1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Portugal

Como transmitir memórias da luta de libertação às novas gerações?

Protagonistas da Casa dos Estudantes do Império, extinta há 50 anos, defendem a preservação das memórias da luta contra a colonização. Pedem mais investigação sobre esse património e o ensino desse período nas escolas.

default

Colóquio em Lisboa marcou encerramento de homenagem aos antigos associados da CEI

Esta ideia de transmitir às novas gerações os "verdadeiros valores da liberdade" foi defendida pelo antigo Presidente cabo-verdiano Pedro Pires e pelo ex-primeiro-ministro moçambicano Mário Machungo na segunda-feira (25.05), Dia de África, em Lisboa, no colóquio que marcou o encerramento da homenagem aos antigos associados da Casa dos Estudantes do Império (CEI), encerrada em 1965 pela PIDE, a polícia política portuguesa.

Manuel Videira, hoje com 78 anos, foi dirigente da CEI em Coimbra, onde tirou o curso de Medicina. O médico angolano, que também foi dirigente da Associação Académica em representação dos colegas das então províncias ultramarinas em África, diz que a fuga de 100 jovens africanos para Paris (França) nos anos 60 foi o episódio mais marcante da sua participação na luta clandestina pela independência de Angola.

Mosambik Manuel Videira Politiker

O angolano Manuel Videira foi dirigente da CEI em Coimbra

Abordado pela DW África, o antigo vice-presidente de uma das últimas direções da CEI considera importantes as conferências e os colóquios em homenagem aos antigos associados para a transmissão de testemunhos à nova geração.

"Devemos insistir na importância da Casa dos Estudantes do Império na organização com êxito da célebre fuga dos 100 estudantes africanos. Porque é partir dessa fuga que os movimentos de libertação são reforçados com quadros capazes de dirigir e participar na luta", sublinha.

Entre o grupo de estudantes que fugiram de Portugal estavam Joaquim Chissano, que seria Presidente de Moçambique, o cabo-verdiano Pedro Pires, que também foi chefe de Estado, o antigo primeiro-ministro moçambicano Pascoal Mocumbi, de Moçambique, José Van-Dúnem, que foi primeiro-ministro de Angola, além de vários generais.

Espólio a estudar

Trata-se de um grande espólio que deve ser estudado com mais profundidade para transmissão de conhecimento às jovens gerações, com o envolvimento dos Ministérios da Cultura e de instituições como a Fundação Calouste Gulbenkian, que esta segunda-feira acolheu o momento alto da homenagem aos antigos alunos das ex-colónias que frequentaram a CEI.

Mosambik Mario Machungo Ex-Premierminister

Mário Machungo, antigo primeiro-ministro de Moçambique

Um dos participantes nesta homenagem foi Mário Machungo. Para o ex-primeiro- ministro de Moçambique, este registo de memórias é importante para a formação das novas gerações, que não têm ideia do que foi esse período difícil da luta contra o colonialismo português.

"São experiências diferentes que nos uniram na CEI, fizeram-nos sentir povos colonizados, espezinhados", recorda. No entanto, lamenta, "quando falamos disso, essa geração não quer saber porque a realidade é completamente diferente. Quando digo que um parente nosso foi deportado para São Tomé e nunca mais ninguém o viu, não querem saber."

Mário Machungo defende que são experiências como essas que têm de ser passadas às novas gerações, para que saibam o que os levou a fazer este combate pela libertação.

"Sem memória, futuro não faz sentido"

Pedro Pires, que dirige atualmente Fundação Amílcar Cabral, defende que "sem história e sem memória o futuro não tem sentido". Reconhece que houve falhas, mas também responsabilidades dos dirigentes africanos na necessidade de preservar o legado das lutas pelas independências dos países africanos de língua portuguesa.

Ouvir o áudio 03:34

Como transmitir memórias da luta de libertação às novas gerações?

"Se nós não tivermos a nossa memória, vamos receber a memória dos outros. Se não tivermos a nossa história, vamos receber a história dos outros. Seremos os outros e não nós mesmos", alerta o ex-Presidente de Cabo Verde.

Pedro Pires, tal como Miguel Trovoada, antigo Presidente de São Tomé e Príncipe, vieram a Lisboa juntamente com os antigos governantes França Van-Dúnem, Mário Machungo e Pascoal Mocumbi para participar no encerramento do colóquio de três dias. Um dos vários eventos organizados pela União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) para destacar o papel desempenhado pela CEI no processo pela autodeterminação e independência dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados