1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Caso Kalupeteka: ONU insiste em investigação "transparente"

Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos reafirma que é do interesse de Angola que haja "transparência" na investigação sobre alegado massacre no Huambo. E não vai pedir desculpas, como Luanda exigiu.

default

José Julino Kalupeteka, líder da seita "A Luz do Mundo"

Na semana passada, o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH) em Genebra, na Suíça, pediu que fosse nomeada uma comissão independente para investigar os confrontos na Serra Sumé, no Huambo, entre a polícia angolana e fiéis da seita "A Luz do Mundo", liderada por Julino Kalupeteka.

Segundo o organismo da ONU, há "factos por esclarecer" e "grandes diferenças no número de vítimas". As autoridades falam em nove polícias mortos e 13 vítimas entre os fiéis. Mas outros relatórios referem uma centena de mortos e a oposição angolana contabilizou mais de mil mortos.

O pedido de inquérito caiu mal ao Governo angolano. Na sexta-feira passada (15.05), Luanda repudiou as declarações da ONU. Diz que "não são sustentadas por quaisquer provas" e que foram "amparadas por falsas declarações prestadas por elementos tendenciosos e absolutamente irresponsáveis, com a intenção de difamar" o país.

A reacção de Angola foi inesperada, disse à DW África o porta-voz do Alto Comissariado, Rupert Colville. "Fiquei um pouco surpreendido porque há sérias alegações de que algo aconteceu. Segundo a versão das autoridades, morreram nove polícias e 13 civis. E isso já é suficiente para ordenar uma investigação".

O porta-voz do ACNUDH acredita que "é do interesse do Governo que seja feita uma investigação independente e transparente, porque se essa versão dos eventos for verdadeira, isso só iria ajudá-los."

ACNUDH não pede desculpas

O ACNUDH esclarece que se limitou a fazer um "pedido básico" e que reage desta forma sempre que há mortes de civis.

Sublinha também que não está a "fomentar especulações", como acusa o Governo de Luanda. Por isso, não haverá nenhum pedido de oficial de desculpas a Angola.

Ouvir o áudio 03:48

Caso Kalupeteka: ONU insiste em investigação "transparente"

"Não temos nada que pedir desculpas. Só pedimos que a situação fosse esclarecida, o que é do interesse de todos", explica Rupert Colville. "Há muitos relatórios diferentes sobre o que aconteceu e não podem ser todos verdadeiros. Só precisamos de mais clareza sobre o que aconteceu."

É "crucial" que a investigação que foi iniciada pelo Governo angolano seja independente, sublinha ainda o porta-voz do ACNUDH.

"Quem não deve não teme"

Já a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) sugere que o Executivo "abra as portas do Huambo à ONU" para que se possa averiguar o que aconteceu. A ideia é defendida por Raúl Danda, líder da bancada parlamentar do maior partido da oposição angolana, que se encontra atualmente nos Estados Unidos da América, num "périplo diplomático" para dar a conhecer a "real situação angolana".

Raul Danda

Raúl Danda, líder da bancada parlamentar da UNITA

"Quem não deve não teme", afirma Raúl Danda, lembrando que o grupo parlamentar da UNITA esteve no Huambo e que "o Governo angolano simplesmente impediu que os deputados se deslocassem à área onde aconteceu esse genocídio". Por isso, defende que o Executivo, "em vez de estar a acusar toda a gente, devia abrir espaço para um inquérito imparcial, e até internacional, para se poder apurar a verdade."

O Governo angolano afirma que é "difícil acreditar que tenham sido mortas e enterradas mais de mil pessoas durante uma noite, sem deixar vestígios". Salienta que o líder da seita está detido a aguardar julgamento e que o caso está a ser investigado pela Procuradoria-Geral da República.

Raúl Danda insiste que o que se passou no Huambo foi "um genocídio". "Não é possível que o Governo angolano esconda as mortes", que "ultrapassarão as mil", sublinha o dirigente da UNITA. "As pessoas desapareceram. Há familiares de pessoas que estão a fazer relatos do que aconteceu e há pessoas que escaparam do monte e que dizem que, de facto, morreu muita gente. É difícil precisar o número, mas com o tempo vai-se precisando", conclui.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados