1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Eleitores de Cabinda mostraram "cartão vermelho" ao MPLA

Maiores partidos da oposição em Angola, CASA-CE e UNITA, tiveram em conjunto mais votos em Cabinda do que o partido no poder. Raúl Tati, número um na lista da UNITA na província, diz que a culpa é do MPLA.

A oposição fala em vitória. Nas eleições gerais de 23 de agosto, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) e a Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE) tiveram em conjunto mais votos na província de Cabinda do que o partido no poder, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

Segundo os resultados provisórios divulgados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), o MPLA obteve 39,75% dos votos, conseguindo eleger dois deputados; a CASA-CE conseguiu 29,33% dos votos, elegendo igualmente dois deputados, e a UNITA conseguiu eleger um deputado, com 28,18%.

Raúl Tati, antigo vigário-geral da diocese de Cabinda e candidato independente apoiado pela UNITA, considera que os eleitores mostraram um "cartão vermelho" à governação do MPLA no enclave angolano. Afirma ainda que as eleições gerais poderiam ser vistas como uma "espécie de referendo indireto" sobre a evolução do enclave de "província" para "região autónoma angolana".

Angola Raul Tati Priester in Cabina

Raúl Tati: "MPLA deve ver isto como um cartão vermelho que os eleitores de Cabinda passaram ao atual regime"

DW África: O MPLA não conseguiu vencer em Cabinda. Como interpreta os resultados na província, que dão a vitória à oposição, em conjunto?

Raúl Tati (RT): Se a tendência dos dados provisórios se confirmar, podemos confirmar o que foi dito: o MPLA não conseguiu vencer em Cabinda. A oposição levou a melhor. O MPLA deve ver isto como um cartão vermelho que, desta vez, os eleitores de Cabinda passaram ao atual regime.

DW África: E como encarar agora este novo Governo, que, evidentemente, não terá nenhuma presença forte em Cabinda?

RT: Noutros contextos, talvez pudéssemos dizer que, uma vez que os partidos da oposição levaram a melhor em Cabinda, as coisas poderiam mudar durante a próxima governação. Mas sabendo que temos um Estado fortemente centralizado, é muito difícil fazer previsões em relação ao que vai ser o próximo Governo. Acredito, porém, que fica aqui um recado muito forte do eleitorado de Cabinda para o MPLA.

O partido falhou na sua governação e na sua relação com o eleitorado de Cabinda. Mas há um outro dado interessante: o facto de os dois partidos da oposição, a UNITA e a CASA-CE, que são os grandes vencedores deste pleito em Cabinda, serem partidos que defendem um estatuto diferente de Cabinda. A UNITA defende, claramente, um estatuto de autonomia alargada; a CASA-CE também defende um estatuto especial para Cabinda - de tal modo que isto podia ser visto como uma espécie de referendo indireto em que os cabindas votaram para que o estatuto de Cabinda possa evoluir de província angolana para região autónoma.

Ouvir o áudio 03:08

Eleitores de Cabinda mostraram "cartão vermelho" ao MPLA

DW África: Se os dados preliminares se confirmarem, a CASA-CE posicionar-se-ia no segundo lugar enquanto a UNITA passaria para terceiro lugar. Que leitura faz sobre isso?

RT: Isso ainda não se confirmou. Está-se a trabalhar para confirmar. Mas, em princípio, tanto a CASA-CE como a UNITA podiam ter tido o mesmo resultado, porque são partidos que se posicionaram bem durante a campanha. Neste caso, o grande perdedor é apenas o MPLA.

DW África: Acha que a abstenção na província terá influenciado a derrota do MPLA? Essa abstenção terá sido uma reposta ao apelo lançado pela FLEC?

RT: Não acredito. A abstenção foi a que se observou em todas as partes de Angola.

DW África: Fala-se de 22,79%.

RT: Sim. Há lugares onde essa cifra foi superior. Creio mais que tenha havido problemas de deslocalização dos eleitores. Isso desmoralizou muitos eleitores ou impediu-os mesmo de exercer o seu direito de voto. O pai de um amigo meu, por exemplo, está registado cá, atualizou o registo em Cabinda, mas tinha de ir votar ao Soyo [província do Zaire]. Casos dessa natureza devem ter pesado muito. Outra leitura que se faz é de que muitos militantes do MPLA estão descontentes com o próprio partido - é um descontentamento interno com a gestão do próprio partido. Muitos deles terão colocado votos em branco e outros pura e simplesmente não foram votar.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados