1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Deserções partidárias em Moçambique motivadas pela ganância dos políticos

Em 20 anos de multipartidarismo em Moçambique, as deserções partidárias em épocas eleitorais continuam a ser um fenómeno imortal. Analista político justifica a alternância com a ambição dos políticos.

default

Eleições autárquicas na Gorongosa em 20.11.2013

Em Moçambique, é comum verem-se membros da oposição a vestirem a camisola do partido no poder, a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), embora o contrário também aconteça ainda que em menor escala.

“Agem em busca de benefícios financeiros, benefícios materiais… São pessoas que saem da oposição. São do MDM e de outros círculos eleitorais”, considera o analista político moçambicano Bayano Valy.

“Quando as listas partidárias apareceram, as pessoas viram goradas as suas expectativas por não constarem dessas listas. Daí decidirem desertar da oposição para o partido maioritário, pensando que ali terão ganhos”, explica.

Bürgermeister von Beira Daviz Simango

Daviz Simango é acusado pela oposição de beneficiar o irmão, Lutero Simango

Lugares em grandes empresas

Bayano Valy lembra que mesmo que a FRELIMO não possa atribuir altos cargos aos novos integrantes do Governo, pode sempre colocar os membros em lugares de liderança nas grandes empresas do país.

Numa altura de plena campanha eleitoral, este fenómeno volta a ser assunto. Na última semana a imprensa estatal noticiou deserções massivas no seio do Movimento Democrático de Moçambique (MDM). Os jornais falam em cerca de 300 membros, só na província de Nampula, mas a segunda maior força da oposição nega tudo.

“Muitas das pessoas que estão a falar em nome do MDM e a dizer que estão a desertar para outros partidos não correspondem à verdade, porque membro que é membro de uma organização política tem uma causa. E essas pessoas são pessoas que foram de uma forma unilateral usadas para responder àquilo que são os interesses do partido no poder”, garante Sande Carmona, porta-voz do MDM.

“Só para perceber, as pessoas ditas como desertoras são um número bastante elevado, o que significa que já teriam acabado com o MDM em Moçambique”, ironiza.

Ouvir o áudio 04:16

Deserções partidárias em Moçambique motivadas pela ganância dos políticos

MDM a ganhar espaço

O MDM foi o partido que nas últimas eleições autárquicas tomou da FRELIMO mais dois municípios, num processo em que a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), maior partido da oposição, foi o grande ausente.

O MDM tem ganho cada vez mais aceitação nas grandes cidades. Mas por outro lado, várias acusações pesam sobre o partido, como a existência de tribalismo, desrespeito dos estatutos partidários e até de que a formação é dominada apenas pela família dos líderes, os “Simangos”.

“No MDM, vigora a militância dos seus membros dentro da organização. E nós não temos a ousadia de privilegiar a família de quem quer que seja. Nós privilegiamos as pessoas que se dedicam à causa do Movimento Democrático de Moçambique", assevera o porta-voz do partido, Sande Carmona.

"O presidente do MDM, Daviz Simango, e o seu irmão, que é deputado na Assembleia da República, Lutero Simango, estiveram presentes no partido desde a criação. É uma questão que não pode ser vista do ponto de vista familiar. Ambos sempre estiveram na linha da frente na luta pela afirmação do MDM em Moçambique”, conclui.

António Muchanga

António Muchanga, porta-voz da RENAMO, garante que não há deserções no partido

Em eleições anteriores era comum assistir-se à saída de membros da RENAMO e à posterior entrada dos mesmos na FRELIMO. Hoje, a situação estabelece-se entre o MDM e a FRELIMO, uma clara perceção da ascensão política do MDM. Mas o porta-voz da RENAMO, António Muchanga, vê essa mudança sob uma perspetiva positiva.

“Pelo contrário, a RENAMO está a receber gente da FRELIMO e do MDM. Até agora não há deserções”, assegura António Muchanga.

A permanência deste cenário faz emergir algumas interrogações, tais como a integridade e idoneidade dos atores políticos, bem como a maturidade dos mesmos.

“Há situações de imaturidade. Não se percebe como é o Daviz Simango, sendo candidato à Presidência da República, o irmão é chefe da bancada”, critica.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados