1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Chefe da diplomacia de Moçambique está na Alemanha para reforçar laços económicos

Oldemiro Baloi está de visita à Alemanha para atrair investimento. Em entrevista exclusiva, o ministro dos Negócios Estrangeiros desvaloriza o anúncio da suspensão do apoio de alguns doadores internacionais.

default

Oldemiro Baloi, ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique

De acordo com o chefe da diplomacia moçambicana, os laços políticos com a Alemanha estão bem consolidados, agora é necessário elevar ao mesmo patamar as relações económicas.

Por isso, Oldemiro Baloi está de visita à Alemanha desde segunda (16.06) até quarta-feira (18.06).

Recentemente, a Alemanha, em conjunto com o Reino Unido e a Noruega, anunciou que vai abandonar, no próximo ano, o grupo de parceiros de apoio programático, que, em 2014, já perdeu a Espanha, a Bélgica e a Holanda. Os países ocidentais mostraram-se insatisfeitos com os avanços na luta contra a corrupção e a falta de transparência.

Mas Oldemiro Baloi relativiza o caso, diz que há outros motivos por trás da decisão e considera que a comunidade internacional está, de uma maneira geral, bem impressionada com o desempenho de Moçambique.

DW África: O que é que o trouxe à Alemanha?

Oldemiro Baloi (OB): O reforço das relações de amizade e cooperação, a preocupação comum em ver as relações económicas a aproximarem-se o máximo possível do nível de relações políticas, a consolidação das condições políticas já existentes e o diálogo com os empresários, no sentido de os mobilizar para investir em Moçambique.

DW África: Segundo o programa do Governo moçambicano, as suas visitas foram basicamente de carácter económico e comercial. São esses aspectos que norteiam portanto também esta viagem?

Deutschland Außenminister Guido Westerwelle mit Mosambiks Außenminister Oldemiro Baloi

Ex-chefe da diplomacia alemã, Guido Westerwelle, e o homólogo moçambicano durante a visita a Maputo em 2013


OB: Tem um duplo carácter. O primeiro objetivo é de natureza política, pois vim retribuir a visita do ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha feita em 2009. Mas o programa tem duas componentes, a política, que é de sempre, e a económica que estamos a procurar desenvolver. Visitei duas empresas, visitei uma organização que trabalha em Moçambique, a Friedrich-Ebert-Stiftung, e depois tive encontros com todo o gabinete da chanceler, com o ministro dos Negócios Estrangeiros e amanhã (18.06) terei uma reunião com o ministro da Cooperação e Desenvolvimento. Portanto, são as duas faces da mesma moeda, a política e a economia.

DW África: Nos últimos tempos, assiste-se ao estreitamento de relações entre os dois países. É capaz de citar alguns exemplos concretos desses contactos?

OB:
A cooperação com a Alemanha cobre fundamentalmente quatro áreas: o apoio ao Orçamento, à educação, ao sector privado e à descentralização, no sentido de promover o desenvolvimento rural.

Eröffnung Büro Wirtschaftsförderung Mosambik Deutschland

Embaixador alemão, Philip Schauer, e ministro moçambicano do Comércio e Indústria, Armando Inroga, na inauguração do Gabinete para o Fomento Económico em Moçambique, em abril de 2014

Ao nível do investimento, temos grandes empresas alemãs a trabalharem em Moçambique, através de seminários empresariais que têm tido lugar quer em Berlim, mas principalmente na Baviera, em que temos conseguido despertar o interesse dos empresários alemães. Quarta-feira (18.06) haverá, por exemplo, um seminário. Faz parte da minha comitiva o diretor-geral adjunto do Centro de Promoção de Investimentos de Moçambique. Ainda na quarta-feira haverá mais uma interação para atualizar a informação que os empresários alemães tenham sobre Moçambique e tentar explorar mais ainda o enorme potencial que existe a nível de investimento.

DW África: No que diz respeito ao apoio ao Orçamento de Estado, a imprensa moçambicana anunciou, recentemente, que a Alemanha não irá apoiar o Orçamento de Estado em 2015. Este é um dos temas que traz para esta viagem?

OB: Sim. O que me traz a esta viagem é um quadro global, aplaudindo e agradecendo o que de bom tem acontecido e procurando resolver assuntos cuja evolução não tenha sido muito feliz. Em relação ao apoio ao Orçamento, a Alemanha não terá apoiado este ano mas deverá apoiar em 2015 [para o ano seguinte]. Eu passei essa mensagem em todos os encontros de natureza política que tive e não tive qualquer reação negativa. Aliás, pelo contrário. Devo dizer que fiquei algo surpreendido com a abertura, o apoio, a simpatia com que Moçambique é visto aqui, que nem sempre é o que transpira em Moçambique. Portanto, a surpresa está na intensidade desta relação. Alguns [parceiros] evidenciam mais um ou outro aspecto negativo numa avaliação global que é francamente positiva.

DW África: À semelhança da Alemanha, também o Reino Unido anunciou que não está satisfeito com a prestação moçambicana em termos de gestão das ajudas. O que é que responderia à comunidade internacional quando se fala e fica comprovada alguma má gestão além de casos de corrupção que são imputados aos mais altos escalões da gestão em Moçambique?

OB: Eu penso que há uma generalização precipitada. A gestão da ajuda por parte de Moçambique tem sido aplaudida internacionalmente. Surgiram recentemente dois casos que não terão agradado à comunidade internacional, e vai daí que tem havido críticas em relação à atuação do Governo.

Ouvir o áudio 04:34

Chefe da diplomacia de Moçambique está na Alemanha para reforçar laços económicos

O diálogo para a busca de esclarecimentos para esses factos continua. Mas as pessoas já tiraram conclusões, já fizeram posicionamentos. Agora, manda a verdade dizer, nem sempre estes recuos e a suspensão da ajuda, nalguns casos, tem a ver com a penalização a Moçambique. Também tem a ver com dificuldades internas. Mas é mais cómodo imputar responsabilidades a Moçambique. Recentemente realizou-se a reunião de Moçambique com os países de apoio programático, que inclui o apoio ao orçamento de Estado. E os parceiros, de um modo geral, manifestaram satisação pela performance de Moçambique e prometeram financiar o país com 500 milhões de dólares – melhor evidência que esta não pode haver.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados