1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Dia Mundial da Rádio

No dia 13 de fevereiro celebra-se o Dia da Rádio. Para muitas pessoas, em Moçambique e Angola, por exemplo, essa fonte de informação ainda é a única opção para ficar a par das notícias locais e do que se passa no mundo.

Um dia após ser publicado o ranking internacional dos Repórteres sem Fronteiras sobre a liberdade de imprensa nos 180 países, comemora-se o Dia Mundial da Rádio. Mas nem sempre é fácil fazer rádio. Principalmente em alguns lugares, sob determinadas condições.

Custo e benefício

Emanuel Malaquias, diretor adjunto da Rádio Despertar, em Angola, conversou com a DW África e disse que às vezes é preciso recorrer a jornais, agências de informação e emissoras estrangeiras para estar informado sobre o que se passa no país. Isto, segundo Emanuel, se deve ao fato do Governo angolano tentar controlar todas as fontes e veículos de informação no país.

Deutschland Radioteleskop Effelsberg bei Bad Münstereifel

Principalmente nas zonas rurais, a Rádio é a única forma das pessoas terem acesso à informação

Ele explica ainda que Angola usa de certos mecanismos cortar a liberdade das pessoas. "Porque em Angola há um regime que detêm o poder e que controla absolutamente todos os processos sociais", explica Emanuel. "A Rádio é a melhor forma de informar e formar as pessoas a nível de sociedade", completa ele.

O entrevistado usa como exemplo a Rádio da qual é diretor adjunto e diz que a estação de informação criada em 1994 no âmbito dos acordos de Lusaka é independente.

O rádio é um aparelho barato e por isso, o mais acessível às comunidades africanas, comenta ele à nossa equipe de reportagem. Emanuel também salienta o poder e a força da Rádio: "Temos acesso a casa das pessoas de uma forma imediata e o poder de influenciar práticas e costumes", acredita ele.

Para este radialista, a presença e importância da Rádio em África é indiscutível porque há locais onde não há nem mesmo acesso por estradas muito menos aeroportos ou portos. "Em alguns lugares, a única via de comunicação com o exterior é feita via Rádio."

DW - Radio Studio

Este é um dos estúdios da DW

Liberdade de imprensa

Em Moçambique, a situação não é diferente. No ranking de 2014 dos Repórteres Sem Fronteiras (RSF), o país baixou cinco posições. Segundo Naldo Chivite, membro do Fórum das Rádios Comunitárias Moçambicanas (FORCOM) muitas vezes, os órgãos de Estado a nível local não reconhecem as Rádios comunitárias como estações de informação independente e intrometem-se.

"Ainda há muita limitação na questão do acesso à informação principalmente nas zonas rurais onde temos governos que acabam assumindo uma estrutura com muitos poderes. E eles veem as rádios comunitárias como algo em poder do governo local. Por isso, eles sempre querem mandar e se meter na linha editoriais das rádios comunitárias".

Em algumas comunidades moçambicanas, a Rádio é o único meio penetrante de informação. Ainda que muitos jornalistas continuem a ser alvo de ameaças e processos judiciais, como lamenta Naldo, a Rádio continua a ser a principal fonte de informação no país.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados