1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Confrontos dificultam viagens de carro em Moçambique

As viagens tornaram-se perigosas e só podem ser feitas com escoltas. Correspondente da DW África percorreu um longo trecho da estrada de Inhambane a Tete.

Auto-Konvoi Mosambik (DW/B. Jequete)

Estrada em Tete, Moçambique

Uma escolta chega. O carro blindado com seis militares segue à frente de uma coluna com mais de 100 veículos que esperavam para viajar, mas mesmo com a escolta o caminho pode ser perigoso. Um viajante conta-nos que foi roubado por homens armados.

O cenário acima é uma prova de que em Moçambique não tem sido fácil ir de Inhambane a Tete. As cidades estão localizadas a menos de 900km uma da outra e a viagem antes feita de carro num dia hoje demora muito mais por causa dos confrontos entre as forças do Governo e da RENAMO, o maior partido da oposição.

Mosambik (DW/L. da Conceicao)

Carros esperam por escolta em Moçambique.

Escolta 

Não é possível percorrer o caminho sem proteção militar e se alguém perde a última escolta disponível do dia, precisa esperar até a manhã do dia seguinte dormindo no carro, na estrada ou então procurar uma pensão.  Isso aconteceu conosco e com o automobilista de João Vasco, quem conhecemos enquanto esperávamos pela escolta.

Já o viajante Faizal Abdul conta-nos uma história mais drástica sobre os perigos da viagem: "dois homens armados pediram-me dinheiro e quando eu disse que não tinha, reagiram muito mal. O camião não estava bloqueado e ao tentar fugir o camião recuou e capotou fechando o caminho. Perdi todos os meus documentos. O dinheiro também foi levado”.

Ouvir o áudio 02:27

Confrontos dificultam viagens de carro em Moçambique

Ao longo do caminho vemos centenas de casas queimadas - ali já não vive ninguém. Para os automobilistas e passageiros a situação é desesperante. Os motoristas que precisam trabalhar transportando mercadorias para o Malawi estão preocupados, conta-nos Mussa Cuirassa, que trabalha para uma empresa naquele local.

"Somos do Zimbabwe, Malawi, Joanesburgo e estamos todos a sofrer aqui na estrada", relata Cuirassa.

Além dos perigos, o percurso antes feito em um dia tornou-se dispendioso: ao longo do caminho até Tete gastamos cerca de 4.000 meticais (cerca de 50 euros) em comida e bebida para três dias de viagem - o que pode ser muito para a população local.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados