1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

China interessada em mediar crise no Sudão do Sul

Prosseguem negociações entre as partes em conflito no Sudão do Sul, enquanto exército governamental avança no terreno. Para comunidade internacional, o conflito começa a chamar a atenção. China pede cessar-fogo imediato.

default

Delegação dos rebeldes do Sudão do Sul nas negociações em Addis Abeba, Etiópia

Enquanto as tropas avançam no terreno, o conflito interno do Sudão do Sul reúne à mesa de negociações, desde segunda-feira (06.01.), em Addis Abeba, na Etiópia, as duas partes em conflito: de um lado representantes do Presidente Salva Kiir, do outro, do rival e ex-vice-presidente Riek Machar. Entretanto, o conflito desperta a atenção de mediadores e diplomatas internacionais.

O chefe de Estado do vizinho Sudão, Omar al-Bashir, esteve na segunda-feira (06.01), em Juba tendo manifestado o interesse do seu país em participar numa força conjunta para proteger os campos petrolíferos no Sudão do Sul.

Apesar de ter lutado, durante anos, contra o Exército Popular de Libertação do Sudão que reivindicava a independência e governa atualmente o Sudão do Sul, Omar al-Bashir tem interesse na estabilidade do Estado vizinho, considera Annette Weber, da Fundação para a Ciência e Política em Berlim: "Desde o início da crise e mesmo na questão política desse conflito, não vemos o envolvimento de Cartum. É realmente uma crise interna."

Para Annette Weber "o que interessa agora a al-Bashir é que o Sudão do Sul volte a funcionar por causa do petróleo e da conclusão do Acordo Amplo de Paz que ainda não está concluído."

Apesar da história sangrenta, Omar al-Bashir tem boas relações com as duas partes em conflito no Sudão do Sul.

Südsudan Sudan Omar al-Bashir bei Salva Kiir in Juba

Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, (esquerda) e Presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, em Juba

Os intervenientes na região

O vizinho Uganda tem demonstrado particular empenho no conflito, nomeadamente com o apoio massivo às tropas governamentais de Salva Kiir.

Desde que assumiu a Presidência do Uganda, em 1986, Yoweri Museveni apoiou o Exército Popular de Libertação do Sudão contra o regime de Cartum. E mesmo depois da independência, os militares do Sudão do Sul e do Uganda cooperam, por exemplo, lutando contra a milícia do Exército de Resistência do Senhor.

No entanto, o envolvimento no conflito sul-sudanês atrai críticas ao Presidente do Uganda Yoweri Museveni, diz Casie Copeland, especialista da organização International Crisis Group: “Muitas pessoas questionam a utilidade do seu envolvimento, pois enquanto o Uganda dá apoio militar, a restante comunidade internacional apela urgentemente ao cessar-fogo”.

Já a China que normalmente se pauta pela não intervenção em conflitos internos tem mostrado um empenho excecional na questão do Sudão do Sul.

Na segunda-feira (06.01.), o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, deslocou-se a Addis Abeba, na Etiópia, mostrando-se disponível para mediar as conversações entre representantes de Salva Kiir e dos rebeldes.

Chinas Unterhändler Wang Yi Pressekonferenz

Wang Yi, chefe da diplomacia chinesa

Novidade: China a mediar conflitos

O interesse da China deve-se apenas em parte ao petróleo, defende Daniel Large, especialista e professor da Universidade de Budapeste, na Hungria: “Agora o Sudão e o Sudão do Sul são locais politicamente arriscados e de ambiente inseguro, pelo que a empresa estatal petrolífera chinesa procura evitar."

Daniel Large, entretanto, reconhece o papel que Pequim pode ter nesta negociação: "Oficialmente, a China distingue o Governo legítimo dos rebeldes mas informalmente mantém relações com os dois lados, pelo que o seu esforço de mediação pode fazer a diferença”.

No continente, a Etiópia preside atualmente a Comunidade da África Oriental e apresenta-se como uma mediadora neutra que goza de confiança entre as duas partes, tanto do Governo de Juba como dos rebeldes do ex-vice-presidente sul sudanês Riek Machar.

Além disso, os dois países mantém relações económicas estreitas. E milhares de etíopes foram, nos últimos anos, procurar emprego no Sudão do Sul.

Konflikt im Südsudan Regierungssoldaten 25.12.2013

Exército do Sudão do Sul depois de tomar a cidade de Bor, antes nas mãos dos rebeldes

EUA defendem solução regional

Quanto aos Estados Unidos da América, à exceção de alguns apelos à paz, têm-se mantido à margem do conflito no mais jovem país do mundo.

Apesar de ter estado entre os principais apoiantes para a independência do Sudão do Sul, em 2011, Washington prefere dar espaço para a Comunidade da África Oriental liderar as conversações, segundo Casie Copeland, especialista do International Crisis Group.

E a Noruega, apesar de ter tido um papel fundamental tanto para o fim da guerra civil como para a independência do Sudão do Sul, não beneficia atualmente de uma imagem de neutralidade.

O motivo é o facto do norueguês, Hilde Johnson, chefe da missão militar das Nações Unidas no Sudão do Sul ter sido acusado de estar demasiado próximo do Presidente Salva Kiir.

Ouvir o áudio 04:53

China interessada em mediar crise no Sudão do Sul

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados