1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Detetada em Angola primeira transmissão local de encefalite japonesa em África

Investigadores do Instituto Pasteur, em Paris, anunciaram a descoberta de encefalite japonesa numa amostra de sangue de um angolano de 19 anos, de Luanda, classificando-a como o primeiro caso local da doença em África.

De acordo com o artigo científico publicado pela equipa liderada pelo investigador Etienne Simon-Loriere, o jovem em causa foi internado em março de 2016, no pico da epidemia de febre-amarela que assolou a capital, com sintomas que incluíam febre, cefaleia e icterícia, nunca tendo viajado para o estrangeiro.

O caso clínico, publicado na revista científica "The New England Journal of Medicine", refere que a amostra do sangue do paciente deu positiva para uma variante da febre-amarela relacionada com o surto da doença em 1971 em Angola, ainda no período colonial português.

Afrika Kongo Gelbfieber Impfung

Mulher é vacinada contra a febre-amarela na República Democrática do Congo

No entanto, os cientistas ficaram surpreendidos numa fase posterior da análisa durante a sequenciação do ARN, o ácido ribonucleico de alto rendimento, feito em Paris, ao descobrirem a presença de um genoma de encefalite japonesa relacionado com variantes asiáticas da doença.

A encefalite japonesa é uma doença inflamatória do sistema nervoso central e é considerada a principal causa de infeções agudas no cérebro - as encefalites - evitáveis na Ásia e no Pacífico Ocidental.

A forma mais grave da doença pode provocar a morte em 30% dos casos, embora já existam no mercado vacinas disponíveis.

É preciso maior vigilância

Embora a transmissão local do vírus da encefalite japonesa nunca tenha sido documentada no continente africano, a equipa liderada pelo investigador Simon-Loriere refere que a presença em Angola de mosquitos vetores, nomeadamente da espécie "culex tritaeniorhynchus", e de animais hospedeiros como suínos, implica uma vigilância mais apertada.

"O aumento dos níveis de movimento da população entre a Ásia e África pode fornecer oportunidades para agentes patogénicos expandirem a sua área geográfica", alertam os investigadores do Instituto Pasteur de Paris.

Os cientistas frisam ainda que o vírus da encefalite japonesa pode estar já a circular por outros países africanos.

Angola Luanda Impfkampagne Gelbfieber

Campanha de vacinação contra a febre-amarela em Luanda, Angola

Epidemia de febre-amarela

Na mais recente epidemia de febre-amarela em Angola, em dezembro de 2015, foram reportados casos em todas as 18 províncias do país e casos de transmissão local em 12 províncias, naquele que foi o pior surto da doença em 30 anos.

No entanto, em fevereiro deste ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o fim da epidemia de febre-amarela em Angola e na República Democrática do Congo, classificando-a como "uma das maiores e mais difíceis" de sempre.

Esta epidemia fez mais de 400 mortos só em Angola. 

A febre-amarela é uma doença hemorrágica viral transmitida pelo mosquito "Aedes aegypti", também transmissor de outros vírus, como o zika ou o dengue.

A vacinação é a principal medida de prevenção contra esta doença que é fatal em cerca de 50% dos casos.

Leia mais