1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

"Desculpas" para adiar as eleições na Nigéria

A Nigéria devia ter ido a votos a 14 de fevereiro. Mas as eleições foram adiadas por seis semanas – para combater o grupo radical Boko Haram, segundo a justificação oficial. Mas os críticos dizem que há outros motivos.

default

Presidente nigeriano, Goodluck Jonathan

Murna Philips é uma das pessoas que ficaram satisfeitas com a decisão da Comissão Eleitoral Nacional Independente (INEC) de adiar as eleições presidenciais e legislativas para 28 de março. Ela foi uma das centenas de milhares de nigerianos que foram obrigados a fugir de suas casas devido à violência do Boko Haram, no nordeste do país.

"Ficámos muito contentes quando ouvimos que as eleições foram adiadas, eles disseram que talvez acabariam com o Boko Haram. Talvez possamos regressar a casa e votar lá."

A Comissão Eleitoral afirmou que o exército e a polícia, a braços com o combate ao grupo extremista islâmico Boko Haram, não poderiam garantir a segurança do escrutínio.

Alltagsleben im Flüchtlings-Camp Malkohi, Nigeria

Campo de refugiados em Malkohi, na Nigéria

Fora dos campos de refugiados, poucos aplaudiram o adiamento das eleições. Na sua maioria, aqueles que vêem com bons olhos a decisão da INEC são apoiantes do Partido Democrático do Povo, liderado pelo Presidente nigeriano, Goodluck Jonathan.

Os membros do PDP tinham já solicitado um adiamento das eleições, apontando o dedo às alegadas falhas da Comissão Eleitoral na preparação do escrutínio, críticas que a comissão sempre rejeitou. Por isso, a decisão de adiar o escrutínio foi uma surpresa para o advogado Aisha Abdullahi.

"A comissão deixou claro que estava preparada. Os serviços de segurança nunca deram a entender que não seriam capazes de cumprir as suas tarefas. E, de repente, o presidente da Comissão Eleitoral diz que recebeu uma notificação das forças de segurança, afirmando que não estariam disponíveis porque estavam a lutar contra o Boko Haram", afirma o nigeriano.

"Durante todo este tempo não foram capazes de combater o grupo e é no dia das eleições que decidem entrar em campo?"

Hussaini Abdu

Ativista dos direitos civis, Hussaini Abdu

Uma questão de independência

Hussaini Abdu, que dirige o gabinete nigeriano da organização internacional de defesa dos direitos civis Action Aid, também estranhou o adiamento das eleições. "Este processo está a minar a independência da Comissão Eleitoral, porque foi levado a cabo pelos militares. A comissão foi obrigada a fazer esta escolha. É lamentável."

Este ano, a oposição tem, pela primeira vez desde o retorno da democracia à Nigéria, em 1999, uma oportunidade efetiva de tirar o PDP do poder – se as eleições decorrerem de forma justa e transparente.

O atual presidente da Comissão Eleitoral, Attahiru Jega, distinguiu-se, há quatro anos, pela organização de eleições mais limpas do que aquelas realizadas pelos seus antecessores.

Mas, nos últimos dias, multiplicaram-se os apelos dos membros do partido no poder para a demissão de Jega, por alegadamente estar a compactuar com a oposição. Na realidade, dizem as vozes críticas, a decisão de adiar as eleições serviria apenas para abrir caminho à manipulação dos resultados.

Por outro lado, o plano para tentar derrubar o presidente da Comissão Eleitoral é visto por vários analistas como a razão mais provável para o adiamento das eleições para 28 de março. Essa é uma acusação que Presidente nigeriano rejeita.

Ouvir o áudio 03:14

"Desculpas" para adiar as eleições na Nigéria

"Quero assegurar os nigerianos de que as eleições terão lugar e um novo Governo será empossado a 29 de maio deste ano. Não se deixem confundir por histórias falsas, como a de que o presidente da Comissão Eleitoral será enviado para umas férias sem retorno e substituído por alguém que vai manipular as eleições. Isto é um completo absurdo", afirmou Goodluck Jonathan.

Com os ataques do Boko Haram e os rumores de uma possível manipulação das eleições por parte do PDP, cresce o receio de um escrutínio violento.

Esta terça-feira (17.02), o líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, prometeu impedir a realização das eleições de 28 de março na Nigéria, num novo vídeo divulgado após dois atentados suicidas no nordeste do país, atribuídos ao grupo, que fizeram 38 mortos.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados