente Dos Santos mudou a estrutura da Sonangol para favorecer o poder de sua filha, Isabel dos Santos. Não se contava, com certeza, que João Lourenço tomaria uma decisão tão rápida a respeito. E isso mostra que ele quer ser senhor de si mesmo," considera o analista.

Deutschland Berlin - David Sogge ist ein Niederländischer unabhängiger Wirtschaftspolitikberater (DW/C. V. Teixeira)

David Sogge, consultor holandês em política económica

Expetativas da população

Peter Meyns reconhece que os menos de três meses na presidência não foram suficientes para mudanças sociais e económicas, mas destaca serem exatamente essas as maiores expetativas da população angolana, perante João Lourenço.

"O fosso entre ricos e pobres, em Angola, é profundo. O Governo anterior de Dos Santos ocupou-se pouco das preocupações e necessidades da maioria da população. De João Lourenço, é esperado que ele dê passos para superar essa lacuna. Significa que ele tem que tomar iniciativas que possibilitem uma vida melhor para a maioria da população," finaliza o cientista político alemão.

Também o consultor independente em política económica com foco em África, David Sogge, acredita ser tempo do governo do MPLA cumprir as promessas feitas há mais de 40 anos e atacar as necessidades básicas dos angolanos.

Luanda Slum Kinanga (DW/N. Sul de Angola)

Para muitos angolanos, condições de vida permanecem precárias

"Mesmo com a paz relativa, o Governo do país tem sido inapto a responder decentemente e adequadamente às necessidades das pessoas e, ao invés disso, respondeu a uma classe privilegiada em Angola e a interesses fora do país – indo de banqueiros a vendedores de tecnologia e, epecialmente, as companhias mundiais de petróleo," relata o estudioso holandês.

Internamente, a ideia de diversificação da economia angolana deveria ser implementada com uma mudança do foco de atuação do Governo, no sentido de beneficiar o cidadão comum.

"Encorajando, e, em alguns casos, forçando parte da classe política a deixar as amarras sobre aspetos da economia e a permitir uma classe de empresários a emergir, permitir aos fundos governamentais apoiarem o desenvolvimento da infraestrutura no meio rural - o que poderia permitir a Angola, por exemplo, ser novamente não mais dependente da importação da maioria dos alimentos, mas um país, em grande parte, autosuficiente," sugere o especialista.

Ouvir o áudio 04:55

Em Berlim, analistas avaliam futuro de Angola com João Lourenço

Petróleo e diamantes

David Sogge acredita que o dinheiro do petróleo e dos diamantes angolanos poderia estar na base desta mudança que promoveria fortemente o aspeto social, ao ser usado "para melhorar a base na qual Angola poderia diversificar, ou re-diversificar, sua economia".

O consultor em política económica sugere ao Presidente João Lourenço “usar o dinheiro para a agricultura, pesca, mas também para serviços turísticos”.

"Mas a parte importante não é servir ao mundo externo com serviços, mas sim aos angolanos. E, o uso do dinheiro do petróleo para tal requer mudanças maiores e teremos que esperar e ver como esse dinheiro será reaplicado no futuro," conclui.

A conferência de dois dias sobre Angola foi organizada pela Associação Alemã de Informação sobre África Austral, na Afrika-Haus (ou Casa África, na tradução literal para o português, um local para a realização de eventos) em Berlim.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados