1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Burkina Faso e Mali unem-se contra o terrorismo

O Burkina Faso e o Mali vão cooperar na luta contra a ameaça de extremistas islâmicos na África Ocidental. O anúncio surge depois dos ataques em Ouagadougou, na sexta-feira (15.01), que causaram pelo menos 29 mortos.

default

O primeiro-ministro do Mali, Modibo Keita (esq.), e o seu homólogo do Burkina Faso, Paul Kaba Thieb (centro), estiveram no Hotel Splendid depois dos ataques

"Há vontade dos Estados em reunir esforços a fim de combater o terrorismo, que se tornou num fenómeno transnacional afetando os nossos países. E o chefe de Estado concordou em reforçar a cooperação com o Mali em termos de partilha de informação, patrulhamento conjunto e noutras áreas", anunciou o primeiro-ministro do Burkina Faso, Paul Kaba Thieb, depois de uma reunião, no domingo (17.01), na capital burkinabé, Ouagadougou, com o seu homólogo maliano, Modibo Keita.

De acordo com o mais recente balanço, 29 pessoas foram mortas - cerca de metade cidadãos estrangeiros - e cerca de 50 ficaram feridas. Os ataques contra um hotel e um restaurante foram reivindicados pelo grupo terrorista Al Qaeda no Magrebe Islâmico e atribuídos ao grupo Al-Mourabitoune, do líder jihadista Mokhtar Belmokhtar, segundo uma organização norte-americana que faz a monitorização de sites islâmicos.

As forças de segurança prosseguem o trabalho de busca de terroristas que possam estar em fuga. Já foram identificados os corpos de três extremistas.

Testemunhas dos ataques

O ministro do Trabalho do Burkina Faso, Clement Sawadogo, estava no hotel quando se deu o ataque. "Estávamos trancados na sala de reuniões. Eles foram até ao 4º andar, arrombaram a porta a tiro, entraram na sala e começaram a disparar, tendo ferido alguns de nós", relata.

Ouvir o áudio 03:17

Burkina Faso e Mali unem-se contra o terrorismo

Um sobrevivente, que foi alvejado pelos terroristas, conta o que aconteceu no restaurante. "Primeiro, dispararam com armas pesadas em rajada. Um deles atingiu-me no ombro. Outras pessoas que estavam lá ficaram gravemente feridas. E, ao sair, os terroristas voltaram a disparar".

Segundo sobreviventes, os atacantes tinham como alvo principalmente cidadãos estrangeiros no restaurante e no hotel, frequentados sobretudo por ocidentais.

Reforço da segurança

As autoridades reforçaram as medidas de segurança. Mas é preciso que os cidadãos do Burkina estejam também "vigilantes" e "tenham coragem", disse o Presidente Marc Christian Kaboré, que domingo (17.01) visitou o local dos atentados.

"Devemos mobilizar-nos e adotar ações para o combate diário contra o terrorismo e em prol do desenvolvimento do país", salientou o chefe de Estado.

Os atentados no Burkina Faso têm semelhanças com um ataque reivindicado também pela Al Qaeda no Magrebe Islâmico contra um hotel de luxo em Bamako, a capital do Mali, que matou 20 pessoas, em novembro último.

Burkina Faso Anschlag auf Splendid Hotel in Ouagadougou

Cerco ao hotel terminou com pelo menos 29 mortos

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados