1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Caso BES continua a causar desentendimento com Angola

Há quem atribua à subsidiária angolana culpas pelo colapso do Banco Espírito Santo (BES) em Portugal. Seja como for, as relações entre ambos azedaram de vez com medidas autónomas tomadas agora pelos acionistas do BESA.

A última assembleia geral de acionistas colocou nas mãos de novos donos o destino do BES Angola, agora designado Banco Económico. Depois da intervenção do Banco Nacional de Angola, a subsidiária angolana do BES passa também a ter outra estrutura acionista, com a entrada da petrolífera Sonangol e dos chineses Lektron Capital.

O BES considera que todas as decisões tomadas na referida reunião, realizada na capital angolana no final de outubro último, são “inválidas e ineficazes”, uma vez que o seu representante foi impedido de participar. Sem dar mais detalhes, o BES assegura que vai agir “em conformidade” pelo facto de não ter sido ouvido na assembleia geral do BES Angola (BESA), da última semana de Outubro. A entidade portuguesa, que se considera detentora de 55,7 por cento do capital do BES Angola – ou Banco Económico –, fala de ilegalidades e está a preparar um plano de contestação.

Hauptsitz der Firma Sonangol in Luanda in Angola

A Sonangol entrou no BESA à revelia do BES

O BESA é um tema complexo

O Novo Banco português, o chamado “banco bom” que nasceu com a crise no BES, também é acionista do Banco Económico. Para Rute Sousa Vasco, a criação do novo instituto financeiro foi uma decisão tardia mas acertada. A autora do recém lançado livro “Banco Bom, Banco Mau” considera importante a separação do lixo tóxico dos ativos bons: “A preocupação de separar o lixo tóxico foi portuguesa e angolana. O tema de Angola é um bocadinho mais complexo, no sentido que todos os processos que estão associados agora ao BESA, e aos fundos que supostamente foram retirados ao BESA, e que ninguém consegue perceber qual foi a transferência que foi feita, já pressupunham um procedimento – vamos usar um adjetivo comum na banca – irregular, nas contas do BES”. Mas se Sousa Vasco considera que a separação era imprescindível, e que “mais vale tarde do que nunca”, também diz: “A ter que intervir, acho que a esta altura faz todo o sentido. Mas não sei se controla danos. Tenho muitas dúvidas”.

Ölproduktion in Angola

Analistas defendem que os benefícios das relações bilaterais são mútuos

Analistas criticam procedimento do BES e do BESA

De acordo com o Banco de Portugal, o crédito de cerca de cinco mil milhões de dólares norte-americanos que o BES tinha concedido ao BESA, foi transferido para o Novo Banco. O que quer dizer que o BES, confrontado com uma profunda crise no mercado, também perdeu a posição que tinha na instituição angolana. É o que defende a ex-jornalista Sousa Vasco: “No dia 3 de Agosto, o BES como nós o conhecíamos, acabou. Para trás dessa data estão longas semanas de negociação, que envolveram Angola e que envolveram o BESA, e que poderiam, eventualmente, a certa altura, ter interrompido a queda abrupta que o banco teve. Depois do Banco de Portugal ter anunciado a separação (do BES) num banco bom e de um banco mau, e, no fundo, é a primeira vez em Portugal que nós temos uma experiência com essas caraterísticas, a partir daí, o que nós temos por certo, é que o BES como nós o conhecemos, desapareceu”.

Ouvir o áudio 03:35

Caso BES continua a causar desentendimento com Angola

Benefícios das relações bilaterais são muitos e mútuos

Segundo o semanário português Sol, o mercado angolano ajudou os bancos portugueses a baixarem os prejuízos nos primeiros três trimestres deste ano. Beneficiaram, nomeadamente, o BPI (Banco Português do Investimento) e o Millennium BCP, que têm a empresária Isabel dos Santos e a Sonangol como acionistas de referência.

Para o analista Sérgio Figueiredo, Angola continua a ser importante não apenas para a banca portuguesa: “No sistema financeiro há uma conjugação de duas necessidades: a necessidade de “know-how” e de sofisticação que a banca angolana tem, e a necessidade de capital, que Angola possui, e que Portugal não tem. Isto não é uma especulação, é uma evidência. A banca angolana tem beneficiado muito com a experiência pela qual Portugal passou, o caminho das pedras difíceis que fez para que os angolanos evitem os erros que os portugueses cometeram na sua democracia. Mas também tem havido muita contribuição de investidores angolanos para evitar o colapso da banca portuguesa. Os casos são conhecidos e históricos”.

E isso, diz o ex-jornalista de economia, deve ser visto como uma esperança para o futuro das relações bilaterais luso-angolanas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados