1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Chuvas deixam 255 famílias desalojadas na capital da província angolana do Cunene

Província do Cunene, sul de Angola, está a registar cheias causadas pela chuva e subida de caudais, após cinco anos de seca severa. As chuvas já desalojaram 255 famílias, na cidade de Ondjiva, capital da província.

Logo S.O.S. Cunene

Foto de arquivo: Campanha de solidariedade para com a província do Cunene (2015)

A informação sobre a quantidade de famílias afetadas em Onjiva, capital da província do Cunene, foi divulgada no final de uma visita de campo realizada a 16 de março pelo governador da província, Kundi Paihama, para verificação dos estragos das chuvas.

O governador provincial apelou à ajuda das autoridades centrais para acudir estas famílias afetadas, porque os meios de que a província dispõe são insuficientes.

"Após um estudo mais detalhado, com a colaboração dos técnicos, em pouco tempo vão ser apresentadas as prováveis soluções. Estamos a trabalhar para vermos as prioridades de execução que temos o mais rápido possivel. Só assim poderemos atacar o problema com os nossos meios e também solicitar ajuda ao Governo central porque aqui não temos meios suficientes", afirmou Kundi Paihama.

Também em declarações à imprensa, o administrador municipal de Cuanhama, Gonçalves Namueia, disse que foi feito o levantamento de todas as casas submersas, tendo-se cadastrado 255 famílias, que vivem em distintos bairros da cidade.

Kundi Paihama (picture-alliance/dpa)

Kundi Paihama, governador da província angolana do Cunene

"Fez-se o levantamento de todas as casas submersas e todas foram cadastradas. 255 famílias que vivem em bairros distintos da cidade e onde, neste momento, o solo está saturado. Apesar da sucção que se está a fazer, principalmente no hospital e nas casas de dois bairros da cidade, a água continua a submergir do subsolo".

Criação de infraestruturas

Gonçalves Namueia acrescenta: "Achamos que a situação da cidade de Ondjiva é a retomada do projeto de execução das infraestruturas integradas que poderá ser uma solução definitiva para a situação que a cidade está a atravessar."

Enquanto isso, a população da região está aflita e muitas pessoas já começaram a abandonar as suas casas, como disse à DW Joaquim Moma, uma moradora em Ondjiva.

"A situação das águas, desde que as chuvas começaram a cair, é cada vez mais complicada. As pessoas estão a sair das suas casas porque, infelizmente, não conseguem enfrentar mais o volume das águas."

Karte Angola mit den 18 Provinzen Portugiesisch

O serviço de proteção civil e bombeiros no Cunene diz que várias residências já tinham sido invadidas pelas cheias nos anos anteriores e, atendendo à precariedade do material usado na construção das casas, é possível que algumas desabem sob o peso das águas.

Paulo Raimundo Calunga é porta-voz do grupo técnico de proteção civil no Cunene: "Há um grande risco de alagamento, estas casas já sofreram alagamentos nos anos anteriores e, em alguns casos, até podemos  prever a sua própria destruição, porque os materiais de construção são precários. Estamos perante uma situação de cheias que resultam da subida do nível anormal de água do rio Cuvelai”.

Ouvir o áudio 03:30

Chuvas deixam 255 famílias desalojadas na capital da província angolana do Cunene

Recorde-se que a província do Cunene voltou a receber chuvas intensas depois de cerca de cinco anos de seca consecutiva, que afetou perto de 500 mil pessoas.

 

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados