1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Deficiência de iodo atinge mais da metade de crianças moçambicanas

Aproximadamente 3,5 milhões de crianças podem sofrer dano cerebral pela falta de iodo, aponta o representante da UNICEF em Moçambique, Koen Vanormelingen. A iodização do sal ainda não é aplicada em todo país

A deficiência de iodo ainda atinge 68% das crianças moçambicanas, sendo que 12% delas apresentam um nível de deficiência grave, alerta Koen Vanormelingen, representante da UNICEF em Moçambique. São aproximadamente 3,5 milhões de crianças e 1,5 milhões de mulheres em idade fértil com risco de sofrer consequências graves à saúde.

A ausência de iodo pode causar danos cerebrais, anomalias congênitas, surdez e distúrbios na tiroide como o bócio ou hipotireoidismo. Além de estar relacionada com o aumento de risco de aborto e mortalidade materna.

Florian Schweigert, especialista em Nutrição Internacional e professor na Universidade de Potsdam, na Alemanha, alerta para os riscos à saúde: “Em primeiro lugar, tem de se ter em mente e considerar que a deficiência de iodo é a doença mais importante relacionada a danos cerebrais. O lado positivo é que ela pode ser evitada se a dieta for suficientemente enriquecida com iodo”.

Monitorar mercado e acesso a tecnologia ainda são desafios

Salz zum Verkauf in Mosambik

Cerca de 60% do sal produzido e comercializado em Moçambique é iodado.

A iodização do sal é considerada uma medida de baixo custo e com resultados efetivos para resolver o problema. No início de setembro, o Ministério da Indústria e Desenvolvimento e o Ministério da Saúde de Moçambique organizaram a Reunião Nacional do Programa Nacional de Iodização do Sal onde estiveram presentes representantes do governo, das indústrias de sal e associações parcerias para buscar soluções para o problema.

Moçambique é, desde 1994, signatário da Declaração Universal de Quito para a Iodização do Sal e, em 1995, lançou o programa Nacional de Iodização de Sal. Em 05 de janeiro de 2000, foi aprovada lei que obriga a iodização de todo o sal produzido, comercializado e importado para o consumo humano e animal no país.

Entretanto, segundo Vanormelingen, apenas aproximadamente 60% do sal comercializado em Moçambique é iodado. Para ele, o governo não tem os meios adequados para monitorar o mercado. “Há um problema de regulação. A capacidade do governo para regular o mercado é deficiente, e não tem a capacidade de controlar que a lei seja realmente respeitada pelos produtores”, adverte.

Koen Vanormelingen

Koen Vanormelingen, representante da UNICEF em Moçambique.

Vanormelingen alerta também para a falta de tecnologias que permitam que os pequenos produtores de sal implementem a medida. Eles são os fornecedores principalmente das províncias Cabo Delgado, Niassa, Nampula e Zambézia, no norte no país, onde o nível de iodização do sal pode ser inferior a 40%. No sul do país, o valor está mais próximo da meta da UNICEF de 80%. É também no norte onde há um maior índice de deficiência de iodo entre crianças e mulheres.

Para Marla Amaro, chefe do Departamento de Nutrição do Ministério da Saúde, o governo ainda não encontrou uma estratégia para lidar com os produtores de sal que ainda não têm a tecnologia. “Primeiro é preciso ter acesso a esta maquinaria. Depois nós temos que mapear cada um dos produtores de maneira a ver como é que nós podemos garantir que eles façam a iodização do sal”, observa. Ela adverte que há dificuldades estruturais por parte do governo para implementar as ações: “Moçambique é um país em vias de desenvolvimento e é difícil por cada um destes pequenos produtores, que não são poucos, a fazer a iodização do sal. Precisamos de uma abordagem que seja sustentável.”

Outras ações

Seria preciso também facilitar o acesso dos produtores ao iodato de potássio, garantir a rotulagem dos produtos no mercado e conscientizar o consumidor sobre a importância de usar o sal iodado.

Segundo Schweigert, é necessário também pensar paralelamente formas alternativas para aumentar a ingestão do iodo na população devido à tendência crescente de se recomendar a redução do uso do sal na dieta, para prevenir doenças cardiovasculares. Por outro lado, Schweigert relata que o risco de excesso de iodo na dieta é praticamente inexistente, uma vez que a quantidade máxima de iodo permitida por lei de 55 ppm (partes por milhão) para ser adicionada ao sal é dez vezes inferior ao valor que causa risco de intoxicação.

Ouvir o áudio 03:52

Deficiência de iodo atinge mais da metade de crianças moçambicanas

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados