1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Eleições autárquicas transformam xadrez político de Moçambique

Resultados parciais apontam a FRELIMO como vencedora em 50 dos 53 municípios do país. Ainda assim, sociólogo moçambicano diz que o cenário político muda com a ascenção do MDM e que todo o país saiu a ganhar com o pleito.

A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), o partido no poder, declarou-se "digno vencedor" das eleições autárquicas de 20 de novembro, felicitando o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro maior partido do país, pelas vitórias nos municípios da Beira e Quelimane.

Segundo dados provisórios, o MDM terá conseguido um resultado histórico na capital. O candidato Silvério Ronguane obteve 59.679 votos (41%). E Calisto Cossa, pela FRELIMO, venceu em Maputo com 79.975 votos (59%). Até ao momento, nenhum outro partido ou candidato da oposição conseguiu obter tantos votos, em toda a região sul de Moçambique.

Em entrevista à DW África, o sociólogo moçambicano Moisés Mabunda avalia os resultados das autárquicas.

DW África: Como vê Moçambique após as eleições autárquicas de 20 de novembro?

Wahlkampf Venâncio Mondlane MDM

Apesar de continuar a governar dois municípios, a votação do MDM cresceu em todo o país

Moisés Mabunda (MM): O país ganhou muito com estas eleições. A RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana, a principal força da oposição) perdeu muito porque defendeu que não houvesse eleições no país. Estamos infelizmente nesta troca de tiros, mas esse não é nenhum mecanismo de eleição de dirigentes da sociedade. E os eleitores moçambicanos foram às urnas, votaram. E esta é uma mensagem de que a sociedade pretende que a democracia seja o modo vigente.

DW África: Qual a mudança mais significativa que as eleições autárquicas trouxeram politicamente para Moçambique?

MM: Vemos o MDM a ascender talvez ao estatuto de um partido de dimensão nacional. O partido teve a pujança de poder apresentar candidatos não só para a presidência dos municípios mas também para membros das assembleias de todas as 53 autarquias que estavam em jogo. E este é um dado novo, pois até ao momento o partido da oposição que o tinha conseguido era a RENAMO.

Daviz Simango Bürgermeister von Beira

Daviz Simango deverá continuar a dirigir a Beira, a segunda maior cidade de Moçambique

DW África: Existe alguma relação entre os avanços conseguidos pelo MDM, em termos de resultados, e a estratégia de boicote da RENAMO?

MM: O MDM tem estado em todos os distritos, em todas as localidades, a mobilizar-se, a recrutar militantes, a explicar o que é que pretende - e isto haveria mesmo com a RENAMO [a participar nas eleições autárquicas]. Portanto, houve um pouco mérito do próprio MDM e também um pouco este vazio que a RENAMO deixou e que, de alguma forma, foi preenchido.

DW África: Genericamente, considera-se que apesar de o MDM ter perdido em Maputo e Matola fez história pelo grande volume de votos que conquistou. Como avalia o desempenho nas duas cidades?

MM: Não me parece muito espantoso que nessas cidades tenha havido uma luta renhida entre o MDM e a FRELIMO. Nos locais onde há muita capacidade analítica, muita informação a circular, a governação da FRELIMO é muito discutida. Devia chamar a atenção do partido no poder que a sua não aceitação está em crescendo. E portanto, tem que fazer mais.

DW África: Que perspectivas abrem estas eleições para as próximas eleições gerais agendadas para 2014?

MM: Não concorrendo a RENAMO, o que poderemos ter é um MDM talvez com um terço ou a aproximar-se da metade dos deputados da Assembleia Nacional. Participando a RENAMO nas eleições, poderá haver alguma divisão de votos porque alguns dos cidadãos que votam no MDM são, de alguma forma, partidários da RENAMO mas nunca da FRELIMO, obviamente. E a FRELIMO, ainda que esteja com uma imagem desgastada, ganhou as eleições autárquicas.

Ouvir o áudio 02:57

Eleições autárquicas transformam xadrez político de Moçambique

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados