1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Demissão do Presidente interino da República Centro-Africana Djotodia

Pressionado pela comunidade internacional pela sua alegada incpacidade de pôr termo à violência naRepública Centro-Africana, o Presidente interino, Michel Djotodia, apresentou a demissão em 10 de janeiro.

default

Populares manifestam-se em Bangui após a demissão de Djotodia

O Presidente da República Centro-Africana (RCA), Michel Djotodia, acusado pela comunidade internacional de passividade face às violências interreligiosas no seu país, renunciou esta sexta-feira (10.01) ao cargo. A decisão foi anunciada numa cimeira em NDjamenta, capital do Chade e ocorreu sob pressão dos dirigentes da Comunidade Económica da África Central (CEEAC), que convocaram uma reunião extraordinária para analisar a situação na RCA.

Também o primeiro-ministro, Nicolas Tiangaye, com quem Djotodia mantinha más relações, algo que contribuiu para a paralização de toda a ação pública face aos assassinatos em grande escala, apresentou a demissão.

Pode a demissão de Djotodia estabilizar a situação na RCA?

International Crisis Group

O International Crisis Group, acompanhou toda a crise na RCA

A pergunta que agora os observadores colocam é se as demissões de Djotodia e do seu primeiro-ministro irão fazer com que a RCA se estabilize? Thierry Virculon, da International Crisis Group (ICG), responde aos microfones da DW África: "É muito difícil de dizer, porque, por um lado Michel Djotodia não contola todos os membros da Séléka. Pelo outro, pode-se questionar o futuro dos combatentes da Séléka, ou seja, quem os irá controlar. É muito simplista dizer que a demissão do Presidente Djotodia será o suficiente para que a segurança regresse à República Centro-Africana".

Na verdade, apesar da saída do poder de Michel Djotodia ter sido saudada pela população centro-africana, muitos permanecem prudentes quanto ao futuro imediato da situação no país.

A demissão dos dirigentes centro-africanos é também considerada uma vitória diplomática para o Chade, que teve um papel deciviso ao convocar a cimeira extraordinária da CEEAC em NDjamena. Aliás, desde o início do encontro, o Presidente tchadiano, Idriss Deby, responsabilizou diretamente a equipa de Michel Djotodia pela espiral de violências interreligiosas na RCA.

Vitória diplomática para o Chade

Michel Djotodia Interim Präsident Zentralafrikanische Republik

Michel Djotodia

Mas será que o Chade se encontra numa boa posição para ditar condutas no que concerne ao "dossier" centro-africano? A pergunta tem razão de ser quando se sabe que tropas tchadianas na RCA foram acusadas de cooperar com a rebelião Séléka.

Para Thierry Virculon da ICG "isso demonstra que o Chade quer continuar a ter um papel essencial sobre o que se passa na RCA, e demonstra também que a CEEAC quer manter o controle sobre esta crise e ser o órgão capaz de encontrar a solução política. A CEEAC quer gerir este assunto e tentar marginalizar a União Africana, mas também a ONU, no dossier centro-africano".

Depois da notícia da demissão do Presidente e do chefe do Executivo ser conhecida em Bangui, milhares de habitantes foram para as ruas da capital comemorar o acontecimento. "Obrigada... obrigada... É o fim dos nossos sofrimentos e agora podemos regressar aos nossos lares. Djotodia partiu... não o queremos mais aqui", confiou à reportagem da DW África uma senhora que chorava de alegria. "Estamos felizes com esta demissão. Queremos agora que alguém que saiba dirigir este país venha governar a RCA. Queremos sómente a paz e o bem-estar porque já sofremos muito", disse um homem muito emocionado.

Eleições antes do fim do ano

Unruhen in der Zentralafrikanischen Republik

A insegurança na RCA provocou a fuga de milhares de pessoas para os países vizinhos

Entretanto, analistas afirmam que agora é preciso que o Conselho Nacional de Transição (CNT), ou seja, o Parlamento provisório, estabeleça a alternativa, porque o objetivo é a realização de eleições antes do fim do corrente ano.

Recorde-se que a Constituição provisória centro-africana estipula que o presidente do CNT deve assegurar a governação do país num periodo interino de 15 dias no máximo, o tempo para a organização da eleição de um novo Presidente pelo Conselho.

Desde o derrube em março de 2013 do Presidente François Bozizé por uma coligação de grupos predominantemente muçulmanos, a Séléka, dirigida por Djotodia, a República Centro-Africana mergulhou numa espiral de violência comunitária e interreligiosa sob o olhar impotente das instituições de transição.

Ouvir o áudio 04:36

Demissão do Presidente interino da República Centro-Africana Djotodia

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados