Commonwealth e Francofonia uma ″questão de prioridade e oportunidade″ para Angola | Angola | DW | 08.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Commonwealth e Francofonia uma "questão de prioridade e oportunidade" para Angola

Para o economista angolano Josué Chilundulo, vontade angolana de integrar Organização Internacional da Francofonia e Commonwealth é passo estratégico e diplomático. Mas Angola deve definir prioridades.

default

Bandeiras dos países da Commonwealth em frente ao Palácio de Buckingham. No futuro, veremos a bandeira angolana entre elas?

No fim de maio, o Presidente de Angola, João Lourenço, durante a visita a França, manifestou a vontade de ver o seu país integrado na Organização Internacional da Francofonia. Poucos dias depois, Angola também mostrou o mesmo interesse em relação à Commonwealth, tendo já oficializado o pedido de adesão.

Até agora, o país faz parte de organizações de países onde se fala o português: PALOP e CPLP. A DW África conversou com o Josué Chilundulo, economista angolano, sobre as novas pretensões de Luanda.

DW África: É normal o interesse de Angola, considerando as relações de afinidade que possui com membros da organização francófona e da Commonwealth?

Frankreich Emmauel Macron & Joao Lourenco, Präsident Angola

João Lourenço com Emmanuel Macron, Presidente francês

Josué Chilundulo (JC): Em princípio sim. Aquilo que é a nossa observação decorre de uma reconquista. Ou seja, Angola tem uma frente forte, a nível da diplomacia económica, social e um pouco no âmbito cultural, por causa de uma espécie de desperdício de tempo no passado. Angola, um pouco influenciada pelo elevar de preço do petróleo e, de certa forma, com alguma disponibilidade fiscal por causa disso, deixou de se relacionar com o mundo e honrar com alguns compromissos, até contratuais. E hoje, é claro, para que tenha acesso à linha de investimentos no mercado internacional e para que consiga reposicionar-se a nível da estratégia mundial, quer no mundo económico, quer no mundo social, precisa de fomentar relações. A nível da diplomacia, parece-nos bem.

DW África: Algum motivo específico estará a ditar esta estratégia de João Lourenço?

JC: Quero crer que sim. Tendo em conta mais a perspetiva económica. Vamos buscar dois exemplos significativos. O primeiro tem a ver com o desejo estratégico do Presidente em dar passos significativos a nível da zona do comércio livre. Nesse sentido, uma

Ouvir o áudio 03:44
Ao vivo agora
03:44 min

Commonwealth e Francofonia uma "questão de prioridade e oportunidade" para Angola

relação de proximidade com os países a nível da região faz todo o sentido. Por outro lado, há a necessidade de se maximizar a capacidade produtiva do país por via da conquista do investimento direto estrangeiro. Nesses termos, o caminho do investimento concentra-se essencialmente nas grande comunidades, que são a comunidade inglesa e a comunidade francesa. Ou seja, o mercado internacional, quer a nível de capital financeiro, quer a nível de know how, etc., concentra-se muito mais nos países de expressão de língua inglesa e francesa do que nos países de expressão portuguesa.

DW África: Este interesse de Angola em fazer parte dessas organizações não põe em causa a sua integração e as suas relações com outros membros da CPLP?

JC: Tecnicamente falando, quando um país decide integrar-se em diferentes regiões acaba por ter dificuldade de honrar compromissos, uma vez que cada região tem normas e princípios específicos. Muitas vezes, tais normas podem entrar em contradição. Neste caso, penso que Angola deverá, a médio e longo prazo, definir prioridades: em qual das comunidades deverá encontrar conforto e noutras ter apenas uma participação parcial e de observador. Quanto à CPLP, ali os processos estão consolidados, os poderes de influência estão completamente conquistados e penso que as relações entre os países também estão muito bem consolidadas, quer de forma bilateral quer do ponto de vista do contexto da própria comunidade. Ou seja, estou aqui a buscar exemplos de relacionamentos, quer políticos quer económicos, e até a nível militar, muito bem consolidados e penso que o direcionamento das baterias para outras comunidades não poderá ferir em nada os relacionamentos já existentes. É uma questão de diplomacia, é uma questão de prioridade e oportunidade. 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados