Central Sindical moçambicana apela FMI para retomada da assistência financeira | Moçambique | DW | 08.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Central Sindical moçambicana apela FMI para retomada da assistência financeira

Organização dos Trabalhadores Moçambicanos-Central Sindical apelou ao FMI e outros parceiros internacionais para retomar a cooperação com o país, sublinhando que as populações estão a pagar uma fatura muito cara.

Mosambik - Delegationen IWF- und OTM Mosambikanische Arbeitnehmerorganisation (DW/L. Matias)

Encontro entre delegações do FMI e da OTM-CS

A Organização dos Trabalhadores Moçambicanos-Central Sindical (OTM-CS) defendeu esta sexta-feira (08.12.) que a suspensão da ajuda dos parceiros internacionais ao país, na sequência da descoberta de dívidas ocultas em abril de 2016 tem que terminar. E o Secretário-Geral da organização, Alexandre Munguambe explica porquê: "Esta situação não está a castigar o Governo moçambicano, mas está a castigar a população do país, cujas condições de vida se deterioram dia após dia".

Segundo Munguambe, a OTM-CS reiterou esta sexta-feira num encontro com uma missão de alto nível do Fundo Monetário Internacional (FMI) de visita ao país até 17 de dezembro, o seu posicionamento de que não deve ser o contribuinte e trabalhador moçambicano a pagar a dívida comercial.

FMI acolheu bem as preocupações da Central Sindical

Mosambik - Alexandre Muguambe - Generalsekretär OTM (DW/L. Matias)

Alexandre Munguambe

Alexandre Munguambe disse a DW África que a missão do FMI acolheu bem esta e outras preocupações apresentadas pela Central Sindical mas deixou claro que "eles dizem que precisam de esclarecimentos convincentes da dívida como foi contraída, o que se fez com o dinheiro, porque há algumas zonas de penumbra que o Governo tem que esclarecer. E eles acreditam que sim vão retomar a cooperação com o Governo de Moçambique. Penso que daqui a um ano talvez voltem a ter programas com o Governo de Moçambique."

A delegação do FMI ao encontro, que era constituída pelo chefe da missão de alto nível da organização de visita ao país, Michel Lazare, e o representante daquela instituição da Bretton Woods em Moçambique Ari Aisen, escusou-se a falar aos jornalistas sobre o encontro, limitando-se a afirmar que se tratava de um contacto privado.

Ainda durante o encontro, a Central Sindical apresentou outras preocupações, segundo o Secretario-Geral da organização. "Entendemos que o custo de vida está bastante alto, que era preciso que se permitisse o melhoramento da situação salarial dos trabalhadores, que era preciso também que se tivesse em conta a questão de se apostar na agricultura empresarial e familiar para reduzir as importações."

Mosambik - Michel Lazare (IWF) und Ari Aisen IWF-Vertreter in Mosambik (DW/L. Matias)

Michel Lazare e Ari Aisen

Incerteza no cenário económico e social

A leitura que a Central Sindical moçambicana faz sobre o atual cenário económico e social é de elevada incerteza onde as populações vivem num ambiente de permanente insegurança sobre o futuro, insuficiência de recursos financeiros para o Estado prover bens e serviços públicos às populações e indisponibilidade de bens alimentares. Menciona ainda o elevado custo para o serviço da divida doméstica, deterioração das condições laborais dos trabalhadores, precarização do emprego e elevado índice de contaminação de doenças endémicas, entre outras.

Ouvir o áudio 02:28
Ao vivo agora
02:28 min

Central Sindical moçambicana apela FMI para retomada da assistência financeira

A Central Sindical diz que com vista a contribuir para a melhoria da situação económico-social do pais vai continuar a realizar ações com destaque para a melhoria do ambiente de negócios, interação escola/mercado de trabalho, literacia jurídico/laboral e politicas de desenvolvimento.

Recorde-se, que o FMI e o grupo de 14 doadores para o Orçamento de Estado moçambicano suspenderam em 2016 as transferências na sequência do escândalo das dívidas ocultas de três empresas públicas.

O ministro das Finanças, Adriano Maleiane, anunciou recentemente que o país precisa de retomar os apoios internacionais e que está a trabalhar para dar as respostas que faltam sobre o destino dos dois mil milhões de dólares de empréstimos ilegalmente obtidos com garantias soberanas.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados