1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

DJ descendente de família são-tomense faz sucesso em Lisboa

O músico português DJ Marfox está a construir uma carreira a nível mundial, depois de encarnar os ritmos efervescentes africanos, como o kuduro angolano, criados nos bairros periféricos de Lisboa.

Jornalistas estrangeiros qualificaram a nova sonoridade, tocada nas noites africanas da capital portuguesa, como “guetto sound of Lisbon”. Rapidamente, os sons do DJ Marfox ultrapassaram as fronteiras portuguesas e conquistaram o público em festivais e clubes europeus e norte-americanos.

Num dos prédios do bairro social da Quinta do Mocho, na periferia de Lisboa, mora a família do DJ Marfox (27), que hoje vive unicamente da música. É de forma inovadora que produz os seus EP’s (extended play, também chamado de miniálbum por muitos artistas), influenciados pelos ritmos africanos do kuduro, kizomba, funaná e tarraxinha.

Como tudo começou na juventude do DJ Marfox

Lissabon DJ Marfox Privat

Marfox recebeu a equipe da DW África em sua casa

"Eu tentava fazer mixagens com cassetes. Brincava. Eu tinha mais um deck e conseguia fazer uma gravação. Eu punha duas cassetes a tocar, uma por cima da outra, e gravava numa terceira cassete", explica DJ Marfox como começou como jovem a experimentar com a mistura de músicas oriundas de várias origens .

"Há um primo meu que vivia na Charneca, mas frequentava a Portela. Ele não exerce como profissão, mas é DJ", conta DJ Marfox. "Eu vi como ele colocou músicas nas épocas natalícias ou passagens de ano, e tentava perceber como as músicas colavam-se uma na outra, como elas ficavam irmãs. Era uma coisa que me deixava fascinado. A partir daí, foi querer conhecer mais e afirmar-me como DJ."

Toda a inspiração vem da fusão

Anos mais tarde, depois de todo um processo de aprendizagem, DJ Marfox – nome artístico adotado por Marlon Silva – aparece a misturar os ritmos de dança africanos com os sons urbanos dos estilos de música eletrónica do house e techno, sempre com a preocupação de criar uma música original.

Lissabon Dj Marfox CD

Capa de CD do DJ marfox

"Tive o privilégio de nascer em Lisboa, no bairro Portela, onde pude ouvir um pouco de tudo. Eu tinha amigos indianos, havia portugueses, cabo-verdianos, guineenses", conta DJ Marfox. Foi influenciado por essa mistura de sonoridade, pelas músicas que ouvia na escola, nas rádios. "Isso fez com que, no nosso processo de criação, a gente conseguisse pôr coisas diferentes e criar um som totalmente diferente. Toda a inspiração vem dessa fusão." Cria assim a sua própria identidade, alimentada pela vivência cosmopolita e multicultural da Grande Lisboa.

O primeiro álbum desse novo som afro-português surge em 2006, com a compilação do projeto DJs do Guetto. "Eu sei quem sou" é o seu primeiro EP.

DJ Marfox diz que o kuduro, estilo angolano de música eletrónica, mostrou-lhe o caminho. A música eletrónica, sem vozes, que ele e amigos faziam no quarto, ganha pujança e projeção internacional. E mais tarde, acaba por ser nomeada pela revista norte-americana "Rolling Stone" como "dos ritmos portugueses mais influentes da atualidade".

Nova Iorque catapultou Marfox

Depois de conquistar a Europa, a atuação em Nova Iorque em 2014, eleva o músico para outro patamar, como reconhece o artista: "Tem a ver com o facto de Nova Iorque ser a capital de todas as capitais e se tu vais tocar ao MoMa (Museum of Modern Art): pegar mil pessoas, ter a imprensa e toda a gente focada no que tu acabas de passar - isso catapulta-te!" Para DJ Marfox o momento decisivo foi ter feedback do outro lado do Atlântico: "A partir desse momento as coisas tornam-se mais fáceis. Mas o trabalho é o mesmo e a dedicação continua a ser a mesma."

A agenda de 2016 inclui novo miniálbum

Ouvir o áudio 03:30

DJ descendente de família são-tomense faz sucesso em Lisboa

Graças à confiança e ao profissionalismo da produtora "Filho Único" e da editora “Príncipe Discos” (2011), mas também por força da teimosia de DJ Marfox, este estilo musical continua a conquistar palcos nos quatro cantos do mundo. Em 2015, entre outros lugares, esteve no Uganda e na Tanzânia, em África.

A já preenchida agenda de 2016 inclui Reino Unido, Holanda, Bélgica e Alemanha, a par do lançamento de um novo EP, intitulado "Chapa Quente" (Príncipe Discos).

É com modéstia que ele prefere não usar a palavra "sucesso", porque a sua carreira, passo a passo, "leve-leve", como se diz em São Tomé, ainda é um processo de conquista em fase de construção.

Goethe Institut Lissabon

O DJ Marfox no Goethe Institut de Lisboa, o instituto cultural alemão (foto de 2012)

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados