1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Cabo Verde é o melhor lusófono no Índice da Democracia divulgado pela EIU

Cinco zonas do globo regrediram na sua nota - América Latina, Médio Oriente, Africa Subsaariana, Europa Ocidental e Europa de Leste -, sendo que esta última teve a maior queda, de 5.55 para 5.43.

Kap Verden Fernando Elísio Freire (Daniel Almeida)

Foto de arquivo: Sessão no Parlamento de Cabo Verde (2015)

De acordo com a edição de 2016 do Índice da Democracia, divulgado pela (EIU), Cabo Verde é o país lusófono melhor colocado internacionalmente, na 23.ª posição e a Guiné Equatorial o pior (163.º) entre 167 países e territórios analisados.

Timor-Leste lidera o ranking do Índice da Democracia no sudeste asiático e é o 7.º na Ásia e Oceânia. A pontuação de Timor-Leste no ranking mantém-se inalterada há quatro anos, com 7,24 valores numa escala de 10 e num grupo em que quase metade dos países abrangidos registou quedas nos resultados, entre 2006 e 2016.

Agio Pereira, porta-voz do Governo timorense, destaca o facto de a classificação dar pontuação elevada ao processo eleitoral e pluralismo, "refletindo as eleições livres e justas, o sufrágio universal, os esforços no sentido de garantir as liberdades dos eleitores e o processo de transferência ordeira das administrações" públicas.

Wahlen Osttimor Stimmabgabe (AP)

Eleitora de Timor-Leste a votar em abril de 2012

"As ferramentas de comparação internacionais como o índice de democracia são constantemente confrontadas com o desafio de garantir a precisão. No entanto, o que vemos claramente refletido nesta e noutras comparações internacionais é que as nossas liberdades definidas na Constituição, nomeadamente o processo eleitoral e o pluralismo, estão a ser firmemente defendidas", referiu em comunicado.

"À medida que nos aproximamos das eleições presidenciais do dia 20 de março e das eleições parlamentares, uns meses mais tarde, estamos novamente a usar e afirmar esses direitos, conscientes de que, em muitas partes do mundo, os cidadãos não têm tais direitos e responsabilidades", sublinhou.

Moçambique no grupo de regimes híbridos

Em termos dos lusófonos, e num ranking onde não figura São Tomé e Príncipe, Cabo Verde é o melhor classificado, na 23.ª posição com 7,94 valores, seguindo-se Portugal em 28.º (7,86 valores), Timor-Leste em 43.º (7,24 valores) e o Brasil em 51.º (6,9 valores), estando os quatro no grupo de democracias imperfeitas.

Moçambique está no grupo dos regimes híbridos, surgindo em 115.º (4,02 valores), com três nações no grupo dos Estados autoritários: Angola (130.º e 3,40 valores), Guiné-Bissau (157.º lugar e 1,98 valores) e Guiné Equatorial (163.º e 1,7 valores).

Mosambik - Maputo (picture-alliance/dpa)

Vista parcial da capital de moçambicana, Maputo

O Brasil é o oitavo no ranking da América Latina e Portugal é 17.º no ranking da Europa Ocidental. No ranking do grupo de África Subsaariana, Cabo Verde é segundo, Moçambique é 21.º, Angola é 29.º, Guiné- Bissau é 40.º e a Guiné Equatorial é 42.º.

Nona edição: "A vingança dos deploráveis”

Intitulada "A vingança dos deploráveis", em referência ao que considera ter sido "a revolta popular em 2016 contra as elites políticas que são vistas por muitos como estando fora de contato e não representando os interesses de pessoas comuns", esta é a nona edição do relatório.

Para compilar o ranking a EIU baseia-se em cinco categorias: processo eleitoral e pluralismo, liberdades civis, funcionamento do governo, participação política e cultura política, dando a cada país notas de 1 a 10.

Com base nos valores obtidos nas cinco categorias os países são divididos em quatro tipos de regimes: democracia plena, democracia imperfeita, regime hibrido e regime autoritário.

Portugal Demo Lissabon - angolanische Aktivisten (DW/J. Carlos)

Manifestação em Lisboa para exigir libertação de presos políticos em Angola (13.04.2016)

O planeta regista em 2016 um valor médio de 5,52 valores (menos três décimas que em 2015, com 72 países a registarem uma queda na sua pontuação total em comparação com o ano anterior, 38 a registarem melhorias e 57 a permanecerem com níveis idênticos.

Nenhuma região melhorou

Cinco zonas do globo regrediram na sua nota - América Latina, Médio Oriente, Africa Subsaariana, Europa Ocidental e Europa de Leste -, sendo que esta última teve a maior queda, de 5.55 para 5.43.

Nenhuma região melhorou tendo a Ásia e Oceânia e a América do Norte estagnado.

Quase metade (49,3%) da população mundial vive em algum tipo de democracia ainda que só 4,5% viva em democracia plena (era 8,9% em 2015), devido à queda dos Estados Unidos e cerca de 2,6 mil milhões de pessoas, segundo a EIU vivem sob regimes autoritários.

Há 76 países a viver em democracia, mas desses apenas 19 em democracias plenas - menos uma devido à queda dos Estados Unidos que passou a ser democracia imperfeita - com 40 países de regimes híbridos e 51 autoritários.

 

Leia mais