1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Descida dos preços das matérias-primas afeta África

A queda dos preços do petróleo nos mercados não deixa de ter repercussões negativas, sobretudo nos países praticamente dependentes deste recurso, como Angola. Outras matérias-primas também viram os seus preços recuar.

Os analistas ainda não ousam prever até onde cairá o preço do petróleo. Mas a situação atual já afeta não apenas o crescimento da Nigéria, mas de toda a África, afirma Robert Kappel, professor de Ciências Africanas e ex-diretor do instituto GIGA de Estudos Africanos em Hamburgo. “O crescimento em flecha da África a sul do Saara nos últimos anos dependeu em 70% das exportações de petróleo”, lembra.

De futuro, os governos terão que contar com receitas reduzidas da venda do ouro negro. Mais uma razão para acelerar a diversificação da economia em muitos países africanos dependentes do petróleo, dizem analistas independentes em todo o mundo.

Robert Kappel defende que estas medidas deviam ter sido tomadas no momento em que as receitas do petróleo eram elevadas. Apesar de ser facto conhecido que os preços de matérias-primas estão sujeitos a fortes oscilações, nenhum dos países africanos se preveniu contra a eventualidade, por exemplo, estabelecendo fundos, como fazem os países do Golfo Árabe.

Segundo o professor, a redução das receitas vai atingir duramente a população, pois obrigará a um corte dos investimentos.

Angola diversificou economia

Claire Schaffnit-Chatterje, analista do maior banco comercial alemão, o Deutsche Bank, diz que também há desenvolvimentos promissores. Angola, por exemplo, começou a diversificar a economia nos últimos anos.

Ouvir o áudio 03:19

Descida dos preços das matérias-primas afeta África

“Uma grande vantagem de Angola é dispor de reservas cambiais no valor de 30 mil milhões de dólares norte-americanos. E a participação de outros ramos da indústria na economia nacional ainda assim subiu para 60% do Produto Interno Bruto (PIB)”, sublinha.

No ano passado, o Governo angolano criou um fundo, “no qual já colocou cerca de cinco mil milhões de dólares resultantes das receitas do petróleo”, acrescenta a especialista.

Segundo a analista, Angola foi um dos países que soube tirar consequências da crise económica de 2008 e 2009, quando sofreu bastante por causa da queda do preço de petróleo nos mercados mundiais.

População sentirá consequências

No entanto, apesar da situação difícil, os analistas independentes não acreditam que a economia africana esteja ameaçada por uma crise futura.

Angola Luanda Küste

Luanda, capital de Angola - país é o segundo maior produtor de petróleo na África subsariana

“A economia da África a sul do Saara continua a crescer rapidamente. Conto com um crescimento de mais de 5% também em 2015”, explica Claire Schaffnit-Chatterjee.

Não obstante, a população vai sentir as consequências negativas, afirma o analista Robert Kappel. O que lhe parece uma amarga ironia, uma vez que as massas nunca beneficiaram da riqueza gerida pelo petróleo no passado.

“O fosso entre ricos e pobres cresceu em todos os países exportadores de matérias-primas. De uma forma geral, apenas pequenas elites africanas beneficiaram do aumento das receitas de exportação. Mas os que mais vão sofrer agora, quando as receitas recuam, são os pobres e a classe média".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados