1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Eleições na República Democrática do Congo no final de 2017

Após várias semanas de negociações, o Governo e a oposição da RDC chegaram a um acordo que prevê que o Presidente Joseph Kabila abandone o poder antes das próximas presidenciais, a realizar em dezembro deste ano.

default

Joseph Kabila permanece no poder até que seja eleito um sucessor

O pacto mostra que a República Democrática do Congo (RDC) consegue resolver as suas questões internamente, disse o ministro da Informação e porta-voz do Governo, Lambert Mende Omalanga.

"Os nossos parceiros estrangeiros devem aprender a deixar-nos resolver os nossos problemas sozinhos", disse o ministro, sublinhando que não houve mediação estrangeira. "Mas mesmo assim chegámos a um importante compromisso entre nós", declarou.

Segundo o acordo alcançado no sábado (31.12), o Presidente Joseph Kabila permanece no poder até que seja eleito um sucessor nas eleições previstas para o final de 2017. O atual chefe de Estado fica, no entanto, impedido de se apresentar como candidato.  Além disso, o pacto prevê que a Constituição não possa ser modificada durante o período de transição.

Mandato não renovável

"O segundo e último mandato do Presidente da República, que terminou a 19 de dezembro de 2016, não é renovável. O chefe de Estado não vai concorrer a um terceiro mandato", anunciou Marcel Utembi, presidente da Conferência Episcopal da República Democrática do Congo, num encontro com a imprensa para apresentar as conclusões do acordo.

Ouvir o áudio 03:44

Eleições na República Democrática do Congo até final de 2017

Ainda assim, o Presidente mantém-se em funções até à eleição de um novo chefe de Estado. "As eleições presidenciais, legislativas e provinciais vão acontecer antes do final de dezembro de 2017. Não será permitida qualquer revisão ou alteração constitucional durante o período eleitoral ou antes das eleições", explicou Marcel Utembi.

Joseph Kabila dirige a RDC desde 2001, quando chegou ao poder após o assassinato do pai, Laurent-Désiré Kabila. Venceu as eleições presidenciais de 2006 e 2011, mas é obrigado pela Constituição congolesa a deixar o posto ao fim de dois mandatos.

A escolha de um novo Presidente estava prevista para dezembro de 2016, mas a Comissão Eleitoral e o Governo pediram em setembro que o pleito fosse adiado por falhas no recenseamento eleitoral. Na altura, a oposição rejeitou o adiamento por considerá-lo uma tentativa de Kabila de se manter no poder.

"Podíamos ter poupado vidas"

Os protestos que exigiam a renúncia do Presidente eclodiram em setembro último, em Kinshasa, provocando 50 mortos. As manifestações prolongaram-se até à semana passada, culminando na morte de outras 40 pessoas, de acordo com dados das Nações Unidas.

"Podíamos já ter feito isto e poupado várias vidas", disse Felix Tshisekedi, filho de Etienne Tshisekedi, do principal partido da oposição UDPS, que saudou a celebração do novo acordo. "Quero agradecer à Conferência Episcopal da RDC e aos seus bispos, que foram extraordinários, porque nós passámos por um período muito difícil de disputa interna", declarou.

Felix Tshisekedi também agradeceu à comunidade internacional. "Por ter sido paciente e por ter encorajado a nossa posição, o que nos trouxe à conclusão deste acordo."

O pacto em causa não foi, no entanto, assinado pelo partido Movimento para a Libertação do Congo, que considerou o acordo uma traição.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados