1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Eleições na Alemanha: Schulz quer conter a imigração ilegal

Em entrevista à DW, Martin Schulz, candidato à chancelaria alemã e principal rival de Angela Merkel, reitera que é necessário reprimir o tráfico de pessoas para travar a imigração ilegal para o continente.

Em entrevista exclusiva à DW, Martin Schulz, candidato do Partido Social Democrata (SPD) à chancelaria da Alemanha, reiterou que é necessário criar um quadro legal através do qual os requerentes de asilo ou migrantes que precisem de proteção poderão entrar na Europa.

Apesar da postura do seu partido em relação à imigração não divergir tanto com a da chanceler Angela Merkel – candidata à reeleição pela União Democrata-Cristã (CDU) –, Schulz acredita que o SPD pode realizar um trabalho melhor em colaboração com os governos africanos – incluindo os "não democráticos", ressaltou.

"Para parar os traficantes de seres humanos, devemos, se necessário, trabalhar em conjunto com países como o Níger e outros. Isso só é possível sob a supervisão de organizações internacionais, porque as normas constitucionais devem ser respeitadas e há o risco de algumas nações não seguirem as normas jurídicas internacionais", afirmou o Schulz.

Leia também: O peso de África na campanha eleitoral alemã

Responsabilidades

Sobre o motivo de não descartar o trabalho em conjunto com líderes africanos tidos como ditadores, Schulz afirmou que cabe às Nações Unidas dialogar com esses líderes, em vez de deixar a questão sob inteira responsabilidade da Europa.

Deutschland wählt DW Interview mit Martin Schulz

Schulz: "Sempre falhamos ao sucesso quando nos fechamos e tentamos reprimir os outros com nosso poder e riqueza"

Questionado se ele faria um "acordo" com alguns países, Schulz interveio, preferindo não usar o termo "acordo" como forma de encontrar uma solução para o dilema da migração.

"Como europeus e como alemães, em particular, sempre fomos bem sucedidos quando estávamos abertos, tolerantes e corajosos. Sempre falhamos ao sucesso quando nos fechamos e tentamos reprimir os outros com nosso poder e riqueza. Isso sempre terminou em desastre na Alemanha", ressaltou Schulz ao falar sobre os desafios que o próximo líder alemão precisará enfrentar.

"Não podemos nos permitir chantagear"

Schultz criticou, particularmente, a forma como a Turquia está lidando com a questão dos refugiados, dizendo: "Eu, por um lado, não estou disposto a permanecer em silêncio sobre como Erdogan está destruindo a democracia turca somente por causa da questão dos refugiados. Eu disse, e eu direi de novo que, devido à forma como o Governo turco está se comportando atualmente, a Turquia não pode se tornar um membro da União Europeia".

"Se isso nos levar a cancelar o acordo de refugiados, teremos que lidar com isso. E teremos que cuidar dos refugiados", afirmou o candidato, referindo-se ao polémico acordo entre a UE e a Turquia para conter a imigração ilegal em direção ao continente.

"Mas não estou preparado para me colocar de joelhos na frente de Erdogan. Não podemos nos permitir chantagear. E eu digo mais uma vez, do jeito que eu o conheço, ele não tentará instrumentalizar os refugiados para a sua política externa. Acho que se ele fizesse isso, perderia toda a credibilidade internacional", reforçou.

A política de Angela Merkel

Sobre o trabalho da atual chanceler, Martin Schulz disse que Merkel gerencia o status quo da Alemanha de acordo o lema "um país onde vivemos bem e gostamos de viver". "Ela está certa", admitiu o candidato, advertindo que "também queremos que a vida seja boa amanhã, e é por isso que precisamos dizer às pessoas o caminho que estamos a seguir". "Angela Merkel decidiu dizer ‘podemos fazê-lo'. Mas então outros tiveram que fazê-lo", ressaltou.

Deutschland TV Duell Merkel - Schulz

Merkel e Schulz no único debate televiso destas legislativas

Pesquisas

Nestas quinta e sexta-feira (15.09), duas pesquisas eleitorais divulgadas pelas emissoras de televisão ARD e ZDF apontam que a coligação entra a CDU e a União Social Cristã (CSU), com a chanceler Angela Merkel como candidata à reeleição, deverá vencer com certa vantagem as legislativas da Alemanha, em 24 de setembro.

A candidata surge com 37% na pesquisa da ARD – mesmo percentual da sondagem anterior. A enquente da ZDF apresenta a coligação de Merkel com 36% da intenção de voto.

Apesar das pesquisas, Martin Schulz disse que "está bem". "Pesquisas são pesquisas. Em 24 de setembro as pessoas falarão, e então veremos".

Leia mais