1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Bons resultados na vacinação contra cólera em Tete

Campanha de vacinação contra a cólera na província central de Tete foi bem sucedida. Ela termina esta sexta-feira (12.05.) e deixou os visados satisfeitos. A segunda fase está prevista para este ano.

default

Vacinação contra a cólera na cidade de Tete, centro de Moçambique

A campanha, que vinha decorrendo desde última segunda-feira (08.05.) previa abranger mais de 341 mil pessoas, nos distritos de Moatize, Marara e Cidade de Tete e reduzir os índices de contaminação pela doença que este ano afetou mais de 1000 pessoas só na cidade de Tete fazendo dois óbitos.

A DW África testemunhou nas várias brigadas montadas na cidade-capital da província de Tete uma afluência massiva dos citadinos.

Alexandre Malenga e Jesus Jaime são moradores do bairro Chingodiz, arredores da cidade, um dos bairros mais afetados pela cólera em 2015 e princípios deste ano. Em entrevista à DW os dois mostraram-se satisfeitos.

Alexandre Malenga diz: "Depois de tomar estou-me a sentir bem. Com este programa de saúde estamos a ver que podemos combater [a doença] porque há dias passamos mal.”

Já Jaime Jesus recorda: "Neste bairro [Chingodzi] houve muita tragédia. Eu não me sentia bem em não tomar esta vacina anti-cólera.”

Este citadino vinca a importância da observância das regras básicas de saneamento para evitar a eclosão da doença. "Informar aos compatriotas para participarmos todos juntos. Porque os prejuízos são para todos nós”, finaliza Jesus. Os seus dois filhos menores também já tomaram a vacina logo no primeiro dia.

Grande aderência a vacinação

Os distritos de Marara, Moatize e a cidade de Tete são os abrangidos pela campanha. Na capital provincial a campanha está a decorrer em todos os bairros.

Mosambik Tete Cholera Impfung

A adesão a vacinação contra a cólera foi grande

A chefe da brigada de vacinação afeta ao bairro Chingodzi, Isaura Paula, mostrou-se satisfeita com aderência dos residentes daquele bairro. 

"Esta é uma zona de muita afluência. Muitas pessoas estão aderir a esta campanha. Até acredito que já atingimos mais de 4 mil pessoas”, disse Isaura Paula, apelando as pessoas a não abdicarem das regras básicas de higiene.

José Sinoia é secretário do bairro Chingodzi e acredita que mais pessoas serão abrangidas pela campanha porque "pessoas daqui deixam tudo para a última hora. O número de pessoas vacinadas vai aumentar até o fim”, disse.

Ao todo, até esta quinta-feira (11.05.), tinham sido vacinadas nos três distritos escalados mais de 257 mil pessoas, segundo Alex Bertil, porta-voz da Direção Provincial da Saúde de Tete: "Acredito que conseguiremos alcançar os 90 por cento ou mais, visto que hoje é o último dia. Estamos a registar muita afluência.”

Bertil garante que várias brigadas móveis estavam até esta sexta-feira (12.05.), último dia da campanha, a efetuar a vacinação nas instituições públicas e privadas.

Ouvir o áudio 03:15

Bons resultados na vacinação contra cólera em Tete

O porta-voz da Direção Provincial da Saúde de Tete esclarece que "nos distritos de Marara e Moatize apenas estamos a vacinar aquelas áreas mais próximas da cidade de Tete, e na cidade são todos os bairros.”

Resultados da vacinação

Tete é a segunda província moçambicana a administrar a vacina contra cólera depois de Nampula em 2016.

Dados do setor da Saúde apontam que em 2015, mais de 3 mil pessoas tiveram cólera na cidade de Tete, Mutarara e Moatize, com um total de 22 óbitos. Este ano a doença apenas afetou a cidade de Tete com um total de 1015 casos diagnosticados e dois óbitos.

Alex Bertil conta que "houve uma diminuição do número de casos na cidade de Tete e de óbitos, devido aos esforços que foram empreendidos para diminuir os casos da cólera”, e garante ainda o seguinte: "Quanto aos óbitos notamos uma diminuição porque houve melhoria no manejo atempado dos casos”.

Ainda este ano será aplicada a segunda dose da vacina contra cólera na província de Tete. E só assim os vacinados estarão livres da cólera por um período de cinco anos.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados