1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Economia africana cresce embora incertezas sejam muitas

África dá sinais encorajadores no que toca às perspectivas económicas, sociais e de boa governação. Porém, a quebra do preço das matérias-primas e persistentes fragilidades ensombram o horizonte de Angola e Moçambique.

default

Produção de petróleo em Angola

Os leões africanos rugem vigorosamente a acreditar no African Economic Outlook (AEO), divulgado esta segunda-feira (23.05) em Lusaca, Zâmbia, pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e pelas Nações Unidas. Este relatório, que oferece uma vista panorâmica sobre o estado da economia do continente africano, prevê um crescimento de 3,7% este ano e 4,5% em 2017, se os preços das matérias-primas mantiverem a recuperação e a economia mundial não se constipar.

O continente "tem um bom desempenho no que diz respeito às perspectivas sociais, económicas e de governação e tem um futuro encorajador para o futuro a curto prazo", depois de em 2015 ter crescido 3,6%, acima da média mundial de 3,1%, e mais do dobro da zona euro, de acordo com o AEO.

Apesar do horizonte de crescimento, a economia africana sofre pressões orçamentais decorrentes da quebra dos preços das matérias-primas, e por isso "manter a dívida em níveis sustentáveis tornou-se cada vez mais importante", defende-se no relatório, que elogia os governos, "genericamente prudentes nas políticas orçamentais, na limitação das despesas e na melhoria da cobrança fiscal".

Angola desacelera em 2016

Se todos os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) enfrentam enormes desafios económicos e políticos, Angola tem pela frente vários de enorme complexidade.

A economia angolana tem uma enorme exposição à flutuação dos preços do petróleo, de tal forma que muitos analistas qualificam essa dependência como “a doença angolana”. Entre 2011 e 2013, estima o Fundo Monetário Internacional (FMI), o sector petrolífero representou, cerca de 45% do Produto Interno Bruto, e a receita do petróleo equivaleu a cerca de 80% das receitas arrecadas pelo Estado.

Segundo o African Economic Outlook, Angola vai abrandar de um crescimento económico de 3,8%, no ano passado, para 3,3% este ano, podendo recuperar ligeiramente em 2017, situando-se em 3,5 %. Previsões estas que estão no entanto envoltas numa grande incerteza.

José Maria Botelho de Vasconcelos Angola Minister Petroleum

José Maria Botelho de Vasconcelos, ministro do Petróleo e da Indústria

“Os números são optimistas até optimistas demais” , afirma o analista financeiro português Marco Silva. “A questão é esta: será que o petróleo vai subir de valor? Os mercados financeiros dizem que não”. Poderemos assistir a “uma nova realidade energética na próxima década, nos próximos dez quinze anos”, salienta Marco Silva, o que tornará o petróleo obsoleto. “O que se pode fazer? Abrir a economia ao mercado”.

O economista angolano Carlos Rosado de Carvalho não gosta de falar no petróleo como a “doença angolana” e considera que o choque estrutural sofrido em consequência da quebra do preço do barril de crude tem múltiplas causas. ”Eu costumo dizer que o problema de Angola não é a dependência do petróleo, mas a doença da economia angolana consiste na incapacidade, na falta de competitividade, na falta de capacidade de produzir bens e serviços com um preço e uma qualidade que sejam competitivos internacionalmente”.

Esse salto qualitativo não se faz de um momento para outro. “Se em praticamente catorze anos depois da paz a economia não se conseguiu diversificar não será nos próximos dois ou três anos que o irá fazer. Se forem tomadas as medidas necessárias, e este se é muito importante, dentro de cinco, seis anos veremos resultados”.

Para este economista importa melhorar o ambiente de negócios e atrair investimento directo estrangeiro. “Acho que isso faz a diferença. Não me parece que Angola consiga diversificar a economia sem investimento estrangeiro e não estou a falar de grandes projectos. Estou a falar de Pequenas e Médias Empresas que venham produzir em Angola aquilo que neste momento exportam para o país. Claro que para isso temos de mudar a nova lei do investimento privado que inclui o investimento estrangeiro e precisamos de mudar as leis de migração”.

Tensão política e gás põem Moçambique à prova

Schiffsplattform Saipem 10K

Exploração de gás na Bacia do Rovuma, Cabo Delgado

No relatório são apontados dois grandes desafios para Moçambique: recuperar a dinâmica do crescimento económico e garantir a sustentabilidade orçamental e da divida; e ultrapassar o “conflito de baixa intensidade”, entre o Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) que assola o país desde 2013.

A redução dos lucros nas exportações e a despesa pública são os dois principais motivos apontados para o abrandamento do Produto Interno Bruto para 6,3 % no ano passado. Para 2016 prevê-se uma ligeira aceleração para 6,5%.

“A paz é essencial para que haja progresso”, afirma Marco Silva, porém “não é apenas a paz que fará a economia crescer, há que abrir a economia ao privados e não apenas aos privados negociados pelo governo”. Este analista alerta ainda para o excesso de optimismo no sector do gás. “O problema é este: o gás nos últimos dois anos perdeu quase 70% do seu valor nos mercados internacionais e existe actualmente excesso de oferta. Não é o gás que irá revolucionar a economia moçambicana. Moçambique tem outras mais valias”. Note-se que a extracção de gás natural só começará a dar dividendos em “2025, e serão poucos e só por volta de 2040 estará em velocidade de cruzeiro. Nessa altura ninguém sabe se o gás ainda será uma fonte energética”.

Crescimento é uma planta delicada na Guiné

A Guiné-Bissau é um país que continua mergulhado numa nova crise política desde Agosto de 2015, poderá voltar a níveis de crescimento acima dos 5% este ano e registar 6,2% em 2017. Todavia o African Economic Outlook é cauteloso nas suas previsões devido ao volátil clima social e político, do desempenho do setor do caju e da continuação de reformas.

Depois de quase três anos de estagnação no seguimento do golpe de Estado de 2012, a Guiné-Bissau conseguiu retomar os níveis de crescimento, mas o "caos político em 2015 pode pôr em causa as previsões de crescimento e a viabilidade das reformas", lê-se no documento.

Consolidação orçamental deve ser prioridade para Cabo Verde

Ouvir o áudio 07:45

Economia africana cresce embora as incertezas sejam muitas

A consolidação orçamental e o aumento da produtividade são os dois principais fatores para garantir um crescimento económico sustentável em Cabo Verde, que deverá situar-se em 4% este ano, alicerçado no turismo e investimento estrangeiro, e repetir esse número em 2017.

Segundo os analistas do AEO, apesar “de o défice orçamental ter diminuído face aos elevados níveis recentes, a consolidação orçamental continua a ser uma prioridade para reduzir o risco de dívida exagerada, tranquilizar os investidores e garantir a estabilidade macroeconómica". O relatório refere ainda que "a economia não atingiu ainda o potencial máximo devido à deflação e aos altos níveis de desemprego".

Investimento direto estrangeiro em São Tomé e Príncipe

Mais de 5% deverá crescer a economia são-tomense em 2016 e 2017. O aumento do investimento direto estrangeiro na construção, agricultura, turismo e os novos projetos dos doadores devem liderar e aumentar o crescimento nos próximos anos", escreve-se no documento. Elogiando as reformas levadas a cabo nos últimos anos, particularmente no capítulo fiscal, o AEO diz que a nova legislação, se for aplicada eficazmente, "vai melhorar a eficiência da administração pública e dos serviços sociais para a população".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados