1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Entrevista

Cinco anos depois, apreensão da sede da RENAMO mina confiança em Moçambique

As forças de segurança controlam a sede do partido em Nampula, que tomaram de assalto a 8 de março de 2012. Um ataque recente a membros da RENAMO retrata que ainda não se vive em segurança, diz porta-voz do partido.

default

Apoiantes da RENAMO em Nampula

Passaram cinco anos desde que, a 8 de março de 2012, a Polícia de Defesa e Segurança, com o apoio da Força de Intervenção Rápida e do Grupo de Operações Especiais tomaram de assalto a sede da delegação da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), o principal partido da oposição, em Nampula, norte do país.

A polícia terá usado gás lacrimogéneo contra os desmobilizados de guerra que se encontravam no interior da sede.

Desde essa altura, a sede da RENAMO em Nampula continua nas mãos das autoridades, que impedem o acesso dos membros do partido. A DW África conversou com António Muchanga, porta-voz da RENAMO, sobre o ponto de situação.

DW: O que aconteceu exatamente nessa madrugada de 8 de março de 2012, em Nampula?

António Muchanga (AM): As Forças de Defesa e Segurança atacaram a delegação política na Rua dos Sem Medo, na cidade de Nampula, no dia 8 de março [de 2012], logo de madrugada. O que culminou com o ferimento e detenção de muitos quadros da RENAMO, na sua maioria desmobilizados de guerra. Este terá sido o pomo de discórdia, que depois veio a criar a situação de conflito que tivemos de 2013 até 2014. Apesar dos entendimentos de 5 de Setembro [de 2016, data da ratificação do acordo entre o o Presidente Armando Guebuza e o líder da RENAMo, Afonso Dhlakama], a delegação da RENAMO na cidade de Nampula continua até hoje nas mãos da polícia. A polícia ainda não devolveu a delegação aos seus legítimos donos. Portanto, temos a lamentar esta atitude, porque consideramos que o assunto está ultrapassado, nos termos do acordo, e as nossas instalações deviam ser-nos devolvidas.

DW África: Qual tem sido a reação das autoridades às diligências da RENAMO para reaver a delegação?

António Muchanga

António Muchanga, porta-voz da RENAMO

AM: Pura e simplesmente calam-se, não respondem nada.

DW África: Como é que a RENAMO em Nampula tem desenvolvido as suas atividades, neste período em que não tem tido a sua sede?

AM: Em Nampula, para além da delegação da cidade, a RENAMO tem uma delegação provincial e outras delegações nos bairros e vale-se dessas instalações. Mas para todos os efeitos, o empreendimento da RENAMO está a fazer falta.

DW África: Que consequências tem tido para a RENAMO a apreensão da sede?

AM: Isso mina cada vez mais a confiança que devia ser desenvolvida, tendo em conta que aquele que negoceia de boa fé deve devolver o que não lhe pertence. Neste caso, tendo em conta que a questão de Nampula se considera ultrapassada, porque faz parte do processo de 5 de setembro [de 2016], uma das melhores coisas que a polícia devia ter feito era devolver a delegação da RENAMO ao seu detentor.

DW África: Neste contexto de negociações entre o Governo e a RENAMO, em Maputo, acredita que esta situação da sede em Nampula poderá ser resolvida em breve?

AM: Acredito que será parte dos assuntos que teremos de tratar num futuro não distante. Primeiro, temos de consolidar a questão da cessação das hostilidades, para depois avançarmos para a devolução dos bens. 

DW África: Atualmente os membros da RENAMO vivem num clima seguro?

Ouvir o áudio 03:17

Cinco anos depois, apreensão da sede da RENAMO mina confiança em Moçambique

AM: Não em todo o sítio, porque ainda na segunda-feira (06.03) dois membros da RENAMO em Manica, no distrito de Barué, foram atacados. 

DW África: Quais foram as consequências?

AM: Ainda temos uma equipa que se deslocou ao terreno para tentar confirmar o que aconteceu. Mas fala-se da perda de vidas. Terá que se parar de uma vez por todas com esses atropelos, perseguições, raptos e assassinatos de membros da RENAMO.

DW África: Os membros da RENAMO já regressaram às suas atividades regulares?

AM: Havia essa tendência dos membros da RENAMO regressarem às suas atividades regulares, mas acredito que este incidente vai minar a confiança que as pessoas tinham. Por isso, tem de se trabalhar muito para se encontrar as pessoas que fizeram isso e para que sejam exemplarmente punidas. Se o Presidente Filipe Nyusi está efetivamente comprometido com a paz, ele terá de acionar esse mecanismo, para mostrar que é chefe do Governo e das Forças de Defesa e Segurança. Só poderá demonstrar isso, mandando prender e punir essas pessoas que contrariam a orientação que ele tem dado.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados