1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Eleições na República do Congo inquinadas à partida

Os analistas condenam com severidade o que consideram ser uma “democracia de fachada” e a impossibilidade de eleições livres na República do Congo. Enquanto a população teme nova violência após as presidenciais.

Após 30 anos no poder, o Presidente cessante, Denis Sassou-Nguesso, enfrenta oito rivais na tentativa de conquistar um terceiro mandato nas eleições presidenciais da República do Congo no domingo, 20 de março. A candidatura de Sassou-Nguesso tornou-se possível em outubro, após a população ter dito sim, num controverso referendo, a uma emenda constitucional. Na altura, quatro pessoas morreram em confrontos entre apoiantes do chefe de Estado e militares. Agora, mais de dois milhões de eleitores são chamados a decidir se Sassou-Nguesso assume a Presidência congolesa em mais um mandato de sete anos.

Os seus adeptos não têm dúvidas que o Presidente vai ser reeleito. Bernadin Gavet, o porta-voz da juventude do Partido Congolês do Trabalho, na equipa de campanha eleitoral de Sassou-Nguesso, acha que as razões para votar em Sassou-Nguesso são óbvias: “É preciso ser cego para ignorar os aeroportos e estradas que foram construídos, os contratos concluídos, os investidores. É o candidato dos jovens, é o favorito.”

Saudades da democracia

Kongo Verfassungsreferendum - Präsident Denis Sassou Nguessou

O Presidente Denis Sassou Nguessou, no poder há 30 anos, conta com a sua reeleição

Sassou-Nguesso vê-se como um garante da paz e do desenvolvimento. Na sua página na internet anuncia que 17 mil km de estrada foram recentemente construídos em todo o país. Lidera o Congo desde 1979 – com uma pausa de cinco anos. Aos olhos dos seus adversários, as últimas décadas foram um impasse. Um apoiante do candidato da oposição Jean-Marie Michel Mokoko, acusa: “É uma ditadura. Os jovens não têm trabalho, os nossos pais também não. O desemprego está a subir. Já chega, queremos o melhor do Congo, como era antes.”

Trata-se de uma alusão aos anos entre 1992 e 1997 quando o país era liderado pelo governo democrática de Pascal Lissouba. Depois, veio a guerra civil. E Denis Sassou-Nguesso regressou novamente ao poder com a força das armas.

A espoliação do país pelo clã do Presidente

Kongo Brazzaville

O país é rico em petróleo, mas grande parte da população vive na pobreza

Andreas Mehler, investigador especializado na África Central do Instituto alemão Arnold Bergsträsser de pesquisa sociocultural, descreve a realidade no país de Sassou-Nguesso: “No Congo há uma democracia de fachada. É um sistema que se parece com uma democracia, em que há vários partidos, mas não há uma escolha real. O clã de Sassou-Nguesso e o seu partido dominam o país e recebem benefícios económicos.”

Na semana passada, três candidatos à Presidência anunciaram a criação de uma comissão eleitoral paralela à Comissão Nacional Eleitoral Independente, que recusam reconhecer, afirmando que a comissão está “ao serviço do poder”. Um dos mentores da iniciativa, o candidato independente Jean-Marie Michel Mokoko, é considerado o mais forte entre os oito rivais de Denis Sassou-Nguesso. O general Mokoko foi comandante do exército e era conselheiro próximo do atual Presidente. Para o regime Mokoko representa um perigo, diz Andreas Mehler: “Quando se decidiu candidatar no início do ano, provavelmente não por acaso, logo em seguida apareceu um vídeo que o mostra alegadamente a planear um golpe de Estado. Foi brevemente detido e posto em liberdade.”

Receio de confrontos

Ouvir o áudio 03:27

Eleições na República do Congo inquinadas à partida

Em Fevereiro, a União Europeia anunciou que não iria enviar observadores eleitorais ao Congo, alegando que não foram criadas as condições para eleições livres e justas. Também o partido no poder em França pediu que as eleições fossem adiadas, acusando Denis Sassou-Nguesso de intimidar os seus opositores e minar a democracia.

Com a queda dos preços do petróleo - o principal produto de exportação do Congo – a pobreza agravou-se no país e a contestação popular tem vindo a aumentar. Entre a população, há quem tema confrontos na capital, Brazzaville, após as eleições deste domingo. Já Denis Sassou-Nguesso promete vencer as eleições à primeira volta.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados