1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cheias em Moçambique: Engenheiros pedem soluções rápidas ao Governo

Engenheiros e arquitetos moçambicanos não compreendem como o país pode ficar um mês sem ligação por estrada devido às cheias. Lembram que esta não é a primeira vez e, por isso, o Governo já devia ter aprendido a lição.

default

O desabamento da ponte sobre o rio Licungo deixou intransitável a Estrada Nacional Número 1, a única que liga o sul e o centro ao norte de Moçambique

A ponte sobre o rio Licungo, em Mocuba, na província central da Zambézia, desabou, impedindo a ligação ao norte do país. Engenheiros civis e arquitetos criticam o Governo moçambicano por não ter soluções rápidas na reposição das infraestruturas destruídas pelas cheias.

O engenheiro Carmo Vaz diz que o Executivo deve abandonar o discurso de "estamos preparados para as cheias", quando na verdade mostra fragilidades. O ponto de partida, sublinha, tem de ser o de dizer claramente "que isto não é aceitável".

Carmo Vaz entende que o Governo já devia ter aprendido a lição. É preciso ter uma resposta à altura, "se queremos que os efeitos dramáticos a que assistimos este ano sejam muito menos dramáticos nas cheias que vão voltar a ocorrer e provavelmente até serão mais sérias", tendo em conta o atual cenário de mudanças climáticas, alerta o engenheiro.

Pontes militares: uma solução?

O arquiteto José Forjaz diz que é preciso repor, o mais depressa possível, a ponte sobre o rio Licungo, na província central da Zambézia. "Precisamos de ser mais visionários. O caso das pontes é sintomático", lembra.

Ouvir o áudio 03:12

Cheias em Moçambique: Engenheiros pedem soluções rápidas ao Governo

José Forjaz, que é também entendido em matéria de engenharia militar, diz que uma das saídas para este cenário pode ser a aquisição, pelo setor das obras públicas, de pontes Bailey, "pontes militares que se lançam de uma margem para a outra em horas", explica.

"Conheço-as bem e sei que é possível. Não são muito caras e, além disso, são desmontáveis. Penso que já há algumas no país, mas não ouvi falar nelas", acrescenta José Forjaz.

Feliciano Jorge, outro engenheiro, diz que, a médio e longo prazo, será preciso organizar as estruturas das obras públicas do Estado para lidar com este problema.

"A estruturação da administração pública deve ser feita de modo a que este assunto seja colocado nas prioridades e não seja assunto de mitigação quando ela ocorre", sublinha. Para tal, observa, todas as estruturas estejam preparadas e organizadas para enfrentar isso.”

ANE assume críticas

Atanásio Mugunhe, diretor-geral da Administração Nacional de Estradas (ANE), assume as críticas. "Tomamos nota da observação segundo a qual a reposição do trânsito na Estrada Nacional Número 1 (N1), na zona de Mocuba, tinha de ser muito rápida, em menos de quatro ou cinco dias ou em menos de uma semana", declarou.

Atanásio Mugunhe confirma a existência de pontes militares no país, mas esclarece que neste momento não existe um stock dessas pontes. "Para este tipo de intervenção é preciso fazer um levantamento e avaliar o comprimento do vão que foi aberto e verificar se esta solução é viável ou não", sublinha.

A União Europeia (UE) desembolsou mais de dez milhões de euros para financiar a reposição rápida da ponte sobre o rio Licungo, na Zambézia.

Regenfälle in Mosambik

Estima-se que mais de 177 mil pessoas tenham sido atingidas pelas calamidades

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados