1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Camarões lançam novo programa para combater HIV/SIDA

Em breve, grávidas da região norte dos Camarões poderão ser testadas para saber se estão infetadas com o HIV/SIDA, de modo a prevenir a transmissão do vírus para os seus bebés. Governo espera melhorias já este ano.

Asta Gumanji, de 26 anos, vive com a doença há seis anos, mas só recentemente soube disso. Por isso, também a sua bebé foi infetada.  "No hospital, disseram-me que ela precisava de uma transfusão de sangue e que, para isso, teria de fazer testes ao HIV. Foi aí que me informaram que tanto eu, como a minha filha, éramos portadoras do vírus", recorda.

Agora, Asta Gumanji e a filha estão ambas em tratamento. O marido morreu pouco depois de lhes ter sido feito o diagnóstico. A jovem mãe sonha encontrar um novo parceiro nas mesmas condições que ela, para ter algum apoio na educação da sua filha. "Quando lhes digo que estou infetada com o vírus, eles fogem", conta.

O seu marido já sabia que era portador do vírus, mas recusou-se a contar-lhe e, em segredo, estava a fazer tratamento antirrretroviral. Asta também não teve quaisquer cuidados pré-natais e teve a bebé em casa.

Ouvir o áudio 02:55

Camarões lançam novo programa para combater HIV/SIDA

Hourei Issa, representante do Governo camaronês e porta-voz da prevenção contra o vírus da imunodeficiência humana, confirma que Asta Gumanji faz parte da lista de mulheres que deu à luz em casa em 2016, sem saber qual o seu estado de saúde.

"Temos promovido programas para que as parteiras tradicionais não retenham as mulheres nas suas comunidades", explica Hourei Issa. O trabalho passa também pelas aldeias, onde se procura ajuda para a passar a mensagem dos riscos que advém da falta de acompanhamento natal e pré-natal. "Esperamos que as coisas melhorem este ano", afirma o porta-voz.

Testes a recém-nascidos

Também se espera que diminua o tempo de espera dos resultados dos testes ao HIV feitos aos recém-nascidos nos hospitais da região, com a hipótese de usar máquinas de análise ao sangue que permitam realizar o diagnóstico a bebés com menos de 18 meses.

Isto iria permitir testar as amostras localmente, sem terem que percorrer grandes distâncias até ao centro de análises mais próximo, explica Wekang Georgette, oficial do Ministério da Saúde e responsável pelo combate à doença.

"Os resultados demoram seis meses, às vezes sete, a chegar. Já aconteceu os resultados chegarem já depois da morte da criança", explica. Além disso, lembra Wekang Georgette, "há um estigma muito grande" e muitas mulheres não regressam com os seus bebés para saber os resultados.

Nos Camarões, as mulheres são o principal grupo de risco, sendo o maior número de pessoas a viver com a doença. São também muito mais estigmatizadas do que os homens portadores da doença.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados