1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Capital moçambicana celebra Orgulho Gay

Maputo não ficou de fora das comemorações da Semana do Orgulho Gay. O ponto alto é no dia 28 de junho, dia em que em 1969 aconteceram os polémicos ataques contra os homossexuais na Christopher Street, em Nova Iorque.

default

Celebração da Semana do Orgulho Gay em Maputo, capital de Moçambique

Em Moçambique o preconceito em relação às consideradas minorias sexuais é grande, mas Carina Capitine, representante da Associação Moçambicana para a Defesa das Minorias Sexuais (LAMBDA), garante que existem sinais de mudança.

E nesta semana de comemorações, várias atividades estão a ter lugar na cidade de Maputo, como debates, projeção de filmes e atividades desportivas. Um desfile de moda colocará um ponto final nas celebrações.

DW África: De que maneira é que esta semana é especial para LAMBDA?

Carina Capitine (CC): Esta semana é mundialmente celebrada a 28 de junho como o dia do orgulho LGBT - Lésbico Gay, Bissexual e Transgénero. Então, cá em Moçambique, nós do LAMBDA estamos a organizar a semana do orgulho LGBT, que começou segunda-feira (23.06) e vai até sábado (28.06), com vários eventos e tem como objetivo principal celebrar o orgulho e a livre expressão da orientação sexual e a identidade do genéro LGBT. São eventos que visam dar visibilidade à comunidade, mudar perceções e comportamentos sociais negativos contra a homossexualidade. E criar também um espaço para as pessoas e simpatizantes da LGBT poderem socialzar.

Mosambik Homosexuellen-Woche

Na escola secundária Eduardo Mondlane, em Maputo, houve desporto para celebrar a semana

DW África: E como está a ser vista e recebida a promoção desta semana?

CC: Temos tido uma boa resposta, temos tido uma grande participação nos nossos eventos, as pessoas estão a aderir, tem sido bom.

DW África: No geral a sociedade moçambicna é muito conservadora. Desde que foi fundada a vossa associação já viram sinais de mudanças de atitude em relação às pessoas com orientações sexuais diferentes da maioria?

CC: Sim, temos notado algumas mudanças. Até há pouco tempo, éramos a única organização que trabalhava com as minorias sexuais e de um tempo para cá aumentam as organizações, tem aparecido algumas organizações que nos apoiam e falam sobre questão. Por exemplo, o tema da homossexualidade é cada vez mais abordado nos meios de comunicação social, já há mais abertura para a abordagem do tema.

DW África: O nível de discriminação ainda é muito grande?

CC: É grande, mas se formos a comparar com alguns países africanos, por exemplo, podemos dizer que não estamos tão mal. O ano passado realizamos um estudo e, por exemplo, pudemos ver que 21% das pessoas em Maputo disseram que participariam na agressão contra um homossexual. São bons números tendo em conta que não é nem a metade das pessoas.

DW África: A vossa associação está sediada em Maputo. Qual é a situação noutros pontos do país principalmente no interior?

Mosambik Homosexuellen-Woche

Crianças também estiveram presentes nas comemorações

CC: A situação é similar em alguns pontos. Por exemplo, de acordo com o mesmo estudo, Maputo é a que mais informação tem, fizemos o estudo em Maputo, Beira e Nampula. Na Beira, por exemplo, 78% da pessoas disseram que sabem sobre a homossexualidade, se comparado com 94% de Maputo. E, por exemplo, na Beira 10% disseram que participariam na agressão contra um homossexual, se comparado com 21% em Maputo e 8% em Nampula.

DW África: A vossa associação tem apoio apenas das consideradas minorias sexuais ou outros grupos, como heterossexuais, por exemplo, também vos têm apoiado?

CC: A associação está aberta a todos, todo o apoio é bem-vindo. Temos várias associações da sociedade civil que trabalham conosco e não são ligadas diretamente as minorias sexuais. Então, temos, sim, recebido apoio de várias organizações e pessoas individuais.

DW África: Qual é o vosso grande desafio?

CC: O maior desafio é o registo. Até hoje não temos o nosso registo, o que causa dificuldades a vários níveis, como deve imaginar, financeiros, organizacionais. Mas apesar disso continuamos a trabalhar. Esse continua a ser o nosso maior desafio.

Ouvir o áudio 03:36

Capital moçambicana celebra Orgulho Gay

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados