1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Desigualdades persistem 40 anos após revolta do Soweto

Em junho de 1976, centenas de crianças foram mortas a tiro pela polícia do regime segregacionista do apartheid, na África do Sul. Marchavam contra a imposição do Afrikaans nas escolas.

Centenas de crianças e jovens do Soweto, um subúrbio nas imediações de Joanesburgo que era destinado às comunidades não brancas, organizaram uma marcha de protesto a 16 de junho de 1976. A mensagem era simples: Não à imposição do Afrikaans, a língua da comunidade branca, como idioma obrigatório de ensino de todas as disciplinas.

"A opressão de grupos minoritários é sempre agravada pela imposição da língua ao povo oprimido, e nós sentíamos que não podíamos aceitar", recorda Murphy Morobe, um dos líderes estudantis que liderou a marcha histórica.

Quando as crianças e jovens chegaram à rua Vilakazi, em Orlando ocidental, a polícia do apartheid começou a disparar com balas reais. Centenas de pessoas morreram nos confrontos que prolongaram pelos dias seguintes. Não se sabe ao certo quantos manifestantes foram mortos, mas aponta-se um número: 600 pessoas.

"Foi um inferno"

"A polícia disparava aleatoriamente", conta Sam Nzima, o fotógrafo que tirou a famosa foto de um rapaz a carregar Hector Pieterson, um menino de 13 anos atingido pelos disparos. "Puxaram das armas e dispararam diretamente para a multidão. Foi um inferno."

Bildergalerie - Rise and Fall of Apartheid

A fotografia de Hector Pieterson está num monumento de homenagem, perto do local onde ele foi morto

Como todas as lutas, a repressão à marcha dos estudantes deixou marcas dolorosas em muitas famílias. Antoinette Sithole é a irmã de Pieterson e estava junto a ele quando foi atingido: "Quando olhei para o meu irmão e vi sangue na boca entrei em pânico. Então um rapaz ia a pôr o meu irmão no carro disse: 'ele está morto'. Ao ouvir isso, chorei de desespero."

Depois do massacre, centenas de jovens deixaram o país, pegaram em armas para lutar pela liberdade, que só chegou em 1994, com a queda do apartheid.

É preciso "descolonizar o currículo"

Hoje, os habitantes do Soweto reconhecem a contribuição dos jovens de 1976. Oupa Moloto, um dos estudantes que participou no protesto, coordena atualmente o projeto da Fundação Junho de 1976, no Soweto.

"Agora não há espaços exclusivos para brancos e negros. Todos temos o mesmo bilhete de identidade. No nosso tempo, não havia estrada asfaltada. Quando jogávamos futebol era na poeira", diz à DW África.

Ouvir o áudio 02:45

Desigualdades persistem 40 anos após revolta do Soweto

Muitos dizem, no entanto, que apesar do sacrifício dos jovens do Soweto em prol da liberdade política e cívica, os sul-africanos estão ainda longe de uma igualdade educacional plena. "Hoje em dia, não há nenhuma lei que proíba os estudantes negros de estudarem nas instituições que querem, mas a realidade económica faz com que eles não consigam pagar os estudos", afirma Ralph Mathenga, um analista político independente a viver em Joanesburgo.

Existe também uma grande preocupação sobre se algumas instituições académicas sul-africanas estarão ainda a refletir alguns valores do apartheid. Segundo Mathenga, "fala-se de descolonizar o currículo, para ensinar as pessoas a orgulharem-se da sua cultura e do património africano".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados