1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Carga pesada, um perigo para as estradas de Moçambique

Especialistas consideram inconcebível que em Moçambique o transporte de carga pesada, como minério de ferro e carvão, continue a ser feito por estrada. Paga-se muito caro e o país torna-se menos competitivo, sublinham.

O país continua "adormecido" em matéria de manutenção de estradas e paga muito caro por isso, defendem peritos em infraestruturas ferroviárias e rodoviárias. O especialista Rui Fonseca sugere que o país regresse ao modelo que aposta 90% no uso de vias de transporte ferroviárias e 10% em vias rodoviárias.

"Nunca sonhei que o reverso fosse possível", afirma o perito em infraestruturas ferroviárias. "E nunca pensei ver carga pesada a ser transportada rodoviariamente. Não é possível, não há estrada que aguente. A nossa manutenção não aguenta porque somos frágeis na manutenção", explica.

Rui Fonseca, antigo presidente do Conselho de Administração dos Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM), chama atenção para a criação de uma rede ferroviária forte para responder às exigências da exploração dos recursos naturais.

Também é preciso implementar "boas políticas e bons procedimentos", defende. "A regulamentação e os procedimentos devem facilitar a movimentação das mercadorias, mas também das pessoas".

Rede ferroviária eficaz

O jornalista e analista Fernando Lima mostra indignação por não se apostar em infraestruturas ferroviárias, uma vez que o assunto já é antigo. Segundo Lima, não será tarefa fácil, tanto para Moçambique bem como para a África do Sul e empresas ligadas a área, criarem uma rede ferroviária eficaz a breve trecho.

"A questão e de saber do músculo do Governo moçambicano, do Governo sul-africano, da Transnet [empresa sul-africana de transporte ferroviário] e dos Caminhos de Ferro. Porque a ferrovia continua a não a ser utilizada, mas a estrada é utilizada", lembra.

Ouvir o áudio 03:16

Carga pesada, um perigo para as estradas de Moçambique

O economista moçambicano Ambrósio Sitoe concorda que a ligação do norte ao sul, numa extensão de mais de dois mil quilómetros, não deve ser por estrada, tendo em conta "aspectos de ineficiência de logística" que acarreta. "A visão estratégica preconizada é garantir que a primazia seja o transporte rodoviário".

A empresa que mais utiliza o porto de Maputo, a MPDC (Maputo Port Development Company), queixa-se de atrasos no manuseamento de carga por apenas se usar as estradas.

"Se eu fosse um comprador de mercadorias chinês, não me importava muito se a carga vem via Maputo, Durban ou Nacala. Não é isto que me preocupa. O que me preocupa é o momento em que a carga chega ao destino e a que custo me chega às mãos", explica o diretor da empresa. Segundo Osório Lucas, uma forma de tornar a mercadoria cara é transformar operações que deviam levar 12 horas em operações de 24 horas.

Outros especialistas na matéria lamentam que o mar, que é uma via natural e pode transportar quantidades consideráveis de carga para diferentes portos na África Austral, não seja explorado.

Maputo Handelsministerium

Porto de Maputo

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados