1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Começaram buscas aéreas nas regiões inundadas em Moçambique

As autoridades moçambicanas iniciaram esta quinta-feira (15.01) buscas aéreas nas zonas fustigadas por fortes chuvas desde sábado (10.01) na Zambézia, centro de Moçambique, onde já foram contabilizados alguns mortos.

default

Desabamento da ponte sobre o rio Licungo, na província da Zambézia

Chuvas torrenciais estão a provocar vítimas mortais e a causar avultados danos materiais em Moçambique. A província central da Zambézia é a mais atingida com mais de 15 mortos e cerca de 20 mil famílias desalojadas. Há zonas isoladas porque algumas estradas e pontes estão cortadas e destruídas.

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), que coordena as ações de salvamento e ajuda, garante que tudo está a ser feito, apesar de reconhecer, por exemplo, ser difícil a aterragem de aviões nas zonas sitiadas. A DW África entrevistou Rita Almeida, porta-voz do INGC.

DW África: Qual é o ponto da situação na província da Zambézia nesta quinta-feira, 15 de janeiro?

Rita Almeida (RA): Continuamos com níveis muito altos na bacia do Licungo e também nalguns rios da mesma bacia. No aspeto da assistência humanitária estamos a contabilizar 12 assentamentos de acomodações temporárias, seis no distrito de Mocuba, três em Morrumbala, dois em Nicoadala e um em Namacurra. De forma geral os dados que dispomos desde ontem (14.01) dizem respeito a cerca de 17 mil e 900 pessoas em centros de acomodações temporárias. Conseguimos efetuar um sobrevoo para constatarmos a situação na região porque tínhamos informações de pessoas que estariam sitiadas.

Atualmente essas pessoas e os locais já estão identificados e o Governo começou a desenvolver esforços visando solucionar o problema. Esta quinta-feira (15.01) estão a ser realizados alguns sobrevoos das regiões mais afetadas pelas chuvas e cheias, com a utilização de aviões da Força Aérea Moçambicana (FAM), aparelhos que são coadjuvados pela força aérea da África do Sul. O objetivo é identificar melhor as zonas sitiadas e assim darmos início às medidas de apoio a essas regiões.

Regenfälle in Mosambik

Distrito de Mocuba é até agora o mais afetado pelas enxurradas na Zambézia

DW África: Existem meios suficientes para socorrer essas vítimas das cheias, como por exemplo meios aéreos e marítimos, pessoal médico e outros?

RA: Atualmente contamos com esse reforço das FAM e da aviação sul-africana, mas também estamos a contar com aeronaves de privados moçambicanos. Vamos utilizando esses meios já existentes, principalmente para fazermos o reconhecimento das zonas sinistradas e arrancarmos com o abastecimento principalmente de água potável e alimentos utilizando precisamente esses meios aéreos, embora não seja possível efetuar qualquer tipo de aterragem. Mas mesmo através do ar essas zonas sitiadas poderão ser abastecidas com o lançamento de mantimentos.

DW África: Estes meios necessários para salvar as vítimas terão chegado a tempo ou com muito atraso em relação às necessidades que situações do género exigem?

RA: Estávamos com alguns barcos, mas devido à força da àgua não foi possível ter acesso aos locais sitiados. Mas mesmo assim deslocamo-nos à região porque os governos locais conhecem mais ou menos a geografia e a distribuição das famílias, bem como os pontos onde possivelmente poderiam estar algumas pessoas. Então, foi possível termos uma ideia global dos locais onde eventualmente estariam refugiadas algumas famílias.

Soubemos, por exemplo, de algumas crianças que se encontram atualmente sitiadas e desde o primeiro momento conseguimos saber a localização delas. O único problema é que enfrentamos muitas dificuldades no que concerne ao acesso ao local precisamente devido à força da água. O que estamos a fazer neste momento é garantir que essas pessoas sitiadas tenham acesso principalmente a água potável e alimentos.

DW África: Qual é o nível de gravidade das cheias na província da Zambézia?

RA: Podemos dizer que são cheias severas na medida que existem locais em que as águas atingiram níveis a que há muito tempo não tinham chegado. Em pouco tempo os caudais assumiram proporções e força enormes, muitas pontes foram destruídas, estradas cortadas, ligações entre distritos interrompidas.

Ouvir o áudio 03:51

Começaram buscas aéreas nas regiões inundadas em Moçambique

Mas como temos uma previsão de que poderemos ter um abrandamento das chuvas nos próximos dias, os setores competentes poderão fazer uma avaliação em termos do que chamamos de “intervenções de emergência” para garantir nomeadamente a ligação por via terrestre entre os três locais que neste momento é impossível efetuar.

DW África: E quantas pessoas morreram até agora ?

RA: Em termos de óbitos temos algumas informações dispersas. Mas segundo o nosso processo de sistematização de dados, essas informações têm que ser ponderadas e analisadas pelo sector da saúde, sob risco de avançarmos números que não sejam os mais correctos. Mas penso que nos próximos dias poderemos ter informações mais sistematizadas pelos serviços competentes.

Apelos à população

As autoridades lançaram apelos para a população deixar as zonas propensas a cheias e inundações ao longo do curso do rio Licungo, incluindo nas planícies adjacentes nas regiões de Nante, Vila Valdez, Yassopa, Munda-Munda, Nbaua, Muebele e Malei, muito afetadas pelas enchentes verificadas em 2014.

A circulação na N1, a principal estrada entre o norte e o centro de Moçambique, continua interrompida devido ao desabamento das pontes sobre os rios Licungo e Lugela.

As Forças Armadas da África do Sul enviaram nesta quinta-feira (15.01) um contigente militar para prestar assistência às vítimas das cheias na província moçambicana da Zambézia. O apoio sul-africano consiste em dois helicópteros, marinheiros e pessoal médico do Hospital Militar.

Para além de prestar assistência, esta equipa irá fazer um levantamento do que é necessário para apoiar as vítimas. Este é descrito como o primeiro apoio internacional às vitimas das atuais cheias neste País Africano de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

Regenfälle in Mosambik

Autoridades lançaram apelos para a população deixar as zonas propensas a cheias

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados