1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Crise na Gâmbia domina 27ª cimeira África-França

O Presidente eleito da Gâmbia, Adama Barrow, apelou, no Mali, aos líderes da África Ocidental para ajudarem a pôr fim ao impasse político no seu país.

default

Presidente eleito, Adama Barrow

Adama Barrow reuniu-se à margem da cimeira, este sábado (14.01), em Bamako, com o Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, a sua homóloga da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, e o ex-chefe de Estado do Gana John Dramani Mahama, segundo a agência France Press. Quer ajuda para terminar com a crise em que a Gâmbia mergulhou a 9 de dezembro, quando o Presidente Yahya Jammeh anunciou que não reconhecia os resultados das eleições de 1 de dezembro, que ditaram a vitória de Barrow.

O Presidente gambiano eleito viajou para a capital maliana, na noite de sexta-feira (13.01). O que aconteceu depois de, em Banjul, os líderes africanos terem tentado convencer, sem sucesso, Yahya Jammeh a abandonar o poder.

Gambia Yahya Jammeh Präsident

Presidente há 22 anos, Jammeh recusa-se a deixar o poder na Gâmbia

Líderes de mais de 30 países participam na 27ª cimeira África-França. Debatem assuntos como o combate ao terrorismo, desafios de governação e o impacto em África da crise de migrantes e refugiados na Europa.

Muitos dos países participantes na cimeira são antigas colónias de França, que tem liderado intervenções militares no continente. Mas marcam também presença os Presidentes do Zimbabué, Robert Mugabe, e do Ruanda, Paul Kagame, que têm relações particularmente tensas com Paris.

Hollande "o mais fiel a África"

Esta é a última visita do Presidente francês, François Hollande, ao continente africano, antes de terminar o seu mandato. Na abertura da cimeira, o chefe de estado maliano, Ibrahim Boubacar Keita, disse que "de todos os chefes de Estado franceses", François Hollande "foi aquele cuja relação com África foi a mais sincera e leal possível".

Malischer und französischer Soldat

Soldado francês e maliano durante a Operação Serval

Por sua vez, Hollande frisou que a França estará "sempre ao lado do Mali até ao culminar do processo de paz". O Presidente francês saudou o facto dos "terroristas já não terem qualquer controlo sobre território [maliano], da democracia ter retomado o seu curso e a realização de eleições". No entanto, o Mali continua a ser um dos Estados mais frágeis em África.

Há quatro anos, a 11 de janeiro de 2013, François Hollande ordenou o início da Operação Serval, a fim de travar uma ofensiva de grupos jihadistas. A intervenção militar realizada no norte do país, pelas forças armadas francesas, contou com o apoio logístico dos Estados Unidos e de outros países europeus e terminou em agosto de 2014. 

Para ajudar a combater os jihadisras, a França participa na formação de 20 mil soldados africanos desde 2013, segundo fonte diplomática francesa. A formação pretende diminuir a necessidade de intervenções militares diretas nos conflitos africanos, como as operações lançadas no Mali e na República Centro-Africana, em 2013.
 

Leia mais