1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

Documentário junta "retalhos" da luta pela independência de São Tomé

"São Tomé e Príncipe - Retalhos de uma História" desvenda as divergências entre os protagonistas da luta pela independência e as feridas por sarar. Depois de dois anos de produção, estreia sábado (08.08) em Lisboa.

Durante cerca de uma hora e 18 minutos, os jovens realizadores são-tomenses, Jerónimo Moniz e Nilton Medeiros apresentam relatos dos principais protagonistas - são-tomenses e portugueses - do processo político que conduziu à independência de São Tomé e Príncipe, proclamada a 12 de julho de 1975.

Para o produtor Jerónimo Moniz, o documentário constitui, por si só, "um contributo importante" para a História. "Todos os protagonistas fazem parte da História. Foram eles que contribuíram para a independência de São Tomé e Príncipe, cada um com a sua história de participação neste processo, com as suas mágoas e também com os seus problemas", afirma.

Depois de vários anos de luta, o processo de descolonização impulsionado pelo 25 de abril de 1974 abriu portas à consumação do direito à autodeterminação e independência da antiga colónia.

A assinatura do Acordo de Argel, a 26 de novembro de 1974, faz parte deste processo para a proclamação da República. A partir daí, o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe (MLSTP) assumiu os destinos do país. Manuel Pinto da Costa, que voltou ao Palácio Cor de Rosa em 2011, foi o primeiro Presidente da República.

Divergências do passado

As divergências no seio do MLSTP são antigas. "Os próprios protagonistas falam disso. Quase todos queriam ser presidentes do MLSTP e da República e não se entendiam", recorda Jerónimo Moniz. Daí a escolha de Pinto da Costa - então considerado "relativamente neutro" - para liderar o processo naquela altura, refere ainda.

Dokumentarfilm Sao Tome und Principe Jeronimo Moniz und Nilton Medeiros

Jerónimo Moniz e Nilton Medeiros, os realizadores de "Retalhos de uma História"

Na altura, muitos dos dirigentes do MLSTP que viviam no exterior não conheciam bem a realidade do país que iriam governar. O documentário faz alusão ao protagonismo que então pretendia assumir a Associação Cívica Pró-MLSTP, o primeiro movimento nacionalista implantado em São Tomé e Príncipe.

"O conflito agudiza-se quando os elementos da Associação Cívica verificam que eles conhecem melhor o terreno que os membros do MLSTP que estavam no Gabão", explica Nilton Medeiros. Por isso, pensaram que deveria ser a Associação Cívica a liderar o processo de independência. "A partir daqui, começa a haver contradições entre eles", lembra.

Quinze anos depois da independência, a República inaugura o multipartidarismo. Com as divergências que se agudizaram no seio do partido histórico, surgiram outros atores no xadrez político são-tomense. Os anos que se seguiram ficaram marcados por vários exemplos de instabilidade política, de conflitos institucionais, má gestão e atrasos face ao esforço de desenvolvimento económico e social.

"Feridas ainda não sararam"

Quatro décadas depois, "percebe-se que as feridas ainda não estão saradas", uma vez que "vários protagonistas ainda não se entenderam", refere Nilton Medeiros, que também é operador de câmara e editor.

Os realizadores esperam que este seja um documentário pedagógico, que deixe às gerações mais jovens testemunhos do que foi aquele período histórico. Reflete sobre os erros do passado, mas, em tom de reconciliação, projeta também "um futuro melhor", diz Jerónimo Moniz. Alguns dos protagonistas, como Miguel Trovoada, o segundo Presidente da República, também sublinham isso no filme.

Ouvir o áudio 05:22

Documentário junta "retalhos" da luta pela independência de São Tomé

A ante-estreia de "Retalhos de uma História" aconteceu em São Tomé e Príncipe, em julho, coincidindo com o quadragésimo aniversário da proclamação da independência nacional. Segundo os realizadores, este é um passo para uma possível participação em festivais internacionais. As cerca de 400 horas de material original recolhido serão trabalhadas para publicação dos depoimentos em livro.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados