1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Eleições na Alemanha: Merkel e Schulz na reta final

A chanceler Angela Merkel e o social-democrata Martin Schulz fizeram as últimas aparições públicas na véspera de uma eleição que, segundo as sondagens, terá uma clara vitória da atual líder da União Democrata-Cristã.

Neste que é o último dia antes das eleições na Alemanha, a candidata à reeleição, Angela Merkel, limitou-se a conversar e tomar café com militantes da CDU que participaram na campanha como uma forma de agradecer pelo trabalho. Já Martin Schulz participou num evento do Partido Social-Democrata (SPD) em Aquisgran, no oeste do país.

A luta de Schulz no último dia antes das eleições é desesperada, já que as sondagens dão uma vantagem de 14 pontos percentuais à CDU contra o SPD. O ex-presidente do Parlamento Europeu tem tentado marcar diferenças com Merkel nos seus últimos eventos, com um discurso de defesa da justiça social e de alívios fiscais para famílias e pessoas de baixos rendimentos.

Schulz e a justiça social

Merkel defende que o seu legado de 12 anos no Governo é a queda do desemprego. Quando assumiu o cargo, em 2005, havia 5 milhões de pessoas sem trabalho na Alemanha, número que caiu para metade. A meta, segundo Angela Merkel, é o pleno emprego até 2025.

"O pleno emprego é melhor que a justiça social", dizia um cartaz do CDU que resume um ponto-chave do debate durante a campanha.

Bundeskanzlerin Angela Merkel (CDU) nimmt an der endgültigen Wahlrallye in München teil

Angela Merkel no último comício eleitoral, em Munique, na sexta-feira

O analista político Michael Spreng considera que um dos grandes erros do SPD durante a campanha foi justamente focá-la no discurso sobre justiça social, num momento em que a maioria dos alemães considera que a situação económica do país é boa.

"Não se pode vencer as eleições na Alemanha em 2017 com um discurso sobre justiça social", disse Spreng numa reunião realizada pela Associação de Imprensa Estrangeira (VAP).

Os êxitos do SPD durante o governo de Merkel - o partido faz parte da grande coligação da chanceler - também não parecem ter ajudado Schulz na campanha. Entre outras coisas, os sociais-democratas foram responsáveis pelo estabelecimento de um salário mínimo interprofissional no país.

O crescimento da extrema-direita

Se a queda do desemprego é parte do legado dos 12 anos de Merkel, o lado negativo da gestão da chanceler é o crescimento da Alternativa para a Alemanha (AfD), partido de extrema-direita que, segundo as pesquisas, chegará pela primeira vez ao Parlamento.

A AfD surgiu como um grupo contrário à União Europeia, que se opunha aos programas de resgate financeiro, como os realizados para a Grécia, e pedia a saída de boa parte do sul do continente da zona do euro. Depois, com a chegada em massa de refugiados em 2015, o partido optou por um discurso abertamente xenófobo e até mesmo revisionista em relação a fatos ocorridos na Segunda Guerra Mundial.

Wahlkampf der SPD Bayern mit Kanzlerkandidat Schulz (Reuters/H.Hanschke)

Martin Schulz no último comício eleitoral, em Berlim

As pesquisas dão 11% dos votos à AfD, que poderá tornar-se a terceira força do Parlamento, o Bundestag. No caso de uma nova grande aliança entre CDU e SPD, o partido de extrema-direita seria o maior grupo da oposição dentro do legislativo.

Negociações difíceis

As últimas pesquisas indicam dois cenários de Governo. A primeira seria uma continuação da atual aliança. Na segunda, Merkel teria como aliados o Partido Liberal e Os Verdes. Essa coligação seria inédita ao nível federal, mas já existe regionalmente no estado de Schleswig-Holstein.

A expectativa, no entanto, é que Merkel terá dificuldades nas negociações para formar o próximo Governo em ambos os casos. Os dois grandes partidos já afirmaram durante a campanha que não têm a intenção de seguir na grande coligação, fórmula considerada como último recurso se outras alianças não forem viáveis.

Além disso, não seria fácil para o SPD convencer a sua base eleitoral a voltar a ser parceiro minoritário de um governo liderado por Merkel. Por outro lado, há resistência no Partido Liberal de fazer parte de um Governo que seja integrado pelo Os Verdes.

Leia mais