1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Diáspora de Moçambique vota até ao final do dia na Alemanha

Cerca de 84.400 moçambicanos recenseados no estrangeiro foram chamados a votar. Apenas a FRELIMO, RENAMO e MDM concorrem nos dois círculos eleitorais da diáspora: África e Europa e Resto do Mundo.

O círculo eleitoral da Europa e resto do mundo é integrado no continente europeu por Portugal, com cerca de 1.300 cidadãos moçambicanos recenseados e pela Alemanha, com 550 eleitores.

Ao início da tarde, na Alemanha, alguns residentes moçambicanos já tinham votado, mas outros esperavam ainda pelo final do dia, para exercerem o seu direito de voto depois do trabalho, nos locais onde Moçambique tem representação diplomática: Berlim, Hamburgo, Estugarda e Munique.

Aron Katija, funcionário da Companhia das Águas em Munique, vive na Alemanha há 35 anos. “Eu já votei, em Munique. Para mim é um dia muito importante, para que os moçambicanos escolham os seus dirigentes. Cada um vai escolher os dirigentes que vão cumprir os seus objectivos principais para o povo moçambicano", contou à DW África.

João Augusto, a residir na Alemanha desde 1980, trabalha actualmente como controlador de robots de soldadura e a meio da manhã também já tinha exercido o seu direito de voto, "no Consulado Honorário de Moçambique", especificou. "Já apareceu muita gente e muitos estão a caminho para virem votar", disse João Augusto.

Ouvir o áudio 02:32

Diáspora de Moçambique vota até ao final do dia na Alemanha

Maior fluxo de eleitores ao final da tarde

Nem todos conseguiram votar na manhã desta quarta-feira. E há uma explicação para o eventual aumento do fluxo de eleitores nos locais de voto nas embaixadas e consulados da Europa a partir do final da tarde. António Chichone, candidato a deputado pelo círculo da Europa e Resto do Mundo pela RENAMO, a viver em Portugal, explica que “os residentes na Europa têm uma maneira de viver, um estilo de vida diferente. Têm ocupações, uma vida corrida, preenchida. E a eleição calhou num dia de semana. Muitos dos eleitores deixaram para o final da tarde e haverá uma adesão maior".

A caminho de Estugarda, para exercer o seu direito de voto, Rui Sixpence Conzane também falou à DW África neste dia de eleições. Residente na Alemanha desde 1987, é candidato a deputado do círculo Europa e Resto do Mundo pela FRELIMO.

“Neste momento são dois os países que têm a possibilidade de votar: Portugal e Alemanha", frisou, acrescentando que votam apenas "para eleger o Presidente e os deputados da Assembleia da República". "Estou a caminho de Estugarda, onde vou exercer o meu direito de voto. Gostaria de ser um dos primeiros a votar, mas terei que percorrer estes 300 km para lá chegar", revelou o candidato.

Rui Sixpence Conzane

Rui Sixpence Conzane, candidato a deputado do círculo Europa e Resto do Mundo pela FRELIMO

Sensibilizar para o recenseamento

Desde 2009, o número de recenseados registou um aumento tanto em Portugal – onde passou de cerca de 800 para 1.300 – como na Alemanha, onde passou de 375 para 550 recenseados. Mas os dados estão aquém do número real de residentes moçambicanos nestes países. Por isso, partidos e instituições diplomáticas consideram que é preciso sensibilizar mais a diáspora moçambicana.

António Chichone, candidato a deputado pelo círculo da Europa e Resto do Mundo pela RENAMO, considera que “é preciso fazer um trabalho de base, para que estes moçambicanos não vão à embaixada simplesmente fazer o bilhete de identidade ou o passaporte".

"Esta questão precisa de mais esclarecimentos no futuro por parte dos responsáveis das instituições - a nível da Europa falo dos responsáveis das embaixadas - para que os moçambicanos participem neste processo de recenseamento e votação", afirma Chichone.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados