1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Dhlakama admite referendo sobre divisão de Moçambique

O líder da RENAMO avisa que a população exigirá um referendo para dividir o país se o Governo da FRELIMO continuar a rejeitar a criação de um Governo de gestão. Mas para o partido no poder, este é um caso encerrado.

"Eu chamaria a atenção da FRELIMO [Frente de Libertação de Moçambique, no poder] para não tentar formar Governo à força. Porque vai haver violência e desobediência", avisou esta quarta-feira (10.12) o líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Afonso Dhlakama, numa entrevista à agência de notícias Lusa, em Maputo. "A FRELIMO vai querer mandar disparar, usar polícia, e a RENAMO não vai deixar as populações serem massacradas. Nessa batalha iremos voluntariamente entrar, e ao entrarmos nisto, pronto, estragou-se".

Esta quinta-feira, Dhlakama seguiu novamente para o norte de Moçambique, desta vez para a província do Niassa, onde também vai falar ao seu eleitorado sobre a sua proposta de criar um Governo de gestão.

Bildergalerie Wahlkampf 2014 Mosambik

RENAMO continua a insistirna criação de Governo de gestão

A RENAMO rejeita os resultados das eleições de 15 de outubro por considerar o processo fraudulento, dizendo que é o legítimo vencedor do escrutínio. Mas, tendo em conta que as suas queixas foram invalidadas pelo Conselho Constitucional moçambicano, o partido vê agora como alternativa a formação de um Governo de gestão que administraria o país nos próximos cinco anos.

Recusa insistente da FRELIMO

A FRELIMO já disse várias vezes que isso está fora de questão e, esta quinta-feira, repetiu-o mais uma vez à DW África.

"O nosso partido rejeita categoricamente uma proposta dessa natureza”, disse o porta-voz do partido no poder, Damião José. "Em primeiro lugar, porque ainda não sabemos o que é um Governo de gestão. Além disso, porque as eleições, num sistema multipartidário, são regidas por princípios muito claros. Há uma lei eleitoral que é clara, praticamente partidarizada, mas tudo a pedido da RENAMO, que queria garantir maior transparência no processo."

Extremar de posições

O receio agora é de que um novo confronto volte a eclodir já que há um extremar de posições dos dois lados. Afonso Dhlakama garante que não quer voltar a guerra, mas deixa claro que reagirá se se sentir provocado: "Eu já disse que nem quero ver armas, mas se alguém disparar contra mim vou responder, vou-me defender como um direito à vida, como um ser humano."

Ouvir o áudio 04:09

Dhlakama admite referendo sobre divisão de Moçambique

Até ao momento, um encontro entre a RENAMO e a FRELIMO para discutir o assunto não está previsto. O líder do maior partido da oposição, entretanto, revelou à Lusa que tem mantido conversas informais com o ainda Presidente de Moçambique, Armando Guebuza, sobre a situação. Dhlakama pondera ainda solicitar um encontro oficial para debater a formação de um Governo de gestão.

O porta-voz da FRELIMO, Damião José, concorda que o diálogo é a melhor forma de dirimir conflitos. No entanto, para José, este é um caso encerrado: "Não há nem vai haver nenhum diálogo em relação ao dito Governo de gestão. Tem é de haver um diálogo sobre o desenvolvimento do nosso país, sobre a consolidação da paz e da unidade nacional. Cada um de nós, defendendo a sua ideologia política, tem de se comprometer a observar e respeitar as leis vigentes no nosso país."

Referendo

A outra alternativa da RENAMO, caso a sua proposta continue a ser rejeitada, é a divisão do país. Nesse caso, o partido governaria nas províncias onde venceu.

Segundo Afonso Dhlakama, é essa a vontade da população nos locais que tem visitado, no centro e norte do país. Se a FRELIMO não aprovar o Governo de gestão, os populares vão exigir um referendo sobre a divisão de Moçambique "à semelhança daquilo que aconteceu no Sudão", diz Dhlakama. "Embora eu não esteja a favor, tenho de seguir aquilo que a maioria deseja."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados