1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Conhecidas crises africanas novamente em mais uma cimeira da UA

Arrancou este domingo (07.06.), na África do Sul, a 25ª cimeira da União Africana. Este ano, o lema do encontro é o “Empoderamento da Mulher e do Desenvolvimento de África: Rumo à Concretização da Agenda 2063".

default

Dlamini Zuma, presidente da Comissão da UA, e Robert Mugabe, presidente em exercício da UA

Membros do Comité de Representantes Permanentes da organização Panafricana, reunidos em Pretória, deram o pontapé de saída nas discussões que vão prolongar-se durante os próximos 8 dias.

Na sessão de abertura da cimeira, o líder do Comité de Representantes Permanentes da União Africana, Albert Ranganai Chimbindi, apelou ao reconhecimento, pelos Estados membros, das mulheres como parceiras igualitárias no desenvolvimento.

Por sua vez, o seu vice, Erastus Mwencha, sublinhou que o encontro servirá para debater formas de melhorar o desempenho económico do continente, desenvolver infra-estruturas, combater a pobreza e trabalhar para a paz e a segurança: “Gostaria de ver o continente avançar de forma mais forte."

Erastus Mwencha quer "um continente determinado, por exemplo, em lançar um acordo de comércio livre totalmente africano, que permita a África realizar mais trocas internas e comunicar mais rapidamente através da rede ferroviária.”

Ruanda Kagunga Flüchtlinge

Refugiados ruandeses que tentam chegar a Europa

África desenvolvida dentro de 20 anos?

De acordo com o diplomata queniano, a União Africana já elaborou um plano para desenvolver o continente durante as próximas duas décadas, focando-se nas infra-estruturas e tecnologias de comunicação.

Outro dos grandes objetivos da organização, ainda segundo Erastus Mwencha, é combater o fluxo de capitais ilícitos no continente. Recentemente, as Nações Unidas revelaram que África perde todos os anos cerca de 60 mil milhões de dólares devido à corrupção dos políticos e empresários africanos, o que equivale a 4% do seu Produto Interno Bruto.

E durante a cimeira de oito dias, os membros da União Africana vão também debater medidas para combater este problema. É o que garante o embaixador sul-africano na Etiópia e Representante Permanente na União Africana, Ndumiso Ntshinga, sublinhando ainda a necessidade de a organização se tornar mais independente do ponto de vista económico:

“Queremos que esta união se torne cada vez mais auto-suficiente e cada vez menos dependente de financiadores externos. Queremos ser donos da organização e isto não é sustentável quando os orçamentos vêm de fora. Sustentável é sermos nós próprios a financiar-nos e, aí, fazemos o que queremos”, finaliza Ntshinga.

Nigeria Boko Haram Terrorist

Homens armados do grupo Boko Haram

As eternas crises político-militares

Também as crises políticas e de segurança em países como o Burundi ou o Sudão do Sul e a ameaça extremista islâmica em Estados como o Quénia, a Nigéria e a Somália são tópicos centrais na agenda da cimeira da União Africana.

Neste ponto, a organização tem sido fortemente criticada pela resposta lenta aos focos de violência em vários pontos do continente africano.

Manji Cheto, vice-Presidente da Teneo Intelligence, uma organização de análise de risco baseada em Londres, considera que é altura de a União Africana adotar planos concretos para responder aos problemas do continente: "A União Africana tem de estabelecer políticas de forma eficiente, definir uma estratégia política para lidar com as crises africanas."

E o vice-Presidente da Teneo Intelligence prossegue: "Se houvesse resoluções de paz, políticas e mecanismos estabelecidos dentro da organização, acho que a União Africana seria muito mais funcional e eficaz e não uma entidade que quer intervir diretamente e não tem resultados. Não temos a estrutura necessária para o fazer."

Com centenas de migrantes africanos vítimas de naufrágios na travessia pelo mar Mediterrâneo em busca de melhores condições de vida na Europa, a questão das migrações deverá também marcar a 25ª cimeira da União Africana. Os representantes africanos vão também analisar os relatórios da organização sobre a crise humanitária provocada pela epidemia de ébola.

Ouvir o áudio 03:32

Conhecidas crises africanas novamente em mais uma cimeira da UA

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados