1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Conferência do clima arranca em Bona

Até 17 de novembro, representantes de mais de 100 países discutem medidas para avançar com o Acordo de Paris, para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e evitar o agravamento de fenómenos extremos.

COP23 UN Klimakonferenz in Bonn Eröffnung Salaheddine Mezouar (Reuters/W. Rattay)

Presidente de COP22, Salaheddine Mezouar, na abertura da COP23, em Bona

Arrancou esta segunda-feira (06.11), em Bona, na Alemanha, a 23ª Conferência das Nações Unidas sobre clima. Um dos temas a discutir na COP23 é o uso de energias renováveis em países africanos e asiáticos, a fim de diminuir as emissões de gases poluentes nestes países. "É preciso investir imediatamente em energias renováveis na Índia e em África", defendeu este domingo (05.11) o ministro alemão da Cooperação e Desenvolvimento, Gerd Müller.

Apesar de a conferência ter lugar na Alemanha, a COP23 é encabeçada pelas Ilhas Fiji. O Estado insular do Pacífico Sul não se considera capaz de acomodar os mais de 20 mil participantes do evento.

Concretização do Acordo de Paris

Um dos temas centrais da COP23 é a concretização do Acordo do Clima de Paris, aprovado 2015. Os signatários deste acordo comprometem-se a, através de metas climáticas nacionais, cuidar para manter o aquecimento global abaixo de 2ºC. Além disso, os diferentes planos nacionais para o clima devem poder ser comparáveis entre si. E, se possível, as metas para o futuro devem ser formuladas de forma mais ambiciosa.

Ouvir o áudio 03:37

Conferência do clima arranca em Bona

Quase todos os Estados-membros da ONU se comprometeram com o Acordo de Paris, apenas a Turquia, Rússia e o Irão ainda têm que ratificá-lo. Entretanto, há o problema principal: os Estados Unidos. O Presidente Donald Trump anulou o compromisso assumido por seu antecessor, Barack Obama, e pretende abandonar o pacto. Mas isto só poderá ser feito, de facto, em três anos e meio.

Em Bona, na Alemanha, na véspera da COP23, o Presidente das Ilhas Fiji, Frank Bainimarama, afirmou que "é preciso vontade política de todas as partes para fazermos as mudanças necessárias chegarem a todas as pessoas do mundo".

Proteção do clima na Alemanha

Para a ministra alemã do Meio Ambiente, Barbara Hendricks, a COP23 poderá garantir os meios para a implementação do Acordo de Paris. Embora a Alemanha esteja empenhada no avanço do acordo climático e o desenvolvimento de energias renováveis em outros continentes, a meta de até 2020 ter reduzido em 40% as emissões de gases poluentes no próprio país ainda está longe de ser atingida – a Alemanha ainda queima carvão mineral. 

Ainda assim, a ministra Barbara Hendricks sublinha os alemães são pioneiros na proteção do clima, principalmente por terem fomentado as energias renováveis em todo o mundo, nas últimas décadas.

Segundo Jan Kowalzig, ambientalista da ONG Oxfam, a Alemanha, enquanto modelo para a proteção do clima, fracassará nas suas próprias metas climáticas até 2020. "Isso deve-se, em particular, ao facto de que, na Alemanha, sobretudo a indústria do carvão, boicota uma mudanca energética há anos".

A COP23 poderá concretizar uma iniciativa alemã que visa possibilitar planos de seguro climático para cerca de 400 milhões de habitantes dos países do hemisfério sul. A medida, que já foi apresentada noutras conferências do clima, poderá beneficiar diretamente os países africanos.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados