1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Cabo Verde perto de dizer adeus à malária

Os casos de malária recuaram em um terço em África e Cabo Verde será o primeiro dos PALOP a eliminar a malária, segundo relatório da OMS. Moçambique e Angola estão no bom caminho, mas ainda com desafios pela frente.

default

Amostras de sangue do Centro de Investigação de Saúde da Manhiça em Moçambique

A Organização Mundial da Saúde e a Parceria Fazer Recuar a Malária divulgaram esta quarta-feira (11.12.), em Nova Iorque e Genebra, um relatório no qual sublinham que a malária recuou de 29% no mundo.

Em África o recuo foi de 31%, e 3 milhões e trezentas mil pessoas, a maioria crianças menores de cinco anos, foram salvas, ou seja, 45% de pessoas deixaram de morrer no mundo de malária e 49% em África, nestes últimos 10 anos.

Contribuíram para isso a utilização de redes mosquiteiras com inseticida, de medicamentos preventivos e dos novos testes rápidos para dignosticar a presença do parasita.

Entretanto, esse avanço poderá ser comprometido se não aumentarem os recursos necessários ao combate do parasita e do mosquito vetor. São precisos 5,1 mil milhões de dólares, mas os recursos disponíveis chegam a apenas 2,5 mil milhões.

Moskitonetz

Em muitos países africanos as redes mosquiteiras são distribuídas gratuitamente

Cabo Verde livre em breve

Embora Moçambique e Angola tenham feito alguns avanços no combate à malária, ao que tudo indica, Cabo Verde será o primeiro país de língua portuguesa em África a eliminar a doença.

Robert Newman, diretor do Programa Global da Organização Mundial da Saúde (OMS) contra a malária, que já viveu em Moçambique e Angola explica em que fase está o arquipélago: "Cabo Verde está muito perto. Fez muitos avanços contra a malária nestes últimos anos: Então está a entrar nessa fase da eliminação da doença."

Quanto a outros Países Africanos de Língua Portuguesa, PALOP, Robert Newman diz: "Podemos dizer que Moçambique e outros países lusófonos em África fizeram progressos, sem dúvida, houve uma expansão de redes mosquiteiras. Em Moçambique e Angola também houve um bom acesso ao dignóstico e tratamento, mas são países que têm ainda desafios bastante grandes."

Forschungszentrum für Gesundheit von Manhica

O Centro de Pesquisa de Saúde da Manhiça, em Moçambique, pesquisa vacina contra a malária

Resistência aos medicamentos

A luta contra a malária enfrenta o problema da resistência do mosquito vetor aos inseticidas, como já ocorre em alguns países africanos: "Então, o problema de resistência é algo muito sério. No passado tivemos medicamentos muito úteis como a cloroquina, mas hoje em dia ela não funciona mais na maioria dos países onde há malária."

Relativamente a artemisinina (um outro medicamento contra a malária) ainda corre tudo bem no continente, mas já há relatos de resistência noutros lugares: "Agora temos medicamentos, combinações baseadas na artemisinina, mas temos as primeiras indicações de resistência a este medicamento na Ásia. Felizmente ainda não temos problemas com este medicamento em África."

Entretanto, Robert Newman não vê grande risco para a Europa com o aquecimento climático porque os mosquitos vetores sempre existiram na Europa.

A solução para se eliminar a malária seria encontrar-se uma boa vacina, diz o colaborador da OMS: "Temos uma vacina que está na fase de desenvolvimento, em ensaio clínico em África, que vai terminar em 2014. O nome dela é RTSS, e na OMS estamos prontos para rever todos os resultados dos testes clínicos em 2015 e vamos ver qual é a recomendação para os países africanos onde a vacina foi testada sobre a utilização no futuro."

Ouvir o áudio 03:21

Cabo Verde perto de dizer adeus a malária

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados