″Coligação Jamaica″: desafio para formar novo Governo alemão | Alemanha decide | DW | 25.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha decide

"Coligação Jamaica": desafio para formar novo Governo alemão

A formação de uma coligação governamental entre a União, o FDP e Os Verdes é o cenário mais provável na Alemanha. No entanto, não será uma tarefa simples, admitiram esta segunda-feira (25.09) líderes dos partidos.

Um dia após as eleições federais da Alemanha, os partidos realizaram reuniões internas para avaliar os resultados alcançados e preparar o início das negociações sobre a formação de um novo Governo na Alemanha.

O cenário mais provável é a formação da chamada "Coligação Jamaica", em que a União (CDU/CSU) se aliaria aos Liberais do FDP e ao partido Os Verdes. O nome da coligação é uma alusão à semelhança entre as cores dos partidos (preto: CDU, amarelo: FDP e verde: Os Verdes) e a bandeira da Jamaica.

No entanto, mesmo antes do início dos debates entre os partidos, as divergências já começam a despontar. A preocupação dos partidos menores da possível coligação é de que tenham de abrir mão dos seus principais temas de campanha para fazer parte do novo Governo.

Bundestagswahl 2017 | Die Grünen - Göring-Eckardt & Özdemir (picture-alliance/dpa/S. Stache)

Os dois candidatos de topo do partido Os Verdes, Cem Özdemir e Katrin Göring-Eckardt, após a divulgação dos resultados provisórios

Os Verdes querem manter autoconfiança

No dia seguinte à eleição do Bundestag, Os Verdes sublinharam a sua prontidão para conversações sérias com a União e o FDP sobre a formação da chamada "Coligação Jamaica".

Seria claro que todos teriam de assumir compromissos, disse o líder do partido, Cem Özdemir, esta segunda-feira, perante a sede do partido em Berlim, onde o comité executivo federal do partido esteve reunido.

"Eu sei que não somos a fração mais forte [da coligação] em tais conversas", declarou, enfatizando que não irá abrir mão dos temas principais do seu partido - como proteção do clima, igualdade social e uma Europa solidária.

"É preciso conduzir as conversações com seriedade. Temos esta tarefa clara. Mas permanecemos com o que dissemos antes das eleições: trata-se de conteúdo", defendeu.

O vice-presidente do partido, Robert Habeck, pediu confiança aos membros da sua formação nas discussões com a União e o Partido Democrático Liberal (FDP).

"Pode-se naturalmente negociar com confiança e força, mesmo estando-se contra a parede", disse ele, referindo-se à pressão para formar uma coligação governamental.

A co-candidata de topo do partido, Katrin Göring-Eckardt, declarou que as conversações deveriam acontecer "com toda a calma", mas também "com toda a autoconfiança" - uma vez que Os Verdes ganharam 400 mil eleitores nessas federais. "Toda a coligação depende de compromissos. E isso não será fácil nessas circunstâncias", disse.

Liberais pretendem manter agenda

Os principais políticos do FDP fortaleceram a posição do partido de que a formação de uma coligação governamental não será feita a qualquer preço.

Alexander Graf Lambsdorff, vice-presidente do Parlamento Europeu, disse que o seu partido irá aguardar pela iniciativa da União para iniciar as negociações.

"Vamos conversar com os outros partidos sobre o nosso conteúdo - educação, digitalização, política para os refugiados, imposto, entre outros – e então decidir se é ou não é possível", avaliou.

O FDP estaria disposto a assumir responsabilidades no novo Governo, se fossem reconhecidos avanços liberais.

Entretanto, o vice-presidente do partido, Wolfgang Kubicki, deixou claro que "o resultado das conversas pode ser não participar [no novo Governo]".

Ouvir o áudio 04:03
Ao vivo agora
04:03 min

"Coligação Jamaica": desafio para formar novo Governo alemão

União fala em concessões de todos os lados

A chanceler alemã, Angela Merkel, garantiu esta segunda-feira, em Berlim, que irá incluir o SPD no diálogo que pretende abrir com os partidos políticos.

"Vamos naturalmente buscar o diálogo com o FDP, bem como com Os Verdes, mas vou adicionar o SPD. Pode-se partir do princípio de que questões como políticas financeiras sólidas e segurança interna são sempre de particular importância para a União", declarou Merkel, em conferência de imprensa, na central da União Democrata Cristã (CDU).

Já o secretário-geral da CDU, Peter Tauber, convocou os parceiros potenciais da "Coligação Jamaica" à disposição para o compromisso.

"Uma coligação só funciona quando todos os lados fazem concessões, " disse Tauber na segunda-feira à estação de televisão "Phoenix".

Do ponto de vista da CSU, parceira da CDU, a União deve primeiro criar uma linha própria para as negociações de coligação. "Precisamos, primeiro, de uma clara orientação de curso", afirmou Andreas Scheuer, secretário-geral da CSU, ao canal de TV.

Deutschland Bundestagswahl Schulz Plakat nach der Wahl (Reuters/C. Mang)

Cartazes da campanha eleitoral começam a ser removidos. Na foto, cartaz do SPD

SPD na oposição

Após o SPD ter descartado a possibilidade de uma nova edição da grande coligação governamental, uma aliança da União com FDP e Verdes é a única opção de coligação para a formação de um novo Governo.

Também esta segunda-feira, o líder do partido no Parlamento, Thomas Oppermann, defendeu a decisão do seu partido de se mover para a oposição.

"O SPD deve voltar a tornar-se o maior partido de centro-esquerda, a alternativa à CDU. E devemos dar aos eleitores uma oportunidade clara de decidir entre a CDU e o SPD. A situação atual - de todos a circular em torno de Angela Merkel como satélites - deve ser encerrada na Alemanha", considerou.

O vice-presidente do SPD, Thorsten Schäfer-Gümbel, disse  à rádio alemã "Deutschlandfunk" que, após este resultado eleitoral, não se poderia fingir que nada aconteceu. Agora seria preciso uma renovação organizacional e de conteúdo do SPD.

Deutschland Berlin Wähler in Deutschland (DW/Cristiane Vieira Teixeira)

O moçambicano José António Mafueca (esq.) e o angolano Diamantino Feijó (dir.)

Eleitores de Angola e Moçambique céticos

A DW áfrica também ouviu a opinião de eleitores de origem africana em Berlim, que se mostraram céticos diante do novo cenário político alemão. O jornalista e rapper angolano Diamantino Feijó, que tem a nacionalidade alemã e votou no SPD, não espera uma grande mudança.

"Desse novo Governo, eu não espero muita coisa. Acho que é a continuação daquilo a que a CDU já nos habituou", disse o angolano.

"Acho que não vai ter uma mudança no campo social. Pode ser que, com o partido Os Verdes, no meio ambiente alguma coisa mude. Mas, no campo social - mais direitos para as pessoas, desemprego, aposentadoria - eu não acredito que nessa área mude alguma coisa", lamentou Diamantino Feijó.

Já o eletricista moçambicano José António Mafueca, também um eleitor na Alemanha, diz que ainda espera uma reviravolta política.

"Nós sabemos que o Martin Schulz é o presidente do SPD. Mas poderá haver uma discussão agora adiante e acontecer que ele saia do partido. Assim, o SPD vai ter que se formar de outra maneira e pode vir a acontecer uma nova coligação [governamental] para enfrentar a dificuldade que se encontrará com os três partidos [União, FDP e Os Verdes]. Isso [a 'Coligação Jamaica'] pode vir a não ser. Vamos ver muita coisa até dezembro", considerou.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados